Filmes lembram as marcas da ditadura no Brasil de hoje

“Jango” e “Diário de uma Busca” serão exibidos nesta quinta-feira, no evento “Ecos de 1968 – 50 Anos Depois”

Por - Editorias: Cultura - URL Curta: jornal.usp.br/?p=198832
  • 110
  •  
  •  
  •  
  •  

.

Cartazes dos filmes Jango, de Silvio Tendler, e Diário de uma Busca, de Flávia Castro – Fotomontagem a partir dos subsídios gráficos dos cartazes dos filmes 

.

.

São cenas que estão impressas no Brasil de hoje. O filme Jango, de 1984, sob a direção de Silvio Tendler, documenta a trajetória política de João Belchior Marques Goulart, o 24º presidente do Brasil, de 1961 a 1964. Foi democraticamente eleito como vice-presidente, já que na época votava-se também para vice, e tomou posse após a renúncia de Jânio Quadros. Mas foi deposto no dia 1º de abril de 1964. O slogan do cartaz do filme, “Como, quando e por que se depõe um presidente da República”, lançado em março de 1984, quando o golpe completava 20 anos, continua, 50 anos depois, sendo um convite à reflexão.

É com essa proposta que Jango, um dos documentários recorde de público, sendo visto por mais de 1 milhão de pessoas, abre nesta quinta-feira, dia 4, às 16 horas, a programação do evento Ecos de 1968 – 50 Anos Depois, no Centro Universitário Maria Antonia (Ceuma) da USP. No mesmo dia, às 19 horas, será exibido o filme Diário de uma Busca, da cineasta Flávia Castro, sobre o seu pai, militante da esquerda morto pela ditadura militar (leia abaixo).

As cenas de Jango trazem o Brasil dos anos 1960. O filme começa com a visita de Jango, na época vice-presidente, à China, em agosto de 1961, em um discurso oficial lembrando que a China e o Brasil podem ser bons amigos. São filmes e fotos em branco e preto de um conjunto de imagens que somam quase 100 horas. Narrado por José Wilker, resgata o momento político conturbado. O próprio João Goulart é pego de surpresa com a renúncia de Jânio Quadros, segundo o depoimento do seu secretário de imprensa, o jornalista Raul Ryff.

As cenas do comício de Jango discutindo as reformas, propondo o fim da fome e da miséria, e do apoio dos manifestantes com cartazes com a frase “Desta vez, o governo é o povo” prenunciam o desfecho trágico. O jornalista Ryff lembra que Jango, apesar de ser alertado sobre o efeito de seus discursos, rebateu que “preferia cair, mas cair de pé”.

Cena do filme Jango, de Silvio Tendler – Foto: Reprodução/YouTube

A trilha sonora foi composta por Wagner Tiso e Milton Nascimento. Coração de Estudante torna-se também a trilha do movimento Diretas Já. No filme, a voz de Milton entoando a canção sem a letra é a mensagem que fica no ar: Já podaram seus momentos, desviaram seu destino, seu sorriso de menino, quantas vezes se escondeu/ Mas renova-se a esperança, nova aurora a cada dia.

Silvio Tendler, carioca, 68 anos, já produziu cerca de 70 filmes, entre longas, médias e curtas, além de 12 séries. “Minha opção pelo cinema é política”, diz. “Em 1964, eu, um garoto de Copacabana, classe média, senti o golpe de Estado me pegando no contrapé.”

Cineasta, professor de Cinema e História da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro, Tendler observa que ele não é um cineasta que dá aulas ou um professor que filma. “Acho que as duas funções estão muito juntas. Gosto tanto de filmar como estar com os alunos e provocá-los. Fazer a sua cabeça.”
.

Filme de Flávia Castro mistura a infância da cineasta com a história do seu pai, militante político nos anos 60 e 70.

.“Meu pai morreu em Porto Alegre, no dia 4 de outubro de 1984, em circunstâncias misteriosas. Ele tinha 41 anos. Não sei se em circunstâncias misteriosas. Vou começar de novo. Meu pai era jornalista.” O filme Diário de uma Busca – que será apresentado às 19 horas desta quinta-feira, dia 4, no evento  Ecos de 1968 – 50 Anos Depois – começa assim, sob o som pesado de botas marchando. A diretora Flávia Castro lembra Celso Afonso Gay de Castro, uma vítima da ditadura que acabou sendo esquecida, como tantas outras.

