Procuram-se bebês: USP recruta participantes para estudo sobre os primeiros três anos de vida

Cientistas estão recrutando 500 bebês, de até 3 meses, para estudo que vai analisar diversos fatores que influenciam no desenvolvimento cognitivo humano nos primeiros mil dias de vida

 11/01/2022 - Publicado há 6 meses  Atualizado: 13/01/2022 as 13:27
Por
O Germina é parte do programa 1kD (The First 1000 Days), financiado pela organização internacional Wellcome Leap, que envolve dez grupos de pesquisadores de todos os continentes. Na USP, o projeto tem participação de 15 grupos de pesquisa de diferentes áreas, como genética, microbiologia, nutrição, fonoaudiologia, pediatria, psicologia, psiquiatria de crianças, neurociência do desenvolvimento, matemática e estatística. Projeto Germina – Imagem: Reprodução/FMUSP

 

Pesquisadores da USP estão recrutando 500 bebês, de até 3 meses de vida, para participarem de um projeto que vai analisar, durante três anos, diversos fatores que influenciam no desenvolvimento cognitivo humano. O Projeto Germina busca estudar os mil primeiros dias de vida e entender como o ambiente, as relações sociais, a composição genética, a nutrição e o microbioma atuam no desenvolvimento cerebral, cognitivo e emocional. A pesquisa é uma oportunidade para os pais acompanharem de perto a saúde das crianças, com especialistas à disposição, e de contribuir para a pesquisa científica brasileira. 

Guilherme Vanoni Polanczyk – Foto: Arquivo pessoal via Twitter

O Germina é parte do programa 1kD (The First 1000 Days), financiado pela organização internacional Wellcome Leap, que envolve dez grupos de pesquisadores de todos os continentes com os mesmos objetivos científicos. Na USP, o projeto conta com a participação de 15 grupos de pesquisa de diferentes áreas do conhecimento, como genética, microbiologia, nutrição, fonoaudiologia, pediatria, psicologia, psiquiatria de crianças, neurociência do desenvolvimento, matemática e estatística. “Isso coloca o Brasil e a USP em uma posição de destaque neste campo. Pesquisadores renomados de várias partes do mundo nos dão a possibilidade de levar os dados nacionais e, ao mesmo tempo, de trazer para cá a experiência desses colaboradores”, afirma ao Jornal da USP o professor do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), Guilherme Vanoni Polanczyk, o pesquisador principal do projeto. 

Como participar?

Podem participar da pesquisa mães e pais de 20 a 45 anos e bebês de até 3 meses de idade, nascidos com 37 semanas de gestação ou mais. ​Os participantes devem ter disponibilidade para visitar os centros de pesquisa na cidade de São Paulo em cinco momentos, ao longo dos primeiros três anos de vida do bebê, para realização dos exames e testes.

Nos encontros, os pesquisadores farão perguntas para os responsáveis sobre o ambiente e a família. O desenvolvimento do bebê será avaliado por meio de atividades lúdicas e apropriadas para a idade, além da realização de eletroencefalograma, exame que indica a atividade cerebral, e coleta de amostras de saliva e fezes do bebê. Polanczyk destaca que são procedimentos seguros, que não oferecem nenhum risco, e que os resultados serão informados para os pais, inclusive do sequenciamento genético, exame sofisticado e de alto custo. As famílias podem contar com reembolso relacionado ao transporte dentro da cidade de São Paulo para as visitas e também lanche, como informa o site do projeto.

O pesquisador explica que, se forem detectados atrasos, alterações genéticas e no microbioma, os pais serão informados e os especialistas da equipe estarão disponíveis para conversar com as famílias.

A pesquisa

+ Mais

Projeto da USP é um dos dez selecionados para o programa The First 1000 Days

O objetivo do estudo é entender como podemos prever, logo nos primeiros anos de vida, quem são as crianças que terão boas habilidades executivas e de linguagem. “Unindo esforços e conhecimentos, com dados de crianças de vários locais no mundo, poderemos alcançar os nossos objetivos e apoiar crianças a atingirem o seu potencial de desenvolvimento e a terem um futuro saudável”, afirma.

O foco do estudo está nas linguagens e funções executivas, que incluem habilidades como organização, planejamento, controle de impulsos, como explica o pesquisador. “As habilidades executivas são as responsáveis para que consigamos inibir impulsos, planejar e organizar nossas ações e predizem, ao longo da adolescência e vida adulta, saúde, educação e bem-estar mental”, completa. 

Ao final do projeto, espera-se ter condições de dizer quais crianças têm boas ou não boas habilidades nessas áreas cognitivas e, com isso, facilitar a implementação de intervenções precocemente para promover essas habilidades nas crianças com mais dificuldade.  De acordo com o professor, as estratégias precoces têm o potencial de mudar a trajetória das crianças. “Se pudermos predizer essas habilidades importantes e melhorá-las, a criança com dificuldade terá um melhor aprendizado aos 7 ou 8 anos”, finaliza. 

Para saber mais e se inscrever no projeto, acesse projetogermina.com.br


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.