Saúde mental e desempenho acadêmico: começar a aula uma hora mais tarde pode ser benéfico para os adolescentes

Mudança do horário ajudou a diminuir cansaço, tensão e raiva dos estudantes que participaram de uma pesquisa realizada em escola do Paraná: durante uma semana, as aulas começaram às 8h30 em vez de 7h30

 Publicado: 14/09/2022  Atualizado: 19/09/2022 as 16:59
Por
Entender os benefícios que o tempo maior de sono traz aos estudantes é importante para o incentivo da criação de ações para alterar o horário das escolas – Foto: Pexels

 

Iniciar as aulas uma hora mais tarde ajudou a melhorar o desempenho acadêmico e o humor de adolescentes, afetando características como cansaço, tensão, raiva e depressão. É o que mostra um estudo intitulado Multiple positive outcomes of a later school starting time for adolescents realizado com a participação de estudantes do ensino médio de uma escola privada em Palotina, no Paraná. 

“O sono de boa qualidade está ligado a uma mente saudável, menos depressão e mais vontade e habilidade para realizar as ações cotidianas. Nós queríamos mostrar que atrasando o horário da aula os alunos podiam dormir mais e, portanto, estar mais preparados para aprender”, conta ao Jornal da USP Mario Pedrazzoli, professor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP e um dos autores do artigo.

Determinando o tempo de sono

Mario Pedrazzoli – Foto: Arquivo pessoal

Participaram do estudo 48 estudantes de diferentes séries do ensino médio de uma escola privada de Palotina: 17 alunos eram do primeiro ano; 23, do segundo, e oito, do terceiro. Pais e professores assistiram a uma apresentação sobre o estudo antes da convocação dos estudantes para a pesquisa. 

Foram necessárias três semanas para avaliar as mudanças nos estudantes: na primeira, as aulas começaram no horário normal, às 7h30. Na segunda, as aulas começaram às 8h30. E na terceira semana voltaram para o horário comum. A organização dessas três semanas foi um diferencial da pesquisa: em estudos anteriores, os pesquisadores aproveitaram que as escolas iam mudar o horário para avaliar a situação. “Com isso, demonstramos que, quando volta para o horário antigo, tudo piora de novo”, comenta Pedrazzoli.

O tempo de sono foi acompanhado por um método conhecido como actigrafia. Durante as três semanas os participantes usaram um actígrafo, um aparelho que tem um formato de relógio e mede o sono pelo movimento, temperatura e exposição à luz. Além disso, as informações relacionadas ao perfil emocional foram avaliadas por uma escala com 65 itens e pontuação de 0 a 5.

A hora de dormir, o tempo na cama, a sonolência, a duração total do sono e a hora de acordar foram alguns dos fatores registrados pelo método da actigrafia – Foto: Cedida pelo pesquisador

 

Ciclo circadiano e os benefícios da maior duração do sono

+ Mais

O sono é tão essencial para a vida quanto a alimentação

Cérebro é capaz de filtrar emoções positivas e negativas durante o sono, revela pesquisa

Risco de desenvolver depressão poderia ser reduzido com melhor qualidade do sono, indica estudo

O ciclo circadiano é o responsável por regular as atividades diárias em um período de 24 horas. É como um relógio biológico que define o melhor momento para comer ou dormir. Esse ciclo é controlado pelo hipotálamo (região do encéfalo que atua na regulação da temperatura do corpo, da fome, da sede e do comportamento sexual), que, ao receber informações sobre a presença ou ausência de luminosidade captada pela retina, regula a produção de hormônios.

No caso do sono, no período da noite, quando há menor incidência de luz, há a produção de melatonina, que estimula o sono. Já de manhã, com mais luminosidade, há a produção do cortisol, que nos faz despertar. 

Durante a adolescência, o ciclo circadiano é afetado, o que explica a dificuldade de pessoas dessa faixa etária de acordar cedo. “É uma característica do processo de desenvolvimento, junto com o processo de amadurecimento do corpo que acontece na adolescência: assim como o estirão de crescimento, acontece o atraso do horário do início do sono”, conta Pedrazzoli. O horário de sonolência que normalmente se inicia por volta das 20h ou 21h, passa para as 22h ou 23h na adolescência.

“Então, podemos imaginar que o adolescente constantemente dorme menos do que necessitaria”, pontua. É por isso que atrasar em uma hora o início das aulas traz consequências positivas.  

Os pesquisadores imaginaram que na semana em que a aula começaria às 8h30, o horário de dormir mudaria. Porém, não ocorreu mudança significativa nesse horário. Assim, os adolescentes dormiram por mais tempo na segunda semana: de cerca de 7 horas para 7 horas e 35 minutos.

Pedrazzoli explica que, durante o sono, o cérebro organiza as informações de cada dia, fazendo ajustes emocionais e processando memórias. “Então, as memórias são processadas e armazenadas enquanto a gente dorme e tudo isso tem a ver com aprender”, afirma.

Quanto ao humor dos adolescentes, na segunda semana, eles relataram menos cansaço, raiva, tensão, confusão e depressão. Eles também relataram ter mais energia. O TMD, que mede a perturbação do humor e é a soma do cansaço, raiva, tensão, confusão e depressão menos o valor da energia, também foi menor.

Durante a semana B, quando os adolescentes dormiram por mais tempo, é possível ver uma melhora no perfil emocional, por exemplo, sentindo menos raiva e cansaço – Foto: Cedida pelo pesquisador

 

Entender os benefícios que o tempo maior de sono traz aos estudantes é importante para o incentivo da criação de ações para alterar o horário das escolas. “Sabemos que as pessoas têm ciclos circadianos diferentes, no caso do adolescente o horário de sono é mais atrasado em relação à população em geral. Então, são necessárias políticas públicas que cuidem desses horários”, opina Pedrazzoli. 

A Califórnia, nos Estados Unidos, por exemplo, atrasou o horário de início das aulas visando ao melhor desempenho dos alunos. A lei entrou em vigor em julho deste ano e determinou que escolas de ensino médio não devem começar as aulas antes das 8h30. Enquanto isso, no Brasil, onde as escolas iniciam as aulas por volta das 7h30, ainda não ocorreram mudanças de horário. 

Pedrazzoli também comenta sobre o discurso da hipervalorização do trabalho, que muitas vezes é relacionado a um sentimento de orgulho e diminui a importância de dormir. “Trabalhar enquanto os outros estão dormindo”, reproduz o professor. “Mas o sono não é perda de tempo, é ganho de vida; o sono é um momento da vida no qual o cérebro prepara o próprio cérebro e o corpo para viver o dia seguinte com qualidade.”

Além de Mário, a pesquisa publicada na Revista Sleep Health tem como autores: Laura Bruna Gomes de Araújo, da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), Sandiéli Bianchin, da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), e colaboração dos pesquisadores Felipe Beijamini, da Unila, e Fernando M. Louzada, da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Mais informações: e-mail pedrazzo@gmail.com, com Mario Pedrazzoli


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.