Câncer elimina quimioterápico para sobreviver

Uma nova combinação de drogas conseguiu combater tumores de cérebro em camundongos. A biomédica Clarissa Rocha, vencedora do prêmio Tese Destaque USP 2016 na categoria multidisciplinar, descobriu que as células do tumor não morrem com o tratamento porque jogam fora o quimioterápico antes de que cause estragos ao DNA

 03/03/2017 - Publicado há 5 anos  Atualizado: 18/10/2019 as 11:33
Por

Uma nova combinação de drogas conseguiu combater tumores de cérebro em camundongos. Chamado de glioma, esse tipo de câncer é um dos mais agressivos e, em muitos casos, resiste à quimioterapia.

A biomédica Clarissa Rocha descobriu que as células do tumor não morrem com o tratamento porque jogam fora o quimioterápico antes de que cause estragos ao DNA, em um processo que envolve a molécula glutationa. Ao bloquear a produção de glutationa com a substância biotinina sulfoximina (BSO), o câncer foi praticamente eliminado dos animais.

Prêmio

A pesquisa de doutorado de Clarissa venceu o prêmio Tese Destaque USP 2016 na categoria multidisciplinar. O trabalho foi realizado no Laboratório de Reparo de DNA, do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP, sob orientação do biólogo Carlos Menck.

No vídeo, Clarissa e Menck contam sobre a descoberta do mecanismo de resistência, que envolve a glutationa e apresentam uma nova forma de marcar os genes: a luminescência.
[embedyt] http://www.youtube.com/embed?layout=gallery&listType=playlist&list=PLwA0zWYFcS_i1_gbNTmnDh83ybIC_exRZ&layout=gallery[/embedyt]


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.