Cinema da USP pensa o Brasil através dos filmes

Com obras que exploram a realidade do País, nova mostra de filmes vai até o dia 9 de setembro

 29/08/2022 - Publicado há 1 mês
Foto: Reprodução/YouTube

Refletir sobre as grandes e urgentes questões do Brasil através de novas e antigas produções cinematográficas. É o que vai fazer a mostra de filmes Cinema Pensa o Brasil, que o Cinema da USP Paulo Emílio (Cinusp) exibe a partir desta segunda-feira, dia 29, até 9 de setembro. Realizada em parceria com o Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP, a mostra faz parte do evento USP Pensa Brasil, promovido pela Reitoria da USP entre 29 de agosto e 2 de setembro (leia mais sobre o evento neste link). Ela inclui um debate com o professor Ismail Xavier, da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, que acontece nesta terça-feira, dia 30, às 19 horas, por ocasião da exibição do filme O Som ao Redor.

A mostra apresentará dez filmes, entre documentários e obras de ficção clássicas e recém-produzidas. “Os temas abordados estão relacionados a questões sociais que permeiam a identidade nacional desde os primórdios e ganham cada vez mais importância, como as demandas de gênero, classe e raça, a luta indígena, as disputas por território, o apagamento da produção intelectual de grupos dissidentes e o entrave político dos últimos anos”, explica a curadoria da mostra no texto de apresentação do evento (disponível na íntegra aqui).

Um dos clássicos presentes na mostra é Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964, 106 minutos), de Glauber Rocha. “A fuga pelo sertão envolvendo o universo do cangaço e do culto messiânico, com as figuras lendárias do jagunço Antônio das Mortes e de Corisco, o ‘diabo loiro’, ganham ainda mais vivacidade através da restauração em 4k que será exibida”, destaca o texto de apresentação.

Em O Bandido da Luz Vermelha (1968, 92 minutos), de Rogério Sganzerla – outro clássico da mostra -, o assaltante João Acácio Pereira da Costa, conhecido como Bandido da Luz Vermelha, assalta residências, realiza fugas ousadas e gasta o dinheiro de forma extravagante. Porém, uma vez encurralado, recorre a medidas extremas. “Sganzerla, no seu primeiro longa-metragem, traça um panorama geral e atemporal do Brasil através da trajetória de um foragido da polícia em crise de identidade. Welles, Godard, policial noir, chanchada, Jimi Hendrix, história em quadrinhos, terrorismo, miséria, corrupção política e desespero compõem um painel apocalíptico do País”, segundo sinopse preparada pelo Cinusp.

Serras da Desordem (2006, 135 minutos), de Andrea Tonacci, conta a história do massacre da tribo Awá-guajá nos anos 70, na Amazônia, por meio dos relatos do único sobrevivente do massacre, Carapiru.

Segredos de Putumayo (2020, 83 minutos), de Aurélio Michiles – que fará pré-estreia na mostra do Cinusp -, atenta para a necessidade de medidas contra os ataques aos povos originários. A exibição do filme, nesta quarta-feira, dia 31, às 19 horas, será acompanhada de debate com o diretor e com o ator Stephen Rea.

Em Adeus, Capitão! (2022, 175 minutos), novo filme de Tita e Vincent Carelli, o “capitão” Krohokrenhum, líder do povo indígena Gavião, do sul do Pará, conta para suas filhas e netas as guerras internas entre grupos de seu povo até a transferência dos sobreviventes para um extenso castanhal próximo a Marabá, onde eles sofreram abusos da própria agência tutelar, a Funai, que promoveu trabalho escravo na coleta de castanha.

Nũhũ yãg mũ yõg hãm: Essa Terra é Nossa! (2020, 70 minutos) denuncia o impacto destruidor da chegada dos brancos a uma região indígena. “Há nele a denúncia dos rios envenenados, dos animais extintos e das árvores que começaram a cair.” O filme tem direção de Isael Maxakali, Sueli Maxakali, Carolina Canguçu e Roberto Romero.

A Negação do Brasil (2000, 92 minutos), de Joel Zito Araújo, é resultado da tese de doutorado do diretor, defendida na Escola de Comunicações e Artes da USP. “Por meio de uma retrospectiva das telenovelas brasileiras, o documentário explora a formação da imagem do negro no imaginário nacional.” 

O Som ao Redor (2012, 131 minutos), de Kleber Mendonça Filho, que será acompanhado do debate com o professor Ismail Xavier, mostra a chegada de uma empresa de segurança a um bairro de classe média em Recife (PE), que muda a vida de seus moradores.

Alvorada (2021, 80 minutos), de Anna Muylaert, retrata a vida cotidiana da presidente Dilma Rousseff no Palácio da Alvorada, enquanto aguarda o resultado do seu processo de impeachment. 

Voltei! (2021, 74 minutos), da dupla baiana Ary Rosa e Glenda Nicácio, é uma analogia aos tempos atuais. “No ano de 2030, duas irmãs ouvem no rádio um julgamento que pode mudar os rumos do país. Elas são surpreendidas por uma irmã que volta dos mortos para confraternizar nessa noite histórica.”

Foto: Reprodução/CINUSP

A mostra Cinema Pensa o Brasil fica em cartaz de 29 de agosto a 9 de setembro no Cinema da USP Paulo Emílio, o Cinusp (Rua do Anfiteatro, 109, Cidade Universitária, em São Paulo). Entrada grátis. Mais informações estão disponíveis no site do Cinusp.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.