Seminário apresenta produção editoral que buscou entender o Brasil

Evento que acontece na Biblioteca Brasiliana analisa obras e trabalhos dos anos 1930 aos 1950

Por - Editorias: Cultura
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
Foto: Marcos Santos / USP Imagens

.
O seminário Coleções Brasilianas e a redescoberta do Brasil, anos 1930 aos 1950 acontece nesta sexta-feira na Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin. O evento reúne apresentações sobre livros e coleções publicados durante estas três décadas que buscavam retratar, entender e criar uma imagem do Brasil.

“Foram muito comuns as coleções chamadas brasilianas, que representam um momento de vontade de descoberta do Brasil, de conhecer o Brasil em vários planos, desde a história até a geografia, a literatura, ensaios sociais, interpretações do país”, explica uma das organizadoras do evento e professora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP Gabriela Pellegrino Soares.

Segundo Gabriela, o objetivo do seminário é destacar o impulso de editoras brasileiras de se voltar a temas nacionais, com destaque às obras que apresentavam determinadas imagens do país. Estarão presentes pesquisadores da USP, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e Universidade Federal Fluminense (UFF).

Na abertura do evento, a professora de Antropologia da Unicamp Heloísa Pontes traça um panorama dos editores e das coleções brasilianas nos anos de 1930 aos 1950. Em seguida, quatro mesas agrupam por assunto trabalhos sobre as brasilianas.

A primeira traz análises de obras relacionadas ao período colonial. São relatos de viajantes e pesquisadores da época, que receberam edições em livro no século 20. É apresentado Os Relatos Monçoeiros, da coleção Biblioteca Histórica Paulista da Livraria Martins, ao lado das narrativas do botânico francês Auguste de Saint’Hilaire (1779-1853) e dos diários de viagem do paulista Francisco José de Lacerda e Almeida (1753-1798). Completa a mesa uma análise da trajetória editorial de A Historia do Brazil de frei Vicente de Salvador (1564-1636), pai da historiografia nacional.

As mesas seguintes apresentam recortes mais contemporâneos. Uma delas fala sobre o professor emérito da USP Fernando de Azevedo (1894-1974), que fundou e dirigiu por quinze anos a coleção Biblioteca Pedagógica Brasileira, na Companhia Editora Nacional. Em outra, é analisada a edição da obra de Jorge Amado na editora José Olympio, dentro da coleção Os romances da Bahia. A última mesa trata da coleção Biblioteca do IV Centenário de São Paulo, lançada por ocasião dos 400 anos na cidade.

“Nós vamos falar sobre esse processo de descoberta pelo crivo das produções editoriais que deram destaque a essa preocupação e levaram a um publico mais amplo temas, autores e informações que até então eram de circulação muito restrita”, explica Gabriela.

O seminário Coleções Brasilianas e a redescoberta do Brasil, anos 1930 aos 1950 ocorre sexta-feira, dia 20/10, na Sala Villa-Lobos da Biblioteca Brasiliana, a partir das 8h30. A organização do evento é de Gabriela Pellegrino Soares e Maria Aparecida de Menezes Borrego.

As inscrições podem ser feitas através do e-mail brasilianasinscricoes@gmail.com

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados