Editora da USP tem 11 livros finalistas do Prêmio Jabuti

Entrega do prêmio aos primeiros colocados em cada categoria será no dia 30 de novembro

Por - Editorias: Cultura
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn122Print this pageEmail
Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

Onze livros da Editora da USP (Edusp) estão entre os finalistas da 59ª edição do Prêmio Jabuti – a maior honraria do mercado editorial brasileiro –, concedido pela Câmara Brasileira do Livro (CBL). A cerimônia de entrega do prêmio aos primeiros colocados de cada uma das 29 categorias será no dia 30 de novembro, no Auditório Ibirapuera, em São Paulo.

Os livros da Edusp finalistas do Jabuti são: Abelhas sem Ferrão do Brasil, de Marilda Cortopassi Laurino e Paulo Nogueira Neto (categoria Ciências da Natureza, Meio Ambiente e Matemática), História da Teoria da Arquitetura, capa de Casa Rex (categorias Capa e Projeto Gráfico), Manual de Editoração e Estilo, de Plinio Martins Filho, Rei do Livro: Francisco Alves na História do Livro e da Leitura no Brasil, organizado por Aníbal Bragança (Comunicação), Executivos Negros: Racismo e Diversidade no Mundo Empresarial, de Pedro Jaime (Economia, Administração. Negócios, Turismo, Hotelaria e Lazer), História da Alfabetização no Brasil, de Maria Luiza Marcílio (Educação e Pedagogia), O Adolescente e a Internet: Laços e Embaraços no Mundo Virtual, de Cláudia Prioste (Psicologia, Psicanálise e Comportamento), Graciliano Ramos e a Cultura Política, de Thiago Mio Salla, Murilo Rubião e as Arquiteturas do Fantástico, de Ricardo Iannace, O Simbolismo: Uma Revolução Poética, de Álvaro Cardoso Gomes, Sinuca de Malandro: Ficção e Autobiografia em João Antonio, de Bruno Zeni (Teoria e Crítica Literária).

Segundo Cristiane Tonon Silvestrin, chefe da Divisão Editorial da Edusp, as indicações ao Prêmio Jabuti são muito importantes porque reforçam o papel da editora e de seu projeto editorial: publicar obras de relevância científica em várias áreas do saber e com identidade gráfica esmerada. ‘’Ser premiado com um Jabuti é o reconhecimento da qualidade técnica e literária do livro, atestado pelo corpo de jurados e pelo Conselho Curador’’, avaliou, lembrando que a Edusp já ganhou cerca de 80 Jabutis em diversas categorias.

Cristiane destaca também a ampla abrangência do prêmio. ‘’São 29 categorias. Assim, é um dos poucos que ainda abordam a diversidade do livro brasileiro em toda sua complexidade. Categorias como Ciências da Natureza, Meio Ambiente e Matemática, e Teoria/Crítica Literária, Dicionários e Gramáticas são umas das mais importantes para o livro universitário’’, ponderou.

A presença da Edusp entre as finalistas do Prêmio da Associação das Editoras Universitárias Brasileiras (Abeu) também é destacada por Cristiane. ‘’A Edusp prova sua relevância para o mercado editorial de obras acadêmicas também por meio desse prêmio. Neste ano, são cinco indicações entre as 18 finalistas’’, finalizou.

Além dos livros da Edusp, a USP participa da final do Jabuti através de dois docentes da Universidade, que publicaram obras por outras editoras e também estão entre os finalistas do prêmio. Eles são os professores André de Carvalho, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC), em São Carlos, autor de Introdução à Computação – Hardware, Software e Dados (Editora LTC) – em parceria com Ana Carolina Lorena, ex-aluna do ICMC -, e Otaviano Helene, do Instituto de Física, que escreveu Um Pouco da Física do Cotidiano (Livraria da Física).

Confira a lista completa dos finalistas do Prêmio Jabuti, nas 29 categorias, no endereço http://premiojabuti.com.br/apuracao/f1/#1

Editora-laboratório da USP chega à final do Jabuti com dois livros

O livro Diplô: Paris-Porto Alegre, da Editora Com-Arte, um dos concorrentes ao Prêmio Jabuti 2017 – Foto: Reprodução

A Com-Arte é a editora do curso de Editoração da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, que congrega três disciplinas da graduação. A iniciativa, coordenada pelos professores Thiago Mio Salla, Plinio Martins Filho e Marisa Midori, é um laboratório de produção editorial. ‘’Todo o trabalho é conduzido de maneira laboratorial. Temos uma grande preocupação com todo o processo, que vai desde a seleção do autor até a chegada da obra aos leitores’’, afirma Salla.

Para esta edição do Prêmio Jabuti, a Com-Arte inscreveu dois livros. E os dois estão entre os finalistas. A obra Diplô: Paris-Porto Alegre, de Juliana Sayuri, concorre na categoria Comunicação, enquanto O Mar e o Búzio, de Bruno Palma, compete em Poesia.

Uma das características da Com-Arte, segundo Salla, é dar espaço a trabalhos que têm dificuldade de inserção no mercado. ‘’Diplô: Paris-Porto Alegre, por exemplo, faz parte da coleção Universidade e Sociedade, que reúne pesquisas de qualidade que não encontram espaço nas editoras’’, conta o professor.

Para Salla, estar entre os finalistas é uma forma de reconhecer o trabalho conjunto de docentes e alunos, feito o curso de Editoração da ECA. “A premiação coroa esse processo de excelência e profissionalização da editora. É um mérito compartilhado e é de grande importância para os alunos’’, conclui Salla.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn122Print this pageEmail

Textos relacionados