Discussões do Projeto Cinema e Corpo são reunidas em livro

Realizados ao longo de seis anos em sessões do Cinema da USP, debates sobre o corpo são publicados

Por - Editorias: Cultura
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail
Livro reúne a contribuição de alguns convidados e participantes do projeto explorando a relação cinema e corpo – Foto: Divulgação

O Projeto Cinema e Corpo alcançou uma longevidade rara em projetos de extensão da USP. Com seis anos de existência, a iniciativa das professoras Soraia Chung Saura e Ana Cristina Zimmermann, do Centro de Estudos Socioculturais do Movimento Humano da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE), já realizou dezenas de exibições de filmes seguidas de debates que enriquecem as perspectivas sobre o corpo humano e suas formas de se relacionar com o mundo. Desses encontros resultou o recém-lançado livro Cinema e Corpo, editado pelo Cinema da USP (Cinusp), parceiro desde o início do projeto.

A publicação de 288 páginas compila 13 textos produzidos por palestrantes que fizeram parte do projeto, acompanhados de imagens dos filmes que geraram as discussões. Segundo a professora Ana Cristina, desde o início ela e Soraia planejavam reunir as ideias levantadas nos debates para formar um material que servisse para estudo e pesquisa nos temas abordados. “Ao longo dos anos, pedíamos que os convidados para debater escrevessem também textos sobre o tema da discussão, para que pudéssemos transformar o projeto em um livro. Nem todos tinham tempo disponível para a produção do material, mas todos os textos enviados foram publicados.”

A professora conta que o Projeto Cinema e Corpo surgiu a partir do grupo de estudos PULA, coordenado por ela e por Soraia na EEFE, que discute o corpo e os movimentos humanos a partir de perspectivas filosóficas, históricas, antropológicas e sociológicas. “Quando exibíamos vídeos e filmes para fomentar as discussões em aula, tínhamos um retorno muito bom dos alunos. Como não era possível fazer isso sempre em sala, começamos a pensar em usar o cinema para ampliar o diálogo da educação física com discussões acerca do corpo, a partir de diferentes olhares.”

As professoras entraram, então, em contato com o Cinusp para discutir a ideia, e assim começou a parceria. No início, as sessões eram mensais, mas, com o tempo, devido ao trabalho intenso de planejamento, organização e pesquisa, passaram a ser feitas a cada dois meses. No começo de cada ano, Soraia e Ana Cristina sentam-se com a equipe do Cinusp para montar a programação, escolhendo os temas que serão abordados nas sessões, os especialistas que serão convidados para debater e o filme a ser exibido para impulsionar a discussão.

Em certas ocasiões, conforme relata Soraia, os próprios debatedores sugerem o filme sobre o qual falarão, dentro dos critérios estabelecidos para o projeto. Em pesquisa feita com os estudantes da EEFE, as professoras constataram uma ampla preferência pelas produções mais comerciais. Porém, estas são evitadas, segundo Soraia, pois dificilmente levantam reflexões diferentes do senso comum que possam ser aproveitadas, e também porque o projeto une-se aos objetivos do Cinusp de formar um público para a sétima arte.

Professoras Soraia Chung Saura, à esquerda, e Ana Cristina Zimmermann, à direita – Foto: Divulgação / Cinusp

“Com base nessa pesquisa diagnóstica, procuramos exibir filmes artísticos, mas palatáveis. O cinema é uma arte muito completa por ter narrativa, fotografia, movimento, e os filmes que escolhemos despertam dramas humanos comuns a todos nós”, explica Soraia. Entre as produções já exibidas, a professora cita algumas que dão mostra da diversidade da programação: Garrincha: Alegria do Povo, que conta a trajetória do jogador do início até o fim de sua carreira, e o holandês A Excêntrica Família de Antônia, que trata de questões de gênero e empoderamento feminino, além de várias obras de Pedro Almodóvar, Ingmar Bergman, Ridley Scott, Kore-eda, Lars Von Trier, entre outros.

Como se vê, nem sempre os filmes têm ligação com o esporte. “Nossa ideia é discutir nossas relações com o mundo através do corpo de uma maneira ampla, fortalecendo o diálogo multidisciplinar”, explica Ana Cristina. Como exemplos dessa relação, a professora cita alguns temas que já foram discutidos no projeto, como infância, velhice, aventura, loucura, cibernética, pornografia e dança.

Os convidados, em geral, são professores de diversas áreas do conhecimento, em especial de áreas das Humanidades. “Já recebemos vários professores da FFLCH (Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas), como José Miguel Wisnik, docentes da Literatura, da Filosofia, da Antropologia, da ECA (Escola de Comunicações e Artes) e da Faculdade de Educação. Mas também já tivemos professores de outras universidades do Estado e do País, e algumas vezes a presença dos próprios diretores dos filmes exibidos”, diz Ana Cristina. “Essa variedade provoca debates muito instigantes e diversos, sempre aprendemos muito”, completa Soraia.

O coordenador de produção do Cinusp Thiago Afonso de André destaca o sucesso da parceria. “Quando cheguei ao Cinusp o Projeto Cinema e Corpo já existia, e desde então ele desenvolveu uma relação muito boa com o público. As sessões estão sempre cheias, e tem um público específico que está sempre presente.”

O livro Cinema e Corpo reúne 13 artigos baseados nas discussões do projeto – Foto – Reprodução

“Além disso, ele traz inovação para a nossa programação. Ao contrário das mostras que geralmente fazemos, que duram algumas semanas com sessões diárias, o Cinema e Corpo tem uma programação vertical, com exibições ao longo de todo o ano, e continua atraindo bastante gente”, completa. Segundo Thiago, o livro Cinema e Corpo faz parte da Coleção Cinusp de livros, e já é o nono volume da coleção.

Um dos méritos mais destacados do projeto, a longevidade, seguirá crescendo. “Conseguimos criar uma cultura desse projeto no Cinusp e queremos mantê-la. Além da duração, a interdisciplinaridade, uma marca do projeto sempre elogiada pelo público e pelos debatedores. É papel da Universidade proporcionar discussões e debates interáreas”, diz Soraia. Segundo a professora Ana Cristina, já há planos para a produção de um segundo livro a partir dos debates que estão por vir.

Todas as palestras do Projeto Cinema e Corpo são gravadas e estão disponíveis no canal do Cinusp no Youtube. Além disso, no blog do Projeto Cinema e Corpo é possível conferir a programação das sessões e outras informações. O livro Cinema e Corpo faz parte da Coleção Cinusp e tem distribuição gratuita no Cinusp e na EEFE, além de estar disponível em PDF neste site.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados