Campus de Bauru exibe exposição de marchetaria

Mostra “Da Madeira Morta à Madeira Viva” fica em cartaz no Centro Cultural da USP de Bauru até 31 de agosto

Por - Editorias: Cultura - URL Curta: jornal.usp.br/?p=181960
  • 68
  •  
  •  
  •  
  •  
Obras Menina IIPianista, de Gennarino Calabrese – Fotos: Francisco Peres

Da Madeira Morta à Madeira Viva é o nome da exposição de marchetaria que está em exibição no Centro Cultural do campus da USP em Bauru até o dia 31 de agosto, numa realização do Projeto Atelier & Arte da Seção de Eventos Culturais da Prefeitura daquele campus.

A mostra é do artista italiano Gennarino Calabrese, conhecido como Rino, nascido há 71 anos na cidade de Brescia, na região da Lombardia, na Itália.

Rino se mudou para o Brasil aos 11 anos, morou em São Paulo e na região de Ribeirão Preto e, após ter cursado Administração de Empresas na Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), se mudou para Bauru para montar a fábrica de chocolates da Kibon.

O artista Gennarino Calabrese e sua obra Palácio de Broletto – Fotos: Francisco Peres

O artista mora em Bauru há 22 anos. Depois de trabalhar na Kibon, ele se aposentou e fez um curso de prótese dentária, montou o Laboratório Tecno-Orto, mas teve um problema nas mãos e não conseguiu mais trabalhar nessa área.

Com o conhecimento que tinha adquirido dos trabalhos em madeira que seu pai fazia, a partir de 2005 passou a trabalhar com marchetaria. No início fazia porta-joias, caixas, brinquedos e depois passou a fazer quadros, que é o seu forte agora.

Cardume, de Gennarino Calabrese- Fotos: Francisco Peres

A exposição

Rino expõe, no Centro Cultural, 20 quadros em marchetaria, com temas variados.

A arte da marchetaria é muito difundida nos Estados Unidos, Canadá e países da Europa. A técnica consiste em juntar pequenas peças de madeira sobre uma base e assim formar uma figura. Esta é uma atividade que exige mãos habilidosas, além de intimidade com a madeira e muita paciência.

Alce, de Gennarino Calabrese- Fotos: Francisco Peres

Sobre o nome da exposição, Rino destaca: “Quando você vê uma madeira em estado natural, ela está morta. A junção de vários tipos de madeira, em que você começa a formar desenhos e formas, passa a dar vida a essa madeira”.

O artista afirma que em seus quadros utilizou vários tipos de madeira, procurando não fugir da cor natural dela. A combinação de cores, ranhuras e formatos da madeira é que resulta na imagem do quadro.

Atualmente, Rino expõe e comercializa seus trabalhos na Feira do Microempreendedor de Bauru, que acontece aos domingos, das 8h30 às 12h, entre as quadras 18 e 19 da Avenida Getúlio Vargas.

Os contatos com o artista podem ser feitos em sua Oficina de Marchetaria Madeira Viva, em Bauru, pelos telefones (14) 3236-1174 e (14) 99772-0575 e pelo e-mail rinocalabrese@gmail.com.

A mostra Da Madeira Morta à Madeira Viva integra a programação oficial de aniversário de Bauru, que vai completar 122 anos no dia 1º de agosto. A exposição está aberta à visitação pública no Centro Cultural da USP, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, até o dia 31 de agosto. O Centro Cultural fica na Alameda Dr. Octávio Pinheiro Brisolla, 9-75, na Vila Universitária, em Bauru (SP). Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (14) 3235-8394 e pelo e-mail:centrocultural@usp.br.

  • 68
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados