Socióloga Maria Isaura de Queiroz morre aos 100 anos

Professora emérita da USP se destacou nos estudos sobre movimentos religiosos e o universo rural

Por - Editorias: Cultura - URL Curta: jornal.usp.br/?p=217959
  • 2,1K
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: FFLCH

A socióloga e professora emérita da USP Maria Isaura Pereira de Queiroz faleceu no dia 29 de dezembro, aos 100 anos de idade.

Maria Isaura ingressou no curso de Ciências Sociais da então Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL) em 1946. Após receber o diploma em 1949, tornou-se auxiliar de ensino da cadeira de Sociologia I, ocupada pelo professor Roger Bastide, seu orientador. Conseguiu uma bolsa de estudos na Universidade Paris em 1951, onde permaneceu até 1953. Diplomou-se em 1956 e conseguiu a equivalência da titulação no Brasil em 1960, tornando-se professora na FFCL.

Maria Isaura lecionou até 1982. Entre as universidades em que deu aulas estão a École des Hautes Études, Institut des Hautes Études d`Amérlque Latine, Université de Paris, Université de Paris 11. Ela também lecionou na Université Laval, no Canadá, na Université des Mutants, no Senegal e na Université Laval-Ia-Neuve, na Bélgica.

Entre os temas que pesquisou estão a sociologia dos movimentos religiosos e messiânicos, o ambiente rural, o camponês, o sertanejo e o cangaceiro, o mandonismo político, a cultura brasileira e o carnaval.

Foto: Divulgação / Memorial da Democracia

Em 1957, publicou A Guerra Santa no Brasil: O Movimento Messiânico no Contestado, depois O Messianismo no Brasil e no Mundo, em 1965. Publicou também na França e foi traduzida para o italiano, inglês e espanhol. O historiador Eric Hobsbawm era um grande apreciador de suas produções, tendo-a traduzido para o inglês.

A docente recebeu o Prêmio Jabuti em 1976, por O Messianismo no Brasil e no Mundo.  Sua monografia A Dança de São Gonçalo num Município Bahiano venceu o 11º concurso Mário de Andrade em 1957. Em 1990, Maria Isaura se tornou a primeira professora emérita mulher da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFLCH) da USP, sucessora espiritual da FFCL.

Em agosto do ano passado, o centenário da professora, completado no dia 26 do mesmo mês, foi comemorado na mesa redonda “A contribuição de Maria Isaura Pereira de Queiroz para a Sociologia brasileira”, realizado pela Centro de Estudos Rurais e Urbanos (Ceru) da FFLCH, grupo qual foi uma das fundadoras e diretora-presidente.

  • 2,1K
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados