Iniciativa global oferece festival de cinema on-line

Festivais de Veneza, Cannes e Berlim se juntam em um evento gratuito de cinema internacional na internet

Editorias: Cultura - URL Curta: jornal.usp.br/?p=319649
O Leão de Ouro, prêmio do Festival de Veneza – Foto: Reprodução

A projeção de O Médico e o Monstro, filme de Rouben Mamoulian, marcou a estreia do primeiro festival de cinema do mundo, o Festival de Veneza. Iniciado em 1932, a edição inaugural não contou com um júri. O próprio diretor do evento elegia as premiações depois de ouvir a opinião dos envolvidos. Os jurados só surgiram em 1936. Hoje, o festival pioneiro e vários outros da mesma categoria encontram empecilhos em sua realização, por isso o Youtube está mobilizando um festival de cinema on-line e gratuito a partir do dia 25 de maio.

A iniciativa surgiu depois do sucesso de um evento de música virtual, chamado One World: Together At Home, que aconteceu no dia 18 de abril e reuniu diversos artistas do mundo todo, entre eles Lady Gaga, Paul McCartney e Elton John. Esse festival teve como objetivo principal incentivar as pessoas a ficarem em casa e agradecer aos profissionais de saúde de todos os países.

Já o festival de cinema – intitulado We Are One: A Global Film Festival foi pensado pelos organizadores do Tribeca Film Festival, de Nova York, seguindo o mesmo propósito, mas também convocando os espectadores a fazerem doações. Todo o dinheiro será direcionado à Organização Mundial da Saúde (OMS) e entidades beneficentes ao redor do mundo.

O link para acessar o evento estará disponível em youtube.com/weareone, canal que divulgará as próximas notícias sobre o festival, incluindo a programação, que deve apresentar longas e curtas-metragens. Toda a curadoria será feita pelos mais de 20 festivais em todo o mundo que estão ajudando na organização do evento. No entanto, os filmes originalmente programados para estrear nos festivais não devem ser incluídos na agenda de exibições on-line. Cannes, por exemplo, optou por colaborar apenas com master classes.

Logotipo do festival de cinema We Are One, que estreia no dia 25 de maio – Foto: Reprodução

Em relação às datas dos festivais, tudo ainda é muito incerto. Cannes suspendeu sua edição de 2020 por tempo indeterminado, enquanto sua sede, o Palais des Festivals, está sendo usada para abrigar moradores de rua durante a pandemia. A organização do Festival de Veneza publicou que o evento, marcado para ocorrer entre 2 e 12 de setembro, ainda está mantido. O Festival de Toronto, também programado para setembro, não foi tão otimista e, além de suspender sua data inicial, considera realizar uma edição totalmente virtual.

Outro festival que já está sofrendo as consequências das medidas contra o coronavírus é o Varilux. O evento ocorre há dez anos e conta com o engajamento de várias salas de cinema em todo o Brasil, além de apresentar uma extensa programação de filmes franceses. Inicialmente marcado para junho deste ano, o evento ficou sem data certa e os organizadores optaram por disponibilizar 50 dos filmes que mais fizeram sucesso ao longo de todos esses anos. As obras, que vão desde A Revolução em Paris (2018) até Asterix e o Domínio de Deuses (2014), ficarão disponíveis on-line até agosto e, para assistir a elas, basta entrar no site festivalvariluxemcasa.com.br.

Ainda na linha dos filmes franceses, o My French Film Festival fez a edição Stay Home para o período de quarentena que já dura mais de um mês, intervalo em que o evento costuma acontecer. Todo ano o site do festival disponibiliza filmes on-line e de graça por 30 dias, quem vota são os próprios espectadores e o resultado sai ao final desse período. A edição de 2020 já aconteceu entre janeiro e fevereiro. Agora os organizadores selecionaram 63 curtas e 20 longas de edições anteriores para incentivar as pessoas a ficarem em casa.

O Festival Varilux libera 50 filmes franceses de edições anteriores – Foto: Reprodução

 

Outra forma de manter a lista cinematográfica atualizada é com a ajuda dos sites de streaming. Entretanto, a maioria deles é paga. Nesse cenário, o Spcine se destaca como a única plataforma de filmes totalmente pública do Brasil. O catálogo apresenta obras das principais mostras e festivais de cinema de São Paulo, além de shows, espetáculos e outros conteúdos exclusivos da programação cultural da capital paulista. No site do Spcine, é possível encontrar filmes que vão desde o clássico Carandiru (2003) ao menos conhecido Mexeu com Uma Mexeu com Todas (2017), levando o espectador a apreciar as várias facetas do cinema nacional.

Mercado cinematográfico

Para o professor Luiz Augusto Dantas, da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, todas essas formas de vivenciar o cinema não são apenas válidas como também necessárias. “Não dá para simplesmente cancelar tudo. As coisas precisam se reinventar no meio desse cenário”, diz ele. Segundo o professor, essas iniciativas fogem dos streamings convencionais, o que pode fazer com que alcancem ainda mais pessoas do que o normal. “O público do festival Varilux, por exemplo, pode aumentar muito e talvez esse formato se mostre bem mais vantajoso do que o da sala de cinema.”

Dantas chama a atenção para uma possível perda de autonomia dos cinemas em relação à distribuição on-line. “Várias premiações já estão aceitando lançamentos digitais e este momento de isolamento social favorece ainda mais essa tendência”, afirma o professor. Ele acredita que os cinemas possam perder margem de manobra para conseguir os direitos autorais das obras, enquanto os streamings terão mais força nessas situações. 

“Mas não acredito que a vontade de ir ao cinema irá diminuir, ainda mais depois da quarentena, as pessoas vão querer ir à rua para tudo”, diz Dantas. Para ele, as consequências da pandemia estarão menos ligadas aos interesses dos espectadores e mais à estrutura do mercado cinematográfico. “É possível que aconteça uma inflação nos serviços de cinema que restarem. Poucos têm verba necessária para se manter em uma situação como essa. Então é bem provável que os menores sejam englobados pelos maiores.”

80 anos de Al Pacino

Com todos os holofotes convergindo para ele depois de uma performance memorável em O Poderoso Chefão (1972), Al Pacino ficou famoso em Hollywood. A partir daí sua carreira decolou e hoje, com 80 anos recém-completados no dia 25 de abril, é reconhecido como um dos maiores atores norte-americanos de todos os tempos. Um de seus últimos filmes é O Irlandês, lançado no ano passado, o que mostra que, apesar da idade, ele ainda está na ativa e é capaz de grandes atuações.

Para conferir o brilhantismo do ator, é possível encontrar grande parte dos seus filmes on-line facilmente. A trilogia de O Poderoso Chefão está disponível na Netflix e no Now, O Irlandês e Scarface (1983) aparecem só na Netflix, enquanto Um Dia de Cão se encontra apenas no Now. Outros sucessos podem ser encontrados em plataformas como HBO, Amazon Prime Video, Telecine Play e Globoplay. 

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.