Peças religiosas do Museu Paulista são tema de palestra

Evento inclui ainda visita técnica ao museu Afro Brasil, que exibe atualmente exposição sobre o barroco

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
Oratório da Coleção Casagrande, de acervo particular – Foto: Iran Monteiro da Silva

Nesta sexta-feira, dia 22 de setembro, às 14 horas, o Museu Paulista da USP, também conhecido como Museu do Ipiranga, promove a palestra Objetos Religiosos em Acervos do Museu do Ipiranga e Coleções Particulares: Trajetórias para a Pesquisa da Arte Cristã de Tradição Barroca, com a professora Silveli Maria de Toledo Russo. 

Silveli é doutora em História e Fundamentos da Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP, tendo um longo trabalho voltado para as artes religiosas. Sua palestra terá como foco os objetos de cunho religioso que estão disponíveis no acervo do Museu Paulista e também em coleções particulares. “Falarei sobre a materialidade das peças, ou seja, a questão estética delas, mas também o seu contexto social, pois esses objetos remontam à época do Brasil Colonial.”

São peças produzidas por portugueses e trabalhadores brasileiros, oriundos principalmente do Sudeste e do Nordeste brasileiro. Ela explica que naquela época não era todo mundo que podia possuir determinadas peças. Objetos menores, com o foco na devoção, podiam ser encontrados nas casas de pessoas com menor poder aquisitivo, porém os objetos elevados a altar tinham um uso mais restrito.

Oratório do acervo no Museu Paulista – Foto: Silveli Maria de Toledo Russo

“Apenas pessoas com poder aquisitivo maior e com autorização da Igreja podiam possuir esses objetos, então eram padres, religiosos, portugueses ligados ao comércio, coronéis, entre outros.” Essa atitude, explica a professora, diz muito sobre a cultura da época. Essas pessoas recebiam autorização para ter o altar em um cômodo da casa, de acordo com as recomendações da Igreja. Possuir objetos elevados a altar permitia a essa parte da sociedade realizar ritos litúrgicos e eventos religiosos. O que os tornava reconhecidos por ter poder e riqueza.

A Igreja teve grande influência na vida da sociedade do Brasil Colonial. Segundo Silveli, a manifestação religiosa era fundamental nos costumes daquele momento, portanto, todos tinham ao menos pinturas religiosas em suas casas. “Era uma forma de eles estarem com a Igreja e estarem com Deus. Então todos queriam ter o poder de contemplar a religiosidade, mesmo não tendo poder aquisitivo.” Por isso, analisar essas peças é importante não somente pela questão artística, mas também pela perspectiva histórica e social.

Após a palestra, será decidido com os presentes o melhor horário para uma visita técnica, no dia seguinte, sábado, dia 23, ao Museu Afro-Brasil, localizado no Parque Ibirapuera. O museu exibe atualmente a exposição Barroco Ardente e Sintético, que reúne cerca de 400 obras do barroco. Com curadoria de Emanoel Araújo, a mostra é uma homenagem ao Jubileu de 300 anos de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, e traça variadas manifestações do estilo artístico em Portugal e no Brasil.

A palestra Objetos Religiosos em Acervos do Museu do Ipiranga e Coleções Particulares: Trajetórias para a Pesquisa da Arte Cristã de Tradição Barroca, da professora Silveli Maria de Toledo Russo, será no dia 22 de setembro, das 14h às 16h, no Espaço de Atividades Educativas do Museu Paulista (Parque da Independência, bairro do Ipiranga, em São Paulo, telefone 11 2065-8000). Entrada grátis. No dia 23 de setembro, em horário a combinar, será feita uma visita técnica à exposição Barroco Ardente, do Museu Afro-Brasil. Ambas as atividades são gratuitas e abertas ao público.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados