Museu do Ipiranga promove oficina no Dia Internacional da Mulher

Evento gratuito acontece neste domingo, dia 8, a partir das 10 horas, na Casa de Dona Yayá

Editorias: Cultura - URL Curta: jornal.usp.br/?p=305004
A Casa de Dona Yayá da USP, localizada no bairro da Bela Vista, na região central da capital – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

Neste domingo, 8 de março, às 10 horas, a Casa de Dona Yayá recebe a oficina De Menino ou de Menina?, promovida pelo setor educativo do Museu Paulista da USP, popularmente conhecido como Museu do Ipiranga. A atividade faz parte da programação Domingo na Yayá e está relacionada à exposição Museus e Acervos da USP, organizada pelo Centro de Preservação Cultural (CPC) da USP, que faz a gestão da Casa de Dona Yayá, patrimônio histórico da Universidade, localizado no bairro da Bela Vista, na região central da capital. A atividade é gratuita. Não é preciso fazer inscrição prévia. As vagas são limitadas a 20, para público de todas as idades.

No Dia Internacional da Mulher, a atividade expõe, de forma lúdica e interativa, questões relacionadas à identidade de gênero e ao ambiente doméstico. A temática antecipa, ainda, uma das exposições que o Museu Paulista vai apresentar em sua reabertura, em setembro de 2022, cujo título provisório é Casa Corpo. Nela, será abordado como a construção da identidade de gênero acontece nos espaços da casa, bem como a invisibilidade do trabalho doméstico.

Na oficina De Menino ou de Menina?, os participantes serão convidados a tocar em objetos, com os olhos vendados, e relacioná-los ao gênero – Foto: Divulgação / CPC

A oficina De Menino ou de Menina? propõe um olhar crítico sobre objetos do acervo do Museu Paulista, pertencentes em sua maioria à primeira metade do século 20. Eles serão colocados, um a um, dentro de uma caixa-surpresa, na qual o público poderá tatear e manusear os objetos, sem vê-los. Ali, faz-se a seguinte pergunta: o objeto dentro da caixa está mais associado à identidade feminina ou masculina?

Na sequência, os objetos serão revelados e, novamente, os participantes serão levados a pensar na associação de gênero que fizeram a eles. A partir desses elementos de discussão, o público será dividido em grupos, que deverão criar uma propaganda televisiva para os objetos. Assim, de forma lúdica, o discurso das propagandas transparecerá o conteúdo das discussões prévias. Serão disponibilizados materiais de arte e cenário para esse momento. Por fim, a atividade será encerrada com o registro dos participantes, em forma de desenho ou texto, sobre o que foi mais marcante nas discussões.

O Museu Paulista da USP, também conhecido como Museu do Ipiranga, está localizado no Parque da Independência, na zona sul de São Paulo – Foto: Francisco Emolo / Arquivo Jornal da USP

Fechado para reforma desde 2013, o Museu do Ipiranga segue em atividade com eventos, cursos, palestras e oficinas em diversos espaços da cidade. As obras de restauro, ampliação e modernização do museu começaram em outubro do ano passado, e a expectativa é que seja reaberto em setembro de 2022, para a celebração do bicentenário da Independência do Brasil. O edifício, tombado pelo Patrimônio Histórico Municipal, Estadual e Federal, foi construído entre 1885 e 1890 e está situado dentro do complexo do Parque da Independência. Concebido originalmente como um monumento à Independência, tornou-se em 1895 a sede do Museu do Estado, criado dois anos antes, sendo o museu público mais antigo de São Paulo e um dos mais antigos do País. Desde 1963 está sob a administração da USP, atendendo às funções de ensino, pesquisa e extensão, pilares de atuação da Universidade. Para mais informações sobre o restauro, acesse o site museudoipiranga2022.org.br.

O edifício conhecido como Casa de Dona Yayá constitui um documento histórico da transformação da cidade de São Paulo. É um dos últimos remanescentes do antigo cinturão de chácaras que circundava o centro da cidade. Em 1920 passou a ser residência de Sebastiana de Mello Freire, conhecida como Dona Yayá, que sofria de distúrbios psiquiátricos e, segundo orientação médica, deveria ficar isolada do cotidiano da cidade. Sofrendo várias alterações necessárias ao tratamento da proprietária, a casa funcionou como um sanatório particular, onde Dona Yayá viveu reclusa até 1961, ano de sua morte. Sem herdeiros, todos os seus bens, incluindo o casarão, foram transferidos à USP, conforme dispunha lei estadual na época.

Sede do Centro de Preservação Cultural (CPC) da USP, a Casa de Dona Yayá promove exposições, palestras e outras atividades – Foto: Gabriel Fernandes – CPC / Reprodução

A oficina De Menino ou de Menina? será realizada neste domingo, dia 8, das 10 às 12 horas, na Casa de Dona Yayá (Rua Major Diogo, 353, Bela Vista, em São Paulo, telefone 11 2648-1501). Estão disponíveis 20 vagas, por ordem de chegada. Não há inscrição prévia.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.