Cinema da USP participa do Festival de Curtas Metragens

Entre 27 de agosto e 6 de setembro, a 29° edição do evento traz filmes brasileiros para a Cidade Universitária

Por - Editorias: Cultura - URL Curta: jornal.usp.br/?p=190632
  • 92
  •  
  •  
  •  
  •  

Ouça no link acima entrevista de Zita Carvalhosa, diretora do 29º Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo, que foi ao ar no programa Via Sampa, da Rádio USP, no dia 21 de agosto de 2018.

Detalhe do cartaz de divulgação do 29° Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Imagem: Divulgação Cinusp

O Cinema da USP Paulo Emílio (Cinusp) será uma das salas a receber, a partir desta segunda-feira, dia 27 de agosto, até 6 de setembro, o 29° Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo, organizado pela Associação Cultural Kinoforum. Em sua sede na Cidade Universitária, o Cinusp exibirá apenas trabalhos brasileiros, sendo 109 filmes, divididos em 19 sessões. A entrada é gratuita.

Criado em 1990, o festival – que é parceiro do Cinusp desde 2003 – traz este ano um foco na multiplicidade de olhares, buscando a diversidade e a representatividade, tanto no conteúdo como em quem o produz. A programação conta com diversas atividades especiais e é dividida em três grandes blocos: a Mostra Internacional, a Mostra Latino-Americana e o Programa Brasileiro. Este último se subdivide em outros três, que serão apresentados integralmente no Cinusp: a Mostra Brasil, o Panorama Paulista e o Cinema em Curso. “Entendemos a importância da produção nacional e valorizamos que ela tenha participação de jovens estudantes e de profissionais consagrados, por isso vamos fazer todas as 19 sessões desses três programas brasileiros”, explica Carolina Tiemi, assessora do Cinusp.

Cena do filme Azul Vazante, que será exibido no Festival Internacional de Curtas Metragens – Imagem: Divulgação 29° Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo

A Mostra Brasil contém 53 filmes de diversos Estados e gêneros cinematográficos que abordam uma grande pluralidade de assuntos. Entre os destaques está O Órfão, de Carolina Markowicz, que conta a história de um garoto devolvido ao orfanato por causa de um comportamento “diferente”, como define o site do evento. “Em Cannes, ele estreou na Quinzena dos Realizadores – festival independente e paralelo – e ganhou o Queer Palm, que consagra trabalhos com temática LGBT”, explica Amanda Pó, coordenadora do Programa Brasileiro do festival. Outro trabalho marcante é Uma Bala, de Piero Sbragia, que aborda o assassinato de Marielle Franco em março deste ano. “Os curtas-metragens têm a vantagem de poder falar mais agilmente sobre os assuntos recentes”, diz Pó.

O Panorama Paulista selecionou 24 filmes produzidos no Estado de São Paulo. Azul Vazante, de Julia Alquéres, é um dos trabalhos enfatizados pela coordenadora. Contando a história de uma mãe à procura do filho em um hospital, a obra impacta o espectador abordando assuntos delicados. “É um filme muito forte, com São Paulo no cenário e temáticas urgentes e feito de uma maneira inventiva também”, relata Amanda.

Cena do filme Nascida para Matar, de autoria de alunos da USP – Imagem: Divulgação Cinusp

O Cinusp também recebe o Cinema em Curso, que apresenta apenas filmes produzidos por estudantes de Audiovisual das mais variadas instituições de ensino brasileiras. São 19 obras, vindas de 14 instituições de ensino do País, representando oito Estados. Entre eles está Impermeável Pavio Curto, de Higor Gomes. “É a história de uma menina que enfrenta todos os problemas de sua vida de uma forma bem intempestiva”, conta Amanda. Outro destaque é Arco do Medo, ganhador do prêmio de Melhor Filme Universitário de 2017 no Festival de Brasília. “Ele é mais experimental e também trata da temática LGBT e da performatividade”, complementa ela.

Capa do filme Uma Bala, que aborda o assassinato da vereadora Marielle Franco – Imagem: Divulgação 29° Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo

Os estudantes, no entanto, ganharam espaço para além do bloco Cinema em Curso. Nascida para Matar, por exemplo, conta a história de um homem que se depara com uma mulher desconhecida na rua, que tenta convencê-lo a matar uma terceira pessoa. Apesar de ser dirigido pelos universitários da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP Lorena Weinketz e Rogério Henrique Gonçalves, será exibido na Mostra Brasil.

O festival acaba no dia 2 de setembro, mas o Cinusp recebe exibições até o dia 6. De acordo com Tiemi, isso ocorre devido a questões de horário. “No caso do Cinusp, pedimos algumas sessões a mais e assim conseguimos encaixá-lo na nossa agenda. Para nós também é positivo, porque assim teremos um número de sessões próximo ao dos outros cinemas, já que não fazemos exibições aos finais de semana.”

O Cinema da USP Paulo Emílio (Cinusp) recebe os filmes do Programa Brasileiro do 29° Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo entre os dias 27 de agosto e 6 de setembro. As sessões apresentam entre quatro e sete filmes e ocorrem de segunda a sexta, às 16 e às 19 horas. No dia 6, haverá sessão também às 14 horas. Entrada grátis. O Cinusp fica na Rua do Anfiteatro, 181, na Cidade Universitária, em São Paulo.A programação completa do evento está disponível nos sites do Cinusp e do Festival Internacional de Curtas Metragens.

 

  • 92
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados