Campus de Piracicaba recebe exposição sobre direitos humanos

Mostra fica em cartaz no Museu Luiz de Queiroz de 30 de outubro a 9 de novembro, com entrada grátis

Por - Editorias: Cultura - URL Curta: jornal.usp.br/?p=205272
  • 63
  •  
  •  
  •  
  •  
Exposição traz os 30 artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos reproduzidos em grandes painéis – Foto: Divulgação / PRCEU

A partir desta terça-feira, dia 30, até 9 de novembro, a exposição itinerante USP Diversidade nos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos fica em cartaz no Museu Luiz de Queiroz da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba. Promovida pela Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP, a mostra foi inaugurada em 16 de agosto passado, no Parque de Ciência e Tecnologia (Cientec) da Universidade, em São Paulo, conforme anunciou o Jornal da USP (leia aqui). Depois de passar por Piracicaba, ela irá para os campi de Pirassununga (de 13 a 23 de novembro) e Lorena (de 27 a 30 de novembro), voltando então para São Paulo. Na capital paulista, será instalada de 4 a 14 de dezembro no Edifício da Reitoria da USP, na Cidade Universitária, para as comemorações dos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, no dia 10 de dezembro.

A exposição é composta de 30 painéis de 1,60 metro de altura, cada um com um artigo da Declaração reproduzido em letras de grandes dimensões. Os textos são acompanhados de 30 diferentes composições artísticas, elaboradas pelo designer Victor Daibert, estudante da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP, que se inspirou em telas de aquarela com tonalidades vibrantes.

A ideia foi apresentar, com diferentes palavras-chave, cores e padrões geométricos, as infinitas possibilidades de representação visual, fazendo um paralelo com a diversidade de pessoas, aparências, crenças e ideias presentes na sociedade. Os textos procuram chamar a atenção para os temas tratados pelos artigos e mostrar quão atual e necessário continua sendo esse documento que, apesar de bastante difundido, não costuma ser lido pelas pessoas e muitas não sabem qual seu conteúdo.

Para a coordenadora do USP Diversidade, Ana Paula Morais Fernandes, a ação tem importância dupla. “É papel da Universidade levar tais temas para a sociedade como um todo, como parte de suas ações de extensão. Ao mesmo tempo, tem grande importância o fortalecimento do respeito aos direitos humanos e à diversidade entre os universitários como parte de sua formação como agentes transformadores e futuros formuladores de políticas públicas”, destaca.

Direitos básicos

A Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH), que delineia os direitos humanos básicos, foi adotada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 10 de dezembro de 1948. Abalados pela então recente barbárie da Segunda Guerra Mundial, e com o intuito de construir um mundo sob novos alicerces ideológicos, os dirigentes das nações que emergiram como potências no período pós-guerra, liderados por Estados Unidos e União Soviética, estabeleceram, na Conferência de Yalta, na Rússia, em 1945, as bases de uma futura paz mundial, definindo áreas de influência das potências e acertando a criação de uma organização multilateral que promovesse negociações sobre conflitos internacionais, para evitar guerras e promover a paz e a democracia, além de fortalecer os direitos humanos.

Nesse contexto, um documento que reunisse premissas básicas e consensos era um ponto de partida mínimo para esse tipo de entendimento. Embora não seja um documento de obrigatoriedade legal, serviu como base para os dois tratados sobre direitos humanos da ONU de força legal: o Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos e o Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. Segundo o Guinness Book of World Records, a Declaração Universal dos Direitos Humanos é o documento traduzido no maior número de línguas.

A exposição itinerante USP Diversidade nos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos fica em cartaz de 30 de outubro a 9 de novembro, das 8 às 11h30 e das 13h30 às 17 horas, no Museu Luiz de Queiroz da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP (Avenida Pádua Dias, 11, em Piracicaba, telefone 19 3429-4305). Mais informações podem ser obtidas na página da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP.

Com texto de Michel Sitnik

  • 63
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados