Livro busca consenso teórico para os mares agitados da comunicação

Autor reúne conceitos de diferentes pensadores para formar um novo ponto de vista sobre o assunto

Por - Editorias: Cultura
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Detalhe da capa do livro Navegar é Preciso, Comunicar é Impreciso, de Milton N. Campos

Estudar o conceito de comunicação é uma atividade relativamente nova para a humanidade, e estamos ainda longe de concordar sobre o que é esse conceito e como ele deve ser estudado: é uma ciência, um conjunto de ciências ou meramente objeto de estudos? Entretanto, a comunicação precede todos os outros conhecimentos e saberes humanos, das artes, ofícios e práticas às filosofias e disciplinas científicas. Essas reflexões são exemplos do que o leitor pode encontrar no livro Navegar é Preciso, Comunicar é Impreciso, de Milton N. Campos, publicado pela Editora da USP (Edusp).

Nessa obra, o professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro com livre-docência em Ciências da Comunicação e doutorado em Psicologia pela USP apresenta, de forma revisada e aumentada, suas ideias publicadas em 2015 no ensaio Traversée: Essai sur la Communication. A partir de uma série de diferentes teorias da comunicação, o autor pretende trazer a este campo “novo, vago e híbrido” um ponto de vista inovador, fazendo a travessia entre a teoria e a prática, entre os saberes ordinários e os conhecimentos científicos.

Propondo uma classificação da comunicação em suas dimensões discursivas, comportamentais e tecnológicas, o autor define a “ecologia dos sentidos”: um processo de interação progressivo ao longo do desenvolvimento histórico dos sujeitos, comunidades e sociedades. Suas principais referências na elaboração da teoria são a perspectiva sociopolítica do sociólogo alemão Jürgen Habermas (1929), o modelo cognitivo do pensador suíço Jean Piaget (1896-1980) e a lógica natural de seu mentor, o suíço Jean-Blaise Grize (1922-2013), que também assina o prefácio.

Além desses três intelectuais, Milton N. Campos ainda faz uso das contribuições filosóficas do líder budista Dalai Lama a respeito da ética e de conceitos de filósofos como Immanuel Kant (1724-1804) e Aristóteles (384 a.C.-322 a.C.), fazendo a “integração das contribuições a respeito da comunicação desses homens notáveis”, afirma o professor na Introdução do livro. “Tentaremos tornar visíveis as águas comuns entre suas teorias naquilo que diz respeito ao processo de comunicação, de modo a poder apresentar uma carta de navegação capaz de encorajar aventureiros interessados em desafiar o desconhecido, apesar dos perigos que oferece a contestação das rotas estabelecidas.”

O livro lançado pela Editora da USP – Foto: Reprodução

O livro se divide em duas partes: “O Rei Ordena a Preparação da Esquadra” e “Travessia: Ensaio Sobre a Comunicação”. Na primeira, o autor apresenta o arcabouço teórico que toma como base para realizar o que chama de “tríplice travessia da comunicação”, uma travessia epistemológica, existencial e moral, que se dá nos capítulos da segunda parte, resultando em uma nova abordagem teórica e metodológica. Milton N. Campos faz uma analogia entre sua proposta em Navegar é Preciso, Comunicar é Impreciso e as grandes navegações portuguesas: uma aventura ousada cuja conclusão é, na verdade, um novo ponto de partida.

Navegar é Preciso, Comunicar é Impreciso, Milton N. Campos, Editora da USP, 504 páginas, R$ 64,00.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados