Projeto otimiza visualização de dados de saúde pública e da covid-19

Infovis foi criado a partir de uma solicitação do SUS à USP com objetivo de reunir dados disponíveis e acompanhar a eficácia das políticas públicas da área da saúde

 12/11/2020 - Publicado há 1 ano  Atualizado: 13/11/2020 as 15:53

Para comentar o projeto Infovis, Lúcia Filgueiras, do Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas e pesquisadora do Interlab (Laboratório de Tecnologias Interativas) da Escola Politécnica (Poli) da USP, concedeu entrevista ao Jornal da USP no Ar de hoje (12). Ela conta que a pesquisa havia sido encomendada pelo Departamento de Monitoramento e Avaliação do SUS (Sistema Único de Saúde)  antes da pandemia, para a representação dos dados de saúde e acompanhamento da eficácia das políticas públicas da área. Porém, com a covid-19, ficou ainda mais clara a necessidade dessa visualização dos dados de maneira sistematizada.

Dados de saúde são complexos e volumosos, o que dificulta seu acesso. O professor Leandro Velloso, do Departamento de Design da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP, que também faz parte do projeto, destaca que os dados utilizados são públicos e se encontram em bancos de dados livres na internet, mas pouca gente os vê. 

A contribuição do design está na síntese visual que é feita a partir desses dados, explica o professor. Lúcia chama esse processo de “transparência ativa das informações”. Velloso diz que: “Qualquer síntese visual que a gente faz comunica uma narrativa. Temos que ter cuidado para que sempre seja o mais real e correta possível”.   

O Infovis é voltado para quem toma as decisões de gestão de saúde no País. Lúcia fala que foram reunidos dados de diferentes áreas, como gestão financeira e distribuição da capacidade de equipamentos e profissionais instaladas nos municípios. Nas pesquisas do projeto, perguntou-se quais as questões mais relevantes e que precisam de mais atenção para os gestores de saúde. O Infovis dá respostas a essas questões com dados atuais, incluindo, também, a presença de algoritmos preditivos que respondem simulações.

Velloso explica que, por meio dessas pesquisas, o desenho para visualização dos dados é feito de forma a já pensar quais problemas há para resolver. Além disso, pensa-se como se representam os dados geoespacialmente e temporalmente. Também destaca que há dados que mostram o avanço da covid-19 e o dia a dia da pandemia: “Lutamos contra um vírus invisível, mas a visualização de dados é o que faz com que a gente o veja melhor, ver onde está e com que velocidade avança”.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.