Pesquisa dá pistas de como desvendar a magia do drible no futebol

Experimentos realizados com jogos de futsal e futebol de campo permitiram a cientistas da USP analisar o que faz de um drible ser bem-sucedido

 05/08/2021 - Publicado há 4 meses  Atualizado: 06/08/2021 as 15:59
Por
Garrincha, da seleção brasileira, dribla um jogador da União Soviética, durante a Copa do Mundo de 1958 – Arte sobre foto FIFA

 

Na Copa do Mundo de 1958, dois jogadores brasileiros foram decisivos na derrota do time da União Soviética e seu tão propagado “futebol científico”. Garrincha e Pelé mostraram ao mundo suas habilidades e o Brasil venceu os soviéticos por 2 a 0. Mas e se, num período anterior àquele 15 de junho – dias ou meses, quem sabe -, hipoteticamente falando, os defensores soviéticos tivessem informações de um recente estudo da Escola de Educação Física e Esportes (EEFE) da USP sobre o drible? Quem sabe a derrota teria sido “menos dolorosa” diante das “travessuras” de Mané Garrincha. Na pesquisa em questão, da EEFE, a professora de educação física Sílvia Letícia da Silva investigou as hipóteses que podem levar um drible a ter ou não sucesso.

+ Mais

Pesquisador avalia passe e drible de futebolistas no interior paulista

Claro que o estudo não funcionaria como um “manual” que evitaria aquela derrota. Mas quem sabe os zagueiros russos poderiam obter alguns subsídios a seu favor. “O drible não tem sido objeto de estudo na academia”, como conta Sílvia ao Jornal da USP. “Durante minha pesquisa encontramos na bibliografia apenas três estudos sobre o drible. Um de 2005, outro de 2010 e um mais recente, de 2016”, diz a pesquisadora. Na pesquisa mais recente (2016), desenvolvida aqui no Brasil, o questionamento principal é porque os jogadores decidem driblar ao invés de passar ou chutar a bola. Os outros dois estudos foram realizados no exterior. Num deles, os cientistas analisaram onde e para que os dribles ocorriam (2005). No outro, de 2010, os pesquisadores buscaram entender quais informações espaço temporais influenciaram o drible.

Em síntese, o drible é bem-sucedido quando o atacante consegue ultrapassar seu marcador. “Mas o que compõe esse sucesso é justamente a deficiência do tempo de reação do marcador”

Umberto César Correa – Foto: Arquivo Pessoal

Na pesquisa intitulada As habilidades de driblar e não ser driblado no futsal e no futebol com base no tempo de reação e na antecipação, que teve orientação do professor Umberto César Correa, Silvia analisa as razões pelas quais um drible poderá ser ou não eficiente, nas modalidades de futebol e futsal. “Entre as hipóteses está a imprevisibilidade do drible e o tempo de reação de um defensor”, destaca a professora. Trata-se, segundo ela, de uma pesquisa que poderá subsidiar novos estudos sobre as práticas esportivas.

Em síntese, o drible é bem-sucedido quando o atacante consegue ultrapassar seu marcador. “Mas o que compõe esse sucesso é justamente a deficiência do tempo de reação do marcador”, descreve a pesquisadora. E entre as conclusões a que chegou, uma foi que o tempo de reação do marcador, no futsal, não influenciou no sucesso dos dribles. “Mas esta relação existe no futebol de campo”, cita a professora. “Podemos dizer que o marcador estabelece uma espécie de ‘organização temporal’, que é o tempo de reação diante de movimentos que compõem um drible. Assim, quando o atacante consegue promover uma ‘desorganização temporal’ no seu oponente, o drible terá sucesso”, afirma Sílvia. Porém, a pesquisadora não pode explicar os motivos dessa diferença entre as modalidades. “Mas nosso estudo poderá servir de base a novas pesquisas que buscarem elucidar tais diferenças”, afirma.

No campo e na quadra

Para realizar sua pesquisa, Silvia realizou filmagens numa quadra e num campo de futebol. Foram cinco jogos de futsal, entre alunos da categoria sub-16 de uma escola. No campo de futebol, foram filmados dois jogos: um do Campeonato Paulista da série A1, de 2020, e outro da Copa do Brasil, na categoria sub-17. Com a ajuda de um especialista, Sílvia analisou 77 dribles no futsal e 53 no campo. “Depois das filmagens e análises, estabelecemos então uma classificação dos dribles”, explica Sílvia.

Sílvia Letícia da Silva – Foto: Arquivo Pessoal

Na quadra, os dribles tiveram duas classificações: simples e escolha. Como descreve a pesquisadora, o drible simples envolve um estímulo emitido pelo atacante e uma resposta do defensor. “Podemos dar como exemplo o ‘chapéu’, em que o driblador tenta ultrapassar seu marcador alçando a bola sobre ele. Neste caso, o marcador terá apenas uma opção de resposta, que é tentar interceptar a bola”, explica.

Já no caso em que os dribles foram classificados como “escolha”, Silvia cita como exemplo o “drible da vaca”, em que o driblador vai para um lado e a bola para outro. “O marcador terá, então, duas opções de resposta: ou intercepta a bola, ou o driblador”, diz a professora.

Nas análises realizadas nos jogos de futebol de campo, Silvia identificou os mesmos dribles do futsal, simples e escolha, e o que ela denominou como Período Psicológico Refratário (PPR). “Neste caso, há movimentos sequenciais apresentados num curto espaço de tempo. Podemos citar como exemplo os dribles do Garrincha, em que ele deslocava para um lado e depois ia para outro, mas sem mover a bola”, cita. Um outro exemplo de drible que pode ser classificado como PPR é o drible da pedalada, em que o driblador passa o pé diversas vezes por sobre a bola antes de definir a jogada. “Teoricamente, os dribles ‘escolha’ e ‘PPR’ são mais complicados de serem marcados”, avalia a pesquisadora.

+ Mais

Futebol ajuda a promover inclusão de refugiados no Brasil

Ainda sobre as diferenças entre as duas modalidades, Silvia pôde observar que no futebol de campo o driblador consegue com mais frequência desorganizar o tempo de reação do marcador. “Podemos observar que o defensor começa a responder ao drible quando este já se encontra na metade ou perto da finalização”, descreve, lembrando que, no futsal, este início de resposta é mais rápido. Ou seja, o marcador consegue sintonizar-se à movimentação do oponente praticamente desde o início do drible.”

Em ambas as análises, tanto no campo de futebol quanto na quadra de futsal, o tempo considerado como de reação para os dribles foi estabelecido em 200 milissegundos (ms). “De um modo geral, quanto mais imprevisível for o drible, maior será o tempo de reação”, explica a pesquisadora. A pesquisa de Silvia teve início em 2017 e foi concluída em 2021.

Mais informações: e-mail silvialeticia@usp.br, com a professora Sílvia Letícia da Silva


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.