Cia. do Tijolo comemora dez anos com quatro espetáculos

Eventos ocorrem a partir desta semana no Centro Universitário Maria Antonia da USP

Por - Editorias: Cultura - URL Curta: jornal.usp.br/?p=188889
  • 12
  •  
  •  
  •  
  •  
Cena do espetáculo Ledores no Breu, da Cia. do Tijolo – Foto: Alécio Cézar

Em comemoração aos seus dez anos de existência, a Cia. do Tijolo estreia nesta quinta-feira, dia 23 de agosto, uma série de quatro eventos no Teatro da USP (Tusp), instalado no Centro Universitário Maria Antonia (Ceuma) da USP. Serão apresentados trabalhos marcantes do repertório do grupo, com a presença de convidados especiais. As celebrações acabam no dia 9 de setembro e, com exceção da exibição da peça Ledores no Breu, todas as atividades são gratuitas.

Em cartaz entre os dias 23 de agosto e 2 de setembro, Ledores no Breu, encenada pela primeira vez em 2015, abre essa série comemorativa. Como conta Rodrigo Mercadante, diretor e ator da trupe, o monólogo, que é inspirado nas ideias do educador Paulo Freire (1921-1997), reúne histórias que abordam os temas caros ao pensador. “Trata do analfabetismo em um sentido mais vasto, desde o total até o funcional e o político. Então, tratamos dessa experiência de não saber ler, no sentido amplo”, relata ele.

Cena do show Divino Misturado com os Mundos – Foto: Alécio Cézar

Nos dias 6 e 7 de setembro, às 21 horas, ocorre o show Divino Misturado com os Mundos. O espetáculo cênico-musical segue uma tradição do grupo. “Para cada peça que fazemos, costumamos fazer uma versão show, de menor duração, em que apresentamos alguns textos e músicas do original”, conta Cris Raséc, produtora da Cia. do Tijolo. Nesse caso, foi a peça O Avesso do Claustro, resultado de um estudo sobre Dom Hélder Câmara, que serviu de base para o show. “É uma figura importantíssima no século 20. Chamado de bispo vermelho ou bispo comunista, ele abriu espaço no País para a teologia da libertação e para a denúncia dos crimes de tortura no Brasil e concorreu quatro vezes ao Nobel da Paz”, explica Mercadante.

Mulheres que fazem parte do Sarau das Dionísias – Foto: Flávio Barollo

Já no dia 8 de setembro, às 21 horas, a Sala Multiuso recebe o Sarau das Dionísias, consequência de um estudo sobre o feminismo e as mulheres que configuraram o pensamento político no Brasil. O evento, no entanto, não se resume a uma exposição dessa investigação. “Dentro da nossa pesquisa, compusemos músicas e queríamos que fossem cantadas por um coro de cantoras mulheres. Então convidamos as meninas que estavam no núcleo musical da companhia para interpretá-las”, relata Cris. Além disso, está confirmada a presença de Ivone Gebara, freira, teóloga e filósofa, que foi orientadora do projeto. “Conhecemos Ivone no momento em que estávamos fazendo O Avesso do Claustro. Ela foi uma pessoa que trabalhou com Dom Hélder. Quando assistiu ao espetáculo, ela se aproximou da Cia. do Tijolo de forma muito carinhosa e íntima”, completa.

Foto do encontro A Cabeça Gosta de Pensar, Mas o Pés Tecem a Existência – Foto: Alécio Cézar

Para encerrar a série de eventos, ocorre no dia 9 de setembro a celebração A Cabeça Gosta de Pensar, Mas o Pés Tecem a Existência, em que serão apresentados textos e canções de trabalhos marcantes da Cia. do Tijolo.”Vamos comemorar com outros grupos, com amigos e com todas essas pessoas que de uma forma ou de outra cruzaram nosso caminho”, conta Mercadante. Na comemoração desses dez anos de atividades, um antigo pedido do público também será atendido: “Dessa vez vamos fazer um debate com o núcleo da companhia”, relata Cris.

A companhia

A Cia. do Tijolo foi formada por membros que faziam parte de dois tradicionais grupos de teatro de São Paulo: o Teatro Ventoforte e a Cia. São Jorge de Variedades. O projeto nasceu do desejo de Dinho – hoje ator e diretor da companhia – de realizar um monólogo sobre o poeta cearense Patativa do Assaré. O grupo começou a estudá-lo e assim surgiu o primeiro trabalho da companhia, o show musical Cante Lá Que Eu Canto Cá. Após a apresentação, no entanto, o grupo percebeu que precisava de mais trabalhos para dar conta da riqueza de temas que envolviam o artista. “Fizemos então o segundo espetáculo: Concerto de Espinha e Fulô. Dessa união de pessoas começamos a ler Paulo Freire também e assim surgiu a trupe”, diz Cris.

A teóloga Ivone Gebara, que estará presente no Sarau das Dionísias – Foto: Alécio Cézar

“Tivemos algumas experiências muito bonitas no Teatro da USP. Em 2014 fizemos uma ocupação lá, em que apresentamos de quarta a segunda dois espetáculos durante um mês e meio, e foi uma coisa muito boa”, conta Mercadante, após ser questionado sobre o motivo de o grupo ter escolhido o Tusp para as comemorações. Ainda de acordo com ele, o significado histórico do local, como espaço de resistência à ditadura militar (1964-1985), também teve peso importante, porque esse é um assunto recorrente nas peças da companhia. “O Centro Universitário Maria Antonia tem uma história relacionada a isso, como a famosa ‘Batalha da Maria Antonia'”, relata, referindo-se ao conflito entre estudantes da USP e da Universidade Mackenzie – localizada em frente ao prédio da USP – ocorrido em 1968. Outro fator é que muitas mentes que hoje servem de referência para a montagem dos espetáculos – como o crítico literário Antonio Candido, a filósofa Marilena Chauí e o geógrafo Milton Santos – estudaram na Faculdade de Filosofia, então instalada na Maria Antonia. “Ali foi um cerne de pensamento muito intenso e a escolha passa por isso. É um lugar que vibra essa memória, que está na história da resistência à ditadura”, complementa.

Tradicional na cidade de São Paulo, a Cia. do Tijolo tem como uma de suas características a relação com seu tempo histórico, como explica Mercadante. “Quando falamos de pessoas como Paulo Freire e Dom Hélder Câmara, estamos tentando trazer essas pessoas para dialogar com o nosso tempo presente.” Refazer trabalhos de anos atrás, segundo ele, traz novas leituras sobre esses textos. “Eu me sinto fazendo parte do meu tempo, tentando entender e agir sobre o meu mundo.”

Os eventos em comemoração aos dez anos da Cia. do Tijolo, que acontecerão no Centro Universitário Maria Antonia da USP (Rua Maria Antonia, 294, Vila Buarque, em São Paulo), são os seguintes:

O espetáculo Ledores no Breu ocorre entre os dias 23 de agosto e 2 de setembro, de quinta a sábado, às 21 horas, e aos domingos, às 19 horas. Ingresso: R$ 30,00.

O show Divino Misturado com os Mundos ocorre nos dias 6 e 7 de setembro, às 21 horas. Entrada grátis.

O Sarau das Dionísias ocorre no dia 8 de setembro, às 21 horas. Entrada grátis.

O encontro A Cabeça Gosta de Pensar, Mas o Pés Tecem a Existência ocorre no dia 9 de setembro, às 19 horas.

Mais informações estão disponíveis no site do Teatro da USP.




 

  • 12
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados