“Revista do IEB” destaca a obra poética de Stela do Patrocínio

Poetisa que viveu 30 anos internada em instituições psiquiátricas falava da dor da clausura em linguagem própria

 23/09/2021 - Publicado há 1 mês  Atualizado: 24/09/2021 as 18:15
Por
capa do livro Reino dos bichos e dos animais é meu nome – Foto: Divulgação

Perdi o gosto o prazer o desejo a vontade o querer 

(Stela do Patrocínio, em Reino dos Bichos e dos Animais É Meu Nome)

O verso acima é parte da obra poética de Stela do Patrocínio, tema de um dos artigos da edição 79 da Revista do IEB, publicada pelo Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP, que acaba de ser lançada. O artigo sobre a poetisa intitulado Stela do Patrocínio: Um Passado de Areia — é assinado pela professora Solange de Oliveira, da Universidade Federal de Sergipe (UFS), pesquisadora na área de estética e filosofia contemporânea. A revista traz ainda outros oito artigos, que versam sobre diferentes temas, desde o pensamento do economista Roberto Campos (1917-2001) e o feminismo no Jornal das Moças, uma publicação da década de 50, até a formação do professor de geografia e a história do Paulista Futebol Clube, de Jundiaí (SP).

Nascida em 1941, no Rio de Janeiro, a poetisa Stela do Patrocínio passou grande parte de sua vida internada em instituições psiquiátricas, onde teve seu talento descoberto. Aos 21 anos foi encaminhada ao Centro Psiquiátrico Pedro II, no Rio, diagnosticada com esquizofrenia. Em 1966, foi transferida para a Colônia Juliano Moreira e tornou-se paciente do Núcleo Teixeira Brandão, voltado para mulheres, onde permaneceu até sua morte, em outubro de 1992, aos 51 anos. Foram 30 anos de internação, sem contato com familiares ou colegas.

Foi graças à instalação de um núcleo artístico na Colônia Juliano Moreira, na década de 1980, que as produções de Stela foram reconhecidas. O “falatório” da poetisa — termo usado para se referir às suas enunciações — foi registrado pela equipe de psicólogos do núcleo, e posteriormente transcritos em versos. A experiência na clausura, a dor, a solidão e a doença são tópicos abordados em suas reflexões. 

 

Eu estava com saúde

Adoeci

Eu não ia adoecer sozinha não

Mas eu estava com saúde

Estava com muita saúde

Me adoeceram

Me internaram no hospital

E me deixaram internada

E agora eu vivo no hospital como doente

O hospital parece uma casa

O hospital é um hospital

(Stela do Patrocínio)

A pequena fração do trabalho artístico de Stela da qual se tem conhecimento, bem como os  fatos sobre sua trajetória de vida, foi reunida pela psicanalista Viviane Mosé no livro Reino dos Bichos e dos Animais É Meu Nome, publicado em 2001, que reúne a transposição daquelas falas gravadas.

A proposta do artigo Stela do Patrocínio: Um Passado de Areia é fazer uma leitura de abordagem fenomenológica existencialista da obra de Stela do Patrocínio. “Este ensaio celebra a alteridade como fonte de conhecimento e de possibilidades que se abrem, quando nos permitimos adentrar em um mundo impensável até então. O intuito é suscitar a resistência ao pensamento homogêneo e convocar à tomada de posição”, escreve a professora Solange de Oliveira.

“Stela do Patrocínio aguça imagens borradas e cruas. Expressa-se torcendo as palavras, espoliando-as sem pudor.” As primeiras palavras do artigo antecipam o que será tratado pela autora no que diz respeito ao que difere a obra de Stela daquilo que, como sociedade, fomos ensinados a valorizar: o familiar, o pensamento instalado e o letramento excessivo. “Nada há na poesia de Stela do Patrocínio que suscite esse mundo explicado e comprovado pelas verdades científicas. A fala da poetisa se anuncia em nós, e nos convoca a uma tomada de posição diante de seu estilo”, destaca Solange. “O estilo é um modo de formulação através do qual Stela se faz reconhecer em sua escritura. É um determinado meio de recriar o mundo a partir de um repertório de valores.”

O mundo que eu tô botando pra dentro

De tanto olhar

Olhar

De tanto enxergar olhar ver espiar

Sentir e notar

Tô botando tudo pra dentro porque botando

pra dentro eu botei pra fora

(Stela do Patrocínio)

Através desse estilo e linguagem próprios, Stela traça sua história, que é também pertencente à massa de excluídos da sociedade, e registra certa denúncia aos tratamentos que, mais tarde, pelo viés da luta antimanicomial, passaram a ser analisados de outra forma. “O ponto no mundo que ocupa e do qual Stela fala é único; também suas experiências são inalienáveis, mas têm o poder de nos penetrar e articular em nós um pensamento que era impensável até esse contato unívoco”, analisa Solange.

Para a professora, a expressão de Stela do Patrocínio parte de um mundo sem glamour como inspiração, “como a flor de lótus cintilando ao sol, com as raízes fixadas na lama”, compara. No artigo, há ainda a reflexão de que as expressões chamadas inatas, de iletrados ou subletrados artisticamente, estão ganhando espaço e notoriedade no mundo mais diverso da contemporaneidade. “Resta saber se seus protagonistas também são.”

É dito: pelo chão você não pode ficar

Porque lugar de cabeça é na cabeça

Lugar de corpo é no corpo

Pelas paredes você também não pode

Pelas camas também você não vai poder ficar

Pelo espaço vazio você também não vai poder ficar

Porque lugar de cabeça é na cabeça

Lugar de corpo é no corpo

(Stela do Patrocínio)

A nova edição da Revista do IEB estreia a seção Criação, que tem como objetivo publicar textos e materiais inéditos de escritores, artistas, fotógrafos e desenhistas. Para essa edição, foram selecionados seis poemas de Maria Nilda de Carvalho Mota, a Dinha, que é militante contra o racismo. Completando a revista, a seção Documentação traz o artigo Entre Plantas e Documentos: Algumas Considerações sobre a Contribuição do Acervo do IEB ao Pequeno Guia da Botânica Modernista, de Ana Carolina Ribeiro, e a resenha Correspondência Intelectual: Uma Nova Perspectiva sobre Furtado, de Mauricio Coutinho, que comenta a correspondência intelectual do economista Celso Furtado do período de 1949 a 2004

Capa da nova edição da Revista do IEB, lançada neste mês – Foto: Divulgação

A Revista do IEB, número 79, publicação do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP, está disponível gratuitamente neste link.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.