Oficina Guimarães Rosa dá início à leitura de “Corpo de Baile”

Com inscrição gratuita, roda de leitura começa nesta quarta-feira, dia 5, na plataforma Google Meet

Editorias: Cultura - URL Curta: jornal.usp.br/?p=342597
Oficina de Leitura Guimarães Rosa acontece toda quarta-feira, das 18 às 20 horas – Foto: Divulgação/IEB

O romance Grande Sertão: Veredas e as novelas reunidas em Corpo de Baile, obras do escritor mineiro João Guimarães Rosa (1908-1967), foram compostos quase ao mesmo tempo – entre 1953 e 1955 – e formam um conjunto de mais de 1.200 páginas. Esses livros foram idealizados pelo autor originalmente como um corpo só e, embora o romance tenha ganhado vida própria, o diálogo entre as histórias é inegável. Pensando nisso, a Oficina de Leitura Guimarães Rosa, promovida pelo Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP, inaugura suas atividades do segundo semestre de 2020, nesta quarta-feira, dia 5, com a leitura de Corpo de Baile, depois de terminar Grande Sertão: Veredas na primeira metade do ano.

“Acredito que vai ser uma leitura mais trabalhosa, desafiadora, porém também mais enriquecedora”, conta Regina Pereira, uma das responsáveis pela roda de leitura. De acordo com ela, os participantes da oficina já leram algumas novelas de Corpo de Baile antes, mas nunca todas juntas, em sequência. “A novidade da leitura vai estar aí, e vamos descobrir juntos”, acrescenta. 

Inicialmente, Guimarães Rosa planejava escrever nove novelas, mas depois que o romance se desprendeu do conjunto ele terminou Corpo de Baile com sete. Número que não aparece por acaso. Alguns estudos indicam uma correspondência da obra com os conjuntos perfeitos — sete dias da criação, sete os ramos da árvore cósmica —, o que fica mais claro em O Recado do Morro. Nessa novela de Corpo de Baile, são sete os recados, sete os recadeiros, sete as fazendas e sete os fazendeiros. “Apesar de essas novelas poderem ser lidas como histórias independentes, a riqueza está em ter esse olhar para a unidade”, afirma Regina.

Segundo ela, embora o livro tenha sido pensado em volume único, a primeira edição de Corpo de Baile foi desmembrada em duas partes, porque os editores acreditavam que isso facilitaria as vendas. A segunda edição veio integrada, mas a terceira dividiu a obra em três volumes. “Nossa proposta agora é ler todas as sete novelas como um conjunto, porque foi assim que Guimarães Rosa idealizou”, conta ela. Dessa forma, acrescenta, é possível perceber como os mesmos personagens entram e saem de cena na narrativa. “O exemplo mais emblemático é o do Miguilim da primeira novela, que reaparece na última como o adulto Miguel.”

Edição de Corpo de Baile em três volumes – Foto: Reprodução/Amazon

As leituras acontecem toda quarta-feira, das 18 às 20 horas, agora de forma remota, através do Google Meet. “Não sabemos quando vamos voltar presencialmente, mas os encontros virtuais estão dando certo. Uma oportunidade para que pessoas de todo o Brasil e até do exterior participem”, afirma Regina. De acordo com ela, a expectativa é que o número de participantes aumente agora, o que será um desafio para eles e pode fazer com que seja necessário limitar o número de inscritos. Mas, por enquanto, as inscrições continuam sendo feitas através do formulário disponibilizado pela oficina. 

Outra atividade proposta pela oficina são palestras que ajudam a complementar o debate. No próximo dia 12  acontecerá a primeira do novo ciclo de leituras e o convidado é o pesquisador Frederico Antonio Camillo Camargo, doutor em Letras pela USP e colaborador do IEB. “No ano passado participamos de um curso ministrado por ele sobre textos inéditos e inacabados que fazem parte do acervo de Guimarães Rosa”, conta Regina. O objetivo é que o pesquisador possa ajudar a esclarecer alguns pontos da obra de Rosa.

Para Regina, o impacto da pandemia na roda de leitura não foi tão negativo. Na verdade, diz, acabou abrindo outras portas. “Nestes cinco meses produzimos um volume considerável de podcasts para o site do IEB, reunindo um rico acervo de narrações, informações e olhares sobre a obra de Guimarães Rosa”, destaca Regina. “Acho que mudamos definitivamente de patamar. E quem sabe o que o uso dessas plataformas e ferramentas ainda vai agregar?”

As inscrições para a Oficina de Leitura Guimarães Rosa devem ser feitas através deste link.

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.