Exposição “Usinaquatorze” questiona valores e caminhos

Até 12 de novembro, mostra no Centro Universitário Maria Antonia da USP traz a interação de dez artistas

Por - Editorias: Cultura
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
A mostra Usinaquatorze reúne a diversidade do trabalho de dez artistas – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Destacar as novas relações entre obras, artistas e conceitos é a proposta da mostra Coletiva de Arte Usinaquatorze, que está sendo apresentada no Centro Universitário Maria Antonia (Ceuma) da USP. Reúne pinturas, desenhos, esculturas em madeira, cerâmicas, gravuras em metal, instalações, videoarte e performance. A multiplicidade de técnicas, pesquisa e reflexões instiga os visitantes, questiona os valores da sociedade contemporânea e o papel social da arte e também o seu encantamento.

João Manccini, No Jardim das Ilusões – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Participam dez artistas: Altina Felício, Ana Maria Bomfin Pitiu, Ângela Barbour, Carlos Adissi, Cauê Rodrigues, Christophe Spoto, Denise Quinsler, Flávio Zabotto, João Manccini e Walkiria Pompermayer. A curadoria é de Carlos Augusto Rossi de Almeida, que pontua a importância de apresentar uma mostra em um lugar significativo para a história da cidade. “A ‘Batalha da Maria Antonia’, como ficou conhecido o confronto entre estudantes da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP e os da Universidade Mackenzie, ocorrido em 3 de outubro de 1968, foi um momento que ficou marcado na história, pelo direito a conquistas democráticas e liberdade de expressão, um direito de todos que só foi conquistado após muitas lutas”, observa. “Liberdade é inerente à alma do artista, é a sua razão de ser. Ele tem na liberdade o seu maior triunfo. Quero aqui me dedicar ao grupo Usina 14, em parte formado por contemporâneos de 1968.”

Ana Maria Bonfim Pitiu, Indignação – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Os visitantes podem apreciar as gravuras a ponta seca de aquarelas de Altina, que faz uma homenagem à pequena vila no interior de Goiás Olhos d’Água, onde passou a infância. Em um resgate do processo histórico do final da década de 1960, está Indignação, de Ana Maria Bonfim Pitiu.

Carlos Adissi, Caminho do Sol – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Há ainda o trabalho poético das pinturas a óleo do pintor autodidata Carlos Adissi, Caminho do Sol, com tintas em camadas que surpreendem pela delicadeza que, como ele próprio define, vão estimulando a paisagem do sol e do inconsciente. João Manccini também estimula a reflexão com a obra No Jardim das Ilusões, observando a postura do indivíduo na sociedade contemporânea.

Altina Felício: projeto Olhos d’Água – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Coletiva de Arte Usinaquatorze pode ser vista até o dia 12 de novembro no Centro Universitário Maria Antonia (Ceuma) da USP (Rua Maria Antonia, 294, Vila Buarque, em São Paulo). De terça-feira a domingo e feriados, das 10 às 18 horas. Entrada grátis.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados