Macacos-prego desenvolvem habilidade de tirar parte tóxica ao comer gafanhotos

Intestino do gafanhoto, que contém toxinas, é retirado antes do consumo; comportamento indica possível aprendizagem dos macacos mais jovens

 03/06/2024 - Publicado há 2 meses     Atualizado: 05/06/2024 as 16:39

Texto: Júlio Bernardes*
Arte: Diego Facundini**

Foi possível observar uma diferença no desempenho entre os adultos e os mais jovens nesse processo, indicando que os macacos levam um tempo para aprender a executar a técnica de forma correta. Na imagem, um macho adulto de macaco-prego (Sapajus libidinosus) registrado no Parque Nacional Serra da Capivara, PI, Brasil – Foto: Tiago Falótico

Na natureza, diversas espécies de animais produzem defesas químicas que os tornam tóxicos ou impalatáveis, como estratégia de defesa contra os predadores. No entanto, algumas espécies podem aprender a lidar com esse tipo de presa evitando ou removendo a parte tóxica, como fazem os macacos-prego que consomem gafanhotos no Nordeste brasileiro, retirando seu intestino. O comportamento foi observado por pesquisadores do Instituto de Psicologia (IP) da USP, que não só descrevem como os animais fazem a separação, mas também mostram que o processo possivelmente depende de aprendizado, pois os mais jovens demoram mais tempo e nem sempre retiram bem a parte tóxica.

Os resultados do trabalho são mostrados em artigo da revista científica Primates em 25 de maio. “Os macacos-prego da espécie Sapajus libidinosus são animais onívoros, que comem de tudo, e vivem em ambiente de cerrado e caatinga”, conta o pesquisador Henrique Rufo, que realizou a coleta de dados para seu trabalho de doutorado, orientado pelo professor Eduardo Benedicto Ottoni e pelo pesquisador Tiago Falótico, no Parque Nacional Serra da Capivara (PNSC), no Piauí. “Os gafanhotos, cujo nome científico é Stiphra sp., são comuns em ambiente de caatinga e podem coexistir com os macacos-prego em algumas áreas.”

Henrique Rufo - Foto: ​CV Lattes

Um exemplo da sequência típica em que gafanhotos foram processados pelos macacos-prego mostrando a extração do trato digestivo tanto do tórax quanto do abdômen - Foto: Reprodução do artigo

O pesquisador relata que o grupo de macacos-prego era acompanhado diariamente. “Apesar do foco da pesquisa ser no comportamento do uso de ferramentas, foi possível observar e registrar os macacos se alimentando dessa espécie de gafanhoto, que durante o período de acasalamento aparecem em grande quantidade em algumas áreas do PNSC”, aponta. “Notamos que eles pareciam descartar parte dos gafanhotos e decidimos registrar melhor o que acontecia quando eles estavam comendo essa espécie. Além disso, também coletamos os gafanhotos para identificar o gênero.”

“Quando os macacos-prego se alimentam dessa espécie de gafanhoto é possível observar que eles sempre removem o intestino do inseto durante o consumo e evitam levá-lo à boca”, descreve Rufo. “Também identificamos uma diferença entre macacos adultos e imaturos, isto é, não adultos, nesse consumo. Os adultos foram mais rápidos na remoção do intestino e tinham um aproveitamento melhor na hora de consumir o inseto inteiro, inclusive lambendo a camada de gordura associada ao intestino”.

A e B: Gafanhotos (Stiphra sp.) em seu habitat natural. C: Cabeça, tórax e abdômen de um gafanhoto – Foto: Reprodução do artigo

Aprendizado

Os macacos imaturos tiveram maiores dificuldades tanto na remoção quanto no consumo da gordura, demorando mais tempo e aproveitando menos o inseto ao descartarem o intestino junto com alguma parte do corpo da presa. “Isso pode ser um indicativo de que há um processo de aprendizagem no consumo do inseto e que leva um tempo para os macacos aprenderem a terem um melhor aproveitamento desse recurso”, observa o pesquisador. “Quando os macacos-prego se alimentam de outra espécie de gafanhoto, que não é tóxica, eles consomem os insetos por completo, sem retirar o intestino.”

De acordo com Rufo, outras pesquisas, inclusive com espécies diferentes de primatas, mencionam o consumo de insetos da ordem Orthoptera, como o gafanhoto. “Porém, nosso trabalho apresenta de forma mais detalhada como esse consumo é feito e sobre a capacidade dos macacos-prego em evitar as defesas químicas desses gafanhotos”, destaca.

“Identificamos que há um processo de aprendizagem no aperfeiçoamento da técnica e estudos futuros poderão investigar com mais detalhes os mecanismos de aprendizagem envolvidos”, afirma o pesquisador. “A elucidação sobre os fatores ecológicos que influenciam o comportamento desses animais pode sempre contribuir para o desenvolvimento de melhores estratégias para preservação tanto das espécies quanto do ambiente”, conclui Rufo.

O artigo da PrimatesToxic tasting: how capuchin monkeys avoid grasshoppers’ chemical defenses, é assinado por Henrique Pereira Rufo, Luiza G. Ferreira, Eduardo Benedito Ottoni e Tiago Falótico. Além do IP, o trabalho teve a colaboração da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP, Neotropical Primates Research Group (Neoprego) e Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology, em Leipzig (Alemanha). A pesquisa teve financiamento da Capes e da Fapesp.

Mais informações: e-mails henrique.rufo@gmail.com, com Henrique Rufo, e tfalotico@gmail.com, com o professor Tiago Falótico


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.