“Conto a história de meu pai militante político nos anos 60, 70, misturados com a minha infância militante”, diz. “Acho que, no Brasil, o Diário de uma Busca é um dos primeiros filmes que falam da questão dos filhos de militantes e de exilados.”

https://www.youtube.com/watch?v=CoGhWTGS8CU.

.

Flávia explica que nunca tinha pensado em fazer um filme de homenagem como muitos. “Durante muito tempo, pensar em meu pai significava pensar em sua morte como se, pelo seu enigma e violência, tivesse apagado a sua história e, junto com ela, parte da minha vida.”

A decisão de fazer um filme veio com a visita de sua meia-irmã, Maria Cavalli Castro, que reside na França. “Ela queria conhecer a história de meu pai, com quem que só conviveu aos dois anos e meio. Meu irmão e eu, que moramos no Rio, fomos até Porto Alegre nos encontrar com ela. Esse encontro foi o impulso para fazer o filme.”

O vazio deixado pelo pai e a falta de respostas sobre a sua morte e também sobre a vida levaram Flávia e o irmão João Paulo ao Diário de uma Busca.

Cena do filme Diário de uma Busca, de Flávia Castro – Foto: Wikimedia Commons

A cineasta viaja ao Chile procurando a casa em que seus pais moraram em 1972, exilados pela ditadura militar. E é questionada pelos donos, que se lembram dos brasileiros. Perguntam: “Ele era uma pessoa importante?”. Flávia responde: “Para mim, sim”.

Diário de uma Busca foi lançado em 2011. Flávia Castro agora se prepara para lançar, no ano que vem, o filme Deslembro, título inspirado no poema de Fernando Pessoa. O filme, embora seja ficção, tem a referência de Diário de uma Busca, contando a história de uma adolescente, Joana, filha de um militante da esquerda assassinado pela ditadura militar no Brasil. Um desfecho difícil, mas que não é possível esquecer: “Os militares não foram punidos. Quase nenhum militar foi punido. Que trabalho de memória fizemos para viver essa história de hoje?”

Celso Afonso Gay de Castro foi morto há exatos 34 anos, completados no dia 4 de outubro de 2018. E a busca continua.
.

Leitura cênica relaciona o ano de 1968 às atividades do então Teatro Universitário de São Paulo (Tusp)

.
Para encerrar a programação desta quinta-feira, dia 4, do evento Ecos de 1968 – 50 Anos Depois, o Teatro da USP (Tusp) apresenta, às 21 horas, a leitura cênica de A Lua Muito Pequena e a Caminhada Perigosa, de Augusto Boal, com direção de Rogério Tarifa.

Notícia sobre a montagem da peça de Augusto Boal A Lua Muito Pequena e a Caminhada Perigosa – Foto: Acervo Instituto Augusto Boal

.
“Estamos realizando leituras cênicas relacionadas ao ano de 1968 e às atividades do então Teatro Universitário de São Paulo, o Tusp. Esse grupo de teatro universitário teve como diretor inicial Paulo José, que em 1967 montou o texto de Brecht A Exceção e a Regra, e tinha como artistas integrantes alunos da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), da Filosofia e da Física, entre outros”, explica Maria Ceccato, orientadora de Artes Dramáticas do Teatro da USP (Tusp).

Maria conta que, em 1968, o professor da FAU Flávio Império se encarregou da segunda encenação do grupo, a partir de outro texto de Brecht, Os Fuzis da Sra. Carrar. O nome do texto foi abrasileirado para Os Fuzis da Dona Tereza Carrar. É também nesse período que o grupo passa a publicar a Revista aParte, que também será lembrada na apresentação. “Seus dois números iniciais são documentos estético-políticos de posição revolucionária, numa atitude editorial na qual tendência política e qualidade estética não se dissociavam. Os debates presentes nesses dois números impressionam pelo atributo crítico de extremo interesse para a produção artística de então e dos anos futuros da arte no País.”

As exibições de Jango, de Silvio Tendler, e Diário de uma Busca, de Flávia Castro, e a leitura cênica de A Lua Muito Pequena e a Caminhada Perigosa, de Augusto Boal, acontecem nesta quinta-feira, dia 4, às 16h, 19h e 21h, respectivamente, no evento Ecos de 1968 – 50 Anos Depois, que acontece no Centro Universitário Maria Antonia (Ceuma) da USP (Rua Maria Antonia, 294, Vila Buarque, em São Paulo). Entrada grátis. A programação completa do evento está disponível no endereço eletrônico www.prceu.usp.br.

.

 

.

Leia mais

.

13/dezembro/2018

Como a Escola de Comunicações e Artes da USP resistiu à ditadura

12/dezembro/2018

O Ato Institucional nº 5 e seu significado histórico

12/dezembro/2018

Um ato – e a democracia brasileira entrou em sua noite mais longa

11/dezembro/2018

“As novas gerações precisam saber disso”

7/dezembro/2018

Obladi, oblada life goes on brahhh… Lala how the life goes on

7/dezembro/2018

Professor da USP conta suas memórias da época do AI-5

30/novembro/2018

Maria Antonia – muito além de uma rua

28/novembro/2018

Daisy, Dais, Dai…

26/novembro/2018

O 68 francês e o cinema

22/novembro/2018

Guilherme Wisnik analisa 1968 sob o ponto de vista da cidade

21/novembro/2018

Contestação presente em 1968 também se manifesta na postura dos cientistas

21/novembro/2018

Há 50 anos, País vivia ao mesmo tempo o milagre brasileiro e o AI-5

21/novembro/2018

1968 e a afirmação dos direitos humanos

21/novembro/2018

Renato Janine fala sobre o que 1968 representou na vida dele

20/novembro/2018

Estudantes de 68 retomaram os temas da liberdade, igualdade e fraternidade

13/novembro/2018

Rascunho de palestra em um Clube de Leitura

12/novembro/2018

O cinema militante de maio de 68

9/novembro/2018

Entre a luta, os livros e os cacos de sonho

9/novembro/2018

Maio ou maios de 68

8/novembro/2018

E a aldeia global assistia TV via satélite…

7/novembro/2018

A nação e a Universidade ameaçadas

6/novembro/2018

Combate ao racismo em 1968: 50 antes e 50 depois

2/novembro/2018

O significado histórico da Primavera de Praga

1/novembro/2018

1968 no mundo, além da lenda

31/outubro/2018

1968, 2018 e além: livros pela democracia

30/outubro/2018

Impasses no teatro brasileiro em 1968

29/outubro/2018

Quebrando o moralismo embolorado

26/outubro/2018

Cinquentenário de 1968 é tema de mostra no Cinema da USP

26/outubro/2018

Woodstock: o maior encontro de uma geração revoltada e festiva

25/outubro/2018

A cena musical brasileira de 1968

24/outubro/2018

A arte pop brasileira – “… que gostava de política em 1968”

23/outubro/2018

67/68: Tropicalismo, participação e transgressão

22/outubro/2018

O maio de 1968 – a luta dos direitos civis nos Estados Unidos

19/outubro/2018

A brecha que se abriu em 1968

18/outubro/2018

Angústias, insegurança e resistência nas salas de aula da USP

16/outubro/2018

O protesto que marca a memória dos Jogos Olímpicos do México

15/outubro/2018

Há 50 anos, a universidade no olho do furacão

11/outubro/2018

1968, nas entrelinhas do silêncio

10/outubro/2018

1968, 69, 70, 71, 72………..83

9/outubro/2018

“Meu tema é o da responsabilidade moral e intelectual da Universidade”

4/outubro/2018

Professores revivem legado da Maria Antonia

3/outubro/2018

Filme denuncia o esquecimento e impunidade do caso Herzog

3/outubro/2018

Ode à democracia marca abertura de “Ecos de 1968 – 50 Anos Depois”

3/outubro/2018

Ecos de 1968 – 50 anos depois

2/outubro/2018

Filmes lembram as marcas da ditadura no Brasil de hoje

1/outubro/2018

Livros e leitura cênica lembram a Batalha da Maria Antonia

1/outubro/2018

“A USP foi um locus de resistência e de luta contra os desmandos”

1/outubro/2018

Batalha da Maria Antonia é relembrada em ciclo de eventos

28/setembro/2018

Com a rua como cenário e os jovens como protagonistas, 1968 faz história

21/setembro/2018

Para refletir sobre os ecos e as lições de 1968

18/julho/2018

“USP Especiais” destaca fatos e músicas que marcaram 1968

29/Maio/2018

Seminário traz à discussão o mítico ano de 1968

20/Abril/2018

A herança que 1968 nos deixou, 50 anos depois


.

.

.
.

  • 110
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados