Encenação discute estado permanente de guerra entre as pessoas

De 3 a 8 de julho, peça fica em cartaz no Teatro Laboratório da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP

Por - Editorias: Cultura - URL Curta: jornal.usp.br/?p=177170
  • 145
  •  
  •  
  •  
  •  
Os atores da peça são alunos do curso de Artes Cênicas da Escola de Arte Dramática da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP – Foto: Divulgação / Allis Bezerra via EAD – ECA

.
Entra em cartaz nesta terça-feira, dia 3 de julho, no Teatro Laboratório da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, a peça
Cuidado com as Velhinhas Carentes e Solitárias. O espetáculo, produzido pelos alunos do curso de Artes Cênicas da Escola de Arte Dramática (EAD) da ECA, aborda o constante estado de guerra em que se encontram os seres humanos. A obra passa por uma curta temporada de exibição, que termina no dia 8 de julho. 

O texto, adaptado da obra homônima do dramaturgo romeno Matéi Visniec, é composto de pequenas histórias com um fator em comum. “Todas elas têm como pano de fundo uma guerra permanente”, explica Isabel Setti, diretora do espetáculo e professora da EAD. Essas narrativas fazem referências a momentos distintos do último século, como a Segunda Guerra Mundial e a crise migratória atual na Europa, e contam desde histórias de soldados até simples discussões de casais. O objetivo é, a partir dessas histórias, discutir e refletir sobre o estado permanente de guerra e como ele reverbera nas relações humanas. “As guerras acontecem e a gente as aceita como coisas naturais”, relata ela.

A escolha desse texto surgiu de uma identificação de Isabel com o autor. Os dois têm idades próximas e, de acordo com a professora, viveram situações semelhantes. A Romênia, assim como o Brasil, passou por uma ditadura no século 20, que obrigou Visniec a deixar seu país por não concordar com o governo autoritário então no poder. “Ele acabou vindo para o Ocidente, onde esperava encontrar uma democracia na qual pudesse acreditar. No entanto, ficou muito surpreso com a ditadura do consumo que encontrou. Então nós somos contemporâneos nas grandes decepções. Ele se decepcionando com o Ocidente, eu me decepcionando com as notícias que vinham sobre Stalin.”

Cartaz do espetáculo Cuidado com as Velhinhas Carentes e Solitárias – Foto: Divulgação / EAD – ECA (Clique na imagem para ampliar)

.
A peça vai receber pequenos ajustes enquanto estiver em cartaz, o que no teatro é denominado de montagem-processo. “Na medida em que se tem a resposta do público, vou alterando pequenas coisas até que alcance o que buscava comunicar.” Encenada pelos alunos do quinto semestre da EAD, a peça é, além de um espetáculo para o público, um ambiente de experiência para os estudantes. “É um processo em que o estudante está se transformando em ator”, explica Isabel.

De acordo com a diretora, o público pode esperar um belo espetáculo. “Tenho a sensação de que o público vai ficar impressionado com a qualidade que a gente alcançou, e isso não é algo que sinta frequentemente nos trabalhos que dirijo.” Cheio de melancolia e reflexão, Cuidado com as Velhinhas Carentes e Solitárias promete gerar sentimentos profundos na plateia. “Cada cena resulta em um enorme sentimento de vazio e angústia”, relata ela.

A peça Cuidado com as Velhinhas Carentes e Solitárias será exibida entre os dias 3 e 7 de julho, às 21 horas, e no dia 8 de julho, às 20 horas, na Sala Alfredo Mesquita do Teatro Laboratório da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP (Rua da Reitoria, 315, Cidade Universitária, em São Paulo). Entrada grátis. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 3091-4376 e na página do evento.

 

  • 145
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados