Concurso da USP convoca a palavra falada em defesa da democracia

Instituto de Estudos Brasileiros lança edital para cordelistas, repentistas, freestyle rappers e slammers

Editorias: Cultura - URL Curta: jornal.usp.br/?p=351365
Marca do concurso #pelademocracia – Foto: IEB

O Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP recebe até 5 de outubro inscrições para o concurso #pelademocracia. A iniciativa pretende estimular a produção cultural de cordelistas e repentistas, freestyle rappers e slammers – artistas que usam a palavra falada para expressar sua mensagem.

Para participar, os interessados devem gravar vídeos de até três minutos sobre o tema que batiza o concurso. 30 trabalhos serão selecionados e integrarão um vídeo teaser que será exibido no canal do IEB no YouTube em 10 de novembro, às 18 horas, às vésperas do primeiro turno das eleições municipais. Os vídeos completos dos premiados, assim como o teaser, ficarão disponíveis no canal. Os artistas selecionados também receberão um certificado.

Os vídeos devem ser feitos na posição horizontal e iniciar com o nome dos artistas e uma declaração de consentimento para utilização de imagem e som. De acordo com o edital, a premiação levará em conta a qualidade do texto, da imagem e do áudio, a criatividade dos artistas, o respeito às questões étnicas, originalidade e pertinência ao tema do concurso.

“Com este período de isolamento social, em função da pandemia de covid-19, o IEB tem tentado criar mecanismos de extroversão do seu acervo e de maior comunicação com a sociedade. Por um lado, continuamos a atender os pesquisadores que nos procuram e, por outro, temos buscado ampliar o público”, explica a professora Diana Gonçalves Vidal, diretora do instituto.

A professora Diana Gonçalves Vidal – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Diana conta que o concurso integra uma ação mais ampla, ligada ao lançamento do site da rede internacional de Centros e Institutos de Estudos Brasileiros (Cieb), programado para novembro. Criado em 2019, o Cieb congrega institutos brasileiros espalhados pelo mundo, como o Brazil Institute do King’s College, na Inglaterra, o Centre de Recherche sur le Brésil Colonial et Contemporaine da École des Hautes Études em Sciences Sociales, na França, e o Lemann Center for Brazilian Studies da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos.

Para marcar o lançamento, o IEB planeja uma mesa de discussão sobre os atuais desafios da democracia, também no dia 10 de novembro, das 14 às 17 horas, com transmissão ao vivo pela página do instituto no Facebook, com a presença de Jerry Dávila, da Universidade de Illinois, Anthony Pereira, do King’s College, e Alexandre Barbosa, do IEB. As contribuições dos cordelistas, repentistas, freestyle rappers e slammers, que encerrarão a transmissão, vêm para pluralizar as vozes e não restringir o debate à academia, segundo a professora.

“A esfera acadêmica é uma das possibilidades de fazer essa discussão e ela é importante na medida em que traz o conjunto de elementos para a reflexão. Mas ouvir as vozes dos outros grupos sociais, a maneira como esses grupos também sintetizam, entendem e representam essa discussão é importante.”

Além do conteúdo veiculado nessas manifestações artísticas, a própria forma do discurso motivou o IEB a realizar o concurso. Conforme explica Diana, a busca pela polifonia é parte fundamental da empreitada. “Por isso decidimos pelos vídeos. É a oralidade do cordel, dos poemas de slam e do rap, que contrasta com a oralidade da academia. São oralidades distintas, maneiras diferentes de usar as palavras, de combiná-las e estabelecer sonoridades. Esses contrastes não vêm para se opor um ao outro, mas para um tensionar o outro, essa tensão necessária na produção do conhecimento. Pensar em manifestações diferentes dentro do mesmo espaço da academia é um ganho incrível para nós que estamos nela. E nos aproxima da nossa responsabilidade, que é estar em contato direto com a sociedade.”

Caminho esse que não é de mão única. Para a professora, o concurso deixa claro também o significado e a necessidade dessa relação entre Universidade e sociedade. “A Universidade não está restrita a um grupo, ela está aberta e precisa se fazer aberta a todos os grupos. E todos os grupos precisam se sentir aceitos e acolhidos. Se temos os meios para fazer isso, por que não fazê-lo?”

As inscrições e o envio dos vídeos devem ser feitos pelo site ieb.usp.br/concursopelademocracia até as 18 horas de 5 de outubro. A lista dos 30 selecionados será divulgada no dia 23 de outubro.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.