Nova edição de “Estudos Avançados” discute cultura e sociedade

Publicação do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP traz artigos sobre questões da contemporaneidade

 Publicado: 17/11/2021
Por
Obras de Carolina Maria de Jesus e de João Guimarães Rosa são temas de artigos publicados na nova edição da revista Estudos Avançados – Arte de Rebeca Alencar

 

“Pra dizer a verdade, tenho nojo deste diário” (Carolina Maria de Jesus, 27 junho de 1960). Assim a pesquisadora Valeria Rosito abre o artigo (Obs)cena e Espetáculo em Carolina Maria de Jesus: Reflexões a Partir de Seus Manuscritos Inéditos, que se volta para um recorte de manuscritos inéditos de Carolina Maria de Jesus, produzidos entre 1958 e 1962, registrando os conflitos emergentes com sua profissionalização como “autora” para o projeto editorial protagonizado pelo seu best-seller Quarto de Despejo, no qual ela conta sua rotina na favela.

A análise é o primeiro ensaio do número 103 da revista Estudos Avançados, publicada pelo Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP, que traz o dossiê Cultura e Sociedade, revisitando temas relevantes de nossa contemporaneidade, como descreve o professor Sérgio Adorno no editorial. “Baseados em investigações originais, segundo diferentes perspectivas metodológicas inscritas em diversos territórios temáticos e conceituais, o conjunto dos textos procura acercar-se dos sentidos possíveis, ou talvez mesmo perdidos, dos tempos presentes”, afirma Adorno.

O dossiê reúne outros sete textos. A Dramaturgia Abolicionista de Artur Azevedo, de João Roberto Faria, mostra como foi relevante o envolvimento do autor com a luta pelo fim da escravidão no Brasil. O professor analisa a década de 1880, quando foi deflagrada a campanha abolicionista, época em que Artur Azevedo escreveu uma comédia e um drama para condenar a instituição do cativeiro; além das revistas de ano, uma forma de teatro cômico e musicado, em que ele satirizou os senhores escravocratas e denunciou os crimes que cometeram contra os escravizados. Inclui também sua atuação como jornalista e seus artigos comprometidos com a causa abolicionista.

Destaque também para o artigo De Pai Para Filho: Transmissão, Permanência e Mudança em “A Terceira Margem do Rio”, de João Guimarães Rosa, de Belinda Mandelbaum, que reflete sobre as “’cadeias de transmissão’ implicadas nas narrativas de Guimarães Rosa”. Como escreve Belinda, trata dos “causos” narrados oralmente pelos viajantes sertanejos na venda de Florduardo Rosa, pai do romancista, que foram transmitidos a ele através da correspondência trocada entre os dois e posteriormente refundidos em suas histórias. Para isso, ela utiliza o conto A Terceira Margem do Rio, tomando como referencial a “psicanálise dos vínculos”, que pensa a família como espaço privilegiado da transmissão de mensagens entre as gerações. Com base nesse referencial teórico, a autora considera que a mensagem indecifrável legada pelo pai – o motivo de ele abandonar a família e isolar-se na canoa, sem efetivamente partir para lugar nenhum – teria calado o filho, mas se tornado narrativa, deslocando a cadeia de transmissão do filho para o texto literário e seus leitores.

Capa da Edição 103 da revista Estudos Avançados – Foto: IEA-USP

Dois outros textos tomam como base obras de Franz Kafka. Um deles, com autoria de Celeste Ribeiro de Sousa, parte de conceituações de “pertencimento/não pertencimento” e apresenta o caso Kafka como ilustração, apontando as decisivas circunstâncias psíquicas, sociais e históricas que o levaram a escrever sobre seus sentimentos particulares, analisando, por fim, a pequena narrativa Gemeinschaft (Comunidade), traduzida para o português pela própria autora do ensaio. No segundo, Adelia Bezerra de Meneses apresenta um estudo sobre atualizações do mito odisseico a partir da abordagem do conto O Silêncio das Sereias de Kafka, à luz das ideias de Walter Benjamin sobre a impossibilidade da narrativa tradicional, por conta da degradação da experiência.

Ainda integram o dossiê A Língua do Outro e a Nossa: Política, Tradução e Psicanálise, que parte de aspectos linguístico-históricos gerais e se aproxima do caso brasileiro para pensar o papel do vernáculo como instrumento de colonização e a política de língua no Brasil; Nos Limites do Conhecimento, nos Limites da Forma: Uma Leitura de Sonetos de Rilke e Hermann Broch, em que a literatura é apresentada como uma forma específica de conhecimento, em condições de avançar sobre domínios, às vezes inacessíveis, às vezes complementares à investigação científica; O Corpo como Acesso ao Divino na Arte Iluminada de William Blake, que revisita a tradição crítica sobre as persistentes questões a respeito do corpo e seu papel no acesso humano ao divino; e, finalmente, O Brazilian-American Cultural Institute como Ferramenta Político-Cultural (1964-2007), acerca dos aspectos da diplomacia cultural brasileira nos Estados Unidos durante o período da guerra fria.

Além de Cultura e Sociedade, a nova edição da revista dá continuidade a outros dois dossiês temáticos. Híbridos do Conhecimento II focaliza questões desenvolvidas pelos grupos de pesquisa em Ambiente e Sociedade, mostrando resultados de pesquisas originais concluídas e em andamento, como informa Adorno. “Nesta edição são examinados com rigor temas tais como governança energética; avaliação de impacto ambiental, entre as quais a Gestão Baseada em Ecossistemas (GBE); natureza e impacto de pesquisas participativas na produção de saberes, de reflexão e auto-organização; e a natureza híbrida do conceito de patrimônio cultural”, enumera o editor. Já Espaços Religiosos II, segundo ele, traz contribuições que refletem a respeito da formação de acervos museográficos e colecionismo institucional; as contribuições de artistas como Candido Portinari, Mino Cerezo Barredo e Claudio Pastro para a constituição de acervos no interior do Estado de São Paulo; legados arquitetônicos nas cidades, suas transformações ao longo do tempo e mesmo em seus projetos iconográficos originais.

A revista Estudos Avançados, publicação do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP (volume 35, número 103, set./dez. 2021), está disponível neste link.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.