RCGI vai apresentar, na COP-26, o potencial brasileiro de reverter emissões de carbono

Diretores do Research Centre for Greenhouse Gas Innovation participarão de evento que vai abordar projetos científicos internacionais sobre a redução dos gases do efeito estufa

 28/10/2021 - Publicado há 1 mês  Atualizado: 29/10/2021 as 19:33

Foto: Pixabay-CC

Diretores do Research Centre for Greenhouse Gas Innovation (RCGI) – ou Centro de Pesquisa para Inovação em Gases de Efeito Estufa, sediado na USP, irão até Glasgow, na Escócia, para participar do International Technology Centres Summit & Research Study. O evento paralelo à Conferência do Clima (COP-26) tem o objetivo de facilitar projetos científicos internacionais e auxiliar a comunidade científica e empresarial global a engajar cientistas e institutos de excelência.

“Será uma oportunidade para apresentar o trabalho que estamos realizando no RCGI e mostrar o potencial brasileiro para se tornar não apenas neutro, mas possivelmente negativo nas emissões de gases de efeito estufa. Claro que isso envolve uma série de ações e uso de tecnologias, mas é algo factível”, afirma Gustavo Assi, diretor de Inovação e Transferência de Tecnologia do RCGI, que participará do evento junto com Julio Meneghini, diretor científico do RCGI, e Karen Mascarenhas, diretora de Recursos Humanos e Liderança.

Assi ressalta que a mensagem do último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) versava sobre a negativação das emissões. “Já não adianta mais apenas neutralizar as emissões. Perdemos o ponto da neutralidade e o mundo agora precisa fazer mais: não emitir e capturar o carbono que foi liberado no passado. Nos últimos meses ouvimos muitas empresas declararem planos de serem neutras até a próxima década. Mas isso já não é suficiente. É um discurso um tanto atrasado e diferente do que vamos apresentar em Glasgow”, afirma.

O RCGI tem lançado programas de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias cujo objetivo central é a redução das emissões de gases de efeito estufa. As inovações e soluções desenvolvidas no centro de pesquisa são focadas em possibilitar que o Brasil atinja os compromissos assumidos no Acordo de Paris, no âmbito das NDCs – Nationally Determined Contributions.

Algumas das tecnologias desenvolvidas no centro de pesquisa são baseadas na natureza, na captura e utilização de carbono. Outras são soluções em engenharia e em geração de energia a partir de fontes biológicas que capturam carbono. O RCGI tem ainda o programa de Advocacy, que tem por objetivo levar todos esses resultados para serem implementados por meio de políticas públicas.

Gustavo Assi – Foto: RCGI

“No Brasil existe o potencial de negativar as emissões e isso é algo que nem todos os países detêm. Mas é importante entender que uma empresa não consegue essa façanha sozinha. Isso é coletivo e o País tem a possibilidade de integrar setores da indústria com as fontes que vão capturar o carbono”, diz.

Dessa forma, de acordo com Assi, além de combater o desmatamento é preciso a união de setores para reverter as emissões dos gases causadores do efeito estufa. Outro ponto importante é a matriz energética brasileira ser majoritariamente limpa e, a de combustível, com ampla participação do etanol.

Por isso, os executivos do RCGI pretendem passar a mensagem de que é preciso integrar diversos setores da economia, como a indústria de cimento, fertilizantes, aço, mineração, produtos químicos, celulose, agropecuária para capturar carbono na fonte – o que é muito mais fácil de capturar do que na fase em que os gases já foram emitidos na atmosfera.

Outro fator importante que será destacado é a necessidade de estimular o uso de energias renováveis na exploração de petróleo e gás e armazenar o carbono que sai dessa extração, reinjetando-o abaixo do leito marinho.

Assi defende que o cenário brasileiro pode ser bastante promissor, principalmente quando comparado ao europeu. Ele ressalta, no entanto, que além da necessidade de um plano nacional e coletivo, existem soluções que ainda precisam ser desenvolvidas.

“O Brasil é um bom palco para a implementação dessas tecnologias. Mas a equação para reverter as emissões de gases de efeito estufa só fecha se enxergar o País como um todo, com uma articulação política em nível nacional”, diz.

O International Technology Centres Summit & Research Study será realizado no Centro de Inovação Tecnológica (TIC) em Glasgow, de 1º a 3 de novembro.

Sobre o RCGI – O Research Centre for Greenhouse Gas Innovation (RCGI) é um Centro de Pesquisa em Engenharia, criado em 2015, com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e da Shell. As pesquisas do RCGI são focadas em inovações que possibilitem ao Brasil atingir os compromissos assumidos no Acordo de Paris, no âmbito das NDCs – Nationally Determined Contributions. Os projetos de pesquisa – 19, no total – estão ancorados em cinco programas: NBS (Nature Based Solutions); CCU (Carbon Capture and Utilization); BECCS (Bioenergy with Carbon Capture and Storage); GHG (Greenhouse Gases) e Advocacy. Atualmente, o centro conta com cerca de 400 pesquisadores. Saiba mais aqui.

Da Acadêmica Agência de Comunicação

Mais informações: e-mail angela@academica.jor.br

+ Mais

Fapesp e Shell investirão R$ 63 milhões em centro de pesquisas da USP sobre gases de efeito estufa

Tecnologia de armazenamento de carbono pretende amenizar efeitos das mudanças climáticas

Livro destaca as perspectivas do gás natural no Brasil


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.