Investir em ciência e em atendimento pode fazer tratamento de catarata chegar a quem mais precisa

Pesquisadores apontam a necessidade urgente de mais evidências relevantes em estudos científicos para melhorar a qualidade dos serviços de catarata, que é uma das principais causas de cegueira no Brasil

 Publicado: 10/11/2021  Atualizado: 11/11/2021 as 16:15
Por
Levantamento de artigos sobre catarata mostra que a maioria dos estudos está ligada a países de alta renda e 41% deles têm como temática a eficiência da cirurgia. Pesquisadores apontam falha na literatura científica em aspectos ligados à qualidade e à integração das unidades de atendimento de saúde pública, principalmente em países onde a catarata é a principal causa de cegueira, como o Brasil. Foto: Paul Diaconu por Pixabay

 

Você provavelmente conhece alguém que teve catarata ou você mesmo está passando ou vai passar por essa condição. Afinal, a doença ocular caracterizada pela opacidade na lente do olho é uma das principais causas de cegueira no Brasil e no mundo. Mas, apesar de comum, muitas pessoas ainda não recebem o tratamento adequado.

“Há uma necessidade urgente de mais evidências relevantes em estudos científicos para entender como podemos melhorar a qualidade dos serviços de catarata”, revela o professor e oftalmologista João Marcello Furtado, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP. O apontamento está no artigo How can we improve the quality of cataract services for all? A global scoping review, que contou com a coautoria do professor Furtado e a participação de pesquisadores de diversos institutos do Reino Unido, Nova Zelândia, Nigéria e Quênia.

Os cientistas fizeram um levantamento sobre a produção científica já publicada sobre o aumento da qualidade dos serviços de cirurgia de catarata senil, ