Politicamente correto atingiu a obra de Lobato, diz pesquisador

Rádio USP traz entrevista com curadores de exposição sobre o escritor, em cartaz na Biblioteca Brasiliana

  • 81
  •  
  •  
  •  
  •  

As acusações de racismo desferidas contra o escritor paulista Monteiro Lobato (1882-1948) se devem ao fato de que o “filtro” do politicamente correto do século 21 se aplicou a uma obra do início dos anos 30 do século 20.

Foi o que afirmou o pesquisador Vladimir Sacchetta, um dos curadores da exposição Monteiro Lobato Sem Fronteiras – em cartaz na Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM) da USP -, em entrevista no programa Via Sampa, da Rádio USP (93,7 MHz). Leia mais sobre a exposição neste link.

O escritor Monteiro Lobato – Foto: Domínio Público via Wikimedia Commons – CC

Na entrevista, Sacchetta lembrou que, no mesmo livro em que a boneca Emília faz malcriações para a Tia Nastácia – Caçadas de Pedrinho, de 1933, obra que gerou as críticas de racismo a Lobato -,  o personagem Pedrinho caça uma onça-pintada, hoje um animal protegido pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), cuja caça constitui crime inafiançável. “É preciso sempre que alguém faça a leitura para a criança, explicando que aquelas malcriações são impensáveis nos dias de hoje.”

A entrevista no programa Via Sampa foi realizada no dia 15 de maio de 2018 e contou com a presença do diretor  do Instituto de Estudos Monteiro Lobato (IEMB), de Taubaté (SP), Luciano Mizrahi Pereira, também curador da mostra Monteiro Lobato Sem Fronteiras.

Sacchetta e Pereira foram entrevistados por Miriam Ramos e por Marcello Bittencourt.

Via Sampa vai ao ar diariamente, ao meio-dia, pela Rádio USP. A produção é de Heloisa Granito e a apresentação, de Miriam Ramos.

Ouça no link acima a íntegra da entrevista.

  • 81
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados