Telemedicina pediátrica auxilia no combate à covid-19

Claudio Schvartsman diz que atendimento remoto tira dúvidas exclusivas de pais e responsáveis e evita idas desnecessárias aos prontos-socorros

Atendimento por videoconferência realizado por profissionais do Instituto da Criança do HC – Foto: Divulgação/HC FMUSP

O Instituto da Criança e do Adolescente (ICr) do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina (FM) da USP está inaugurando a teleconsulta pediátrica, novo serviço que esclarece, de forma exclusiva, dúvidas sobre a covid-19 para pais de crianças e adolescentes matriculados nos seus ambulatórios. Para melhor explicar essa nova modalidade, o Jornal da USP no Ar conversou com o professor Claudio Schvartsman, chefe do Centro Integrado de Emergência Pediátrica do ICr.

A ideia surgiu devido ao “contexto atual complexo e desafiador”, como define Schvartsman, referindo-se ao momento de enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. “Nós temos que poupar os serviços de saúde para que tenham seus atendimentos direcionados para aqueles que realmente precisam e evitando a tão temida sobrecarga desses serviços”, pontua. Por ser um instituto de pediatria, o ICr adotou a telemedicina pediátrica pensando nas crianças atendidas com as mais variadas doenças crônicas.

Atualmente, pais estão com receio de levarem seus filhos aos consultórios. Justamente por isso, e aliada a novas tecnologias, surgiu a ferramenta que o ICr passou a adotar para atendimento remoto, ou seja, sem que haja necessidade de sair de casa. Funcionando há uma semana com chamadas de vídeo de boa resolução, a consulta disponibiliza em tempo real o prontuário do paciente para mútua visualização, o que possibilita pediatras emergencistas avaliar as crianças e prontamente atender dúvidas das famílias. “Isso, muitas vezes, permite uma orientação que impede a ida desnecessária a uma unidade de saúde”, explica o professor.

Schvartsman diz que, de forma geral, a covid-19 em crianças “significa um quadro gripal de leve para médio”. A criança pode apresentar febre, tosse e coriza. O grande receio é que, com ou sem sintomas, a criança pode ser um vetor de transmissão para adultos, idosos e demais integrantes do grupo de risco. “Hoje, o maior temor para a criança é o quadro de resfriado, que pode ser covid-19; a criança estará bem e vai se curar espontaneamente, mas com potencial de transmissão.”

O professor acredita que dois elementos na observação de alerta para diagnóstico de crianças são a falta de ar e de apetite. “A ferramenta permite uma reavaliação diária, conduzimos com bastante segurança. Na menor dúvida, a criança é encaminhada a um pronto-socorro ou para o ICr.” Evitando um cenário alarmista, Claudio Schvartsman lembra que estamos na época das doenças respiratórias, que acometem crianças, e enfatiza a importância de ficar em casa neste momento: “Isso é que trará segurança para todos”.

Ouça a entrevista completa no player acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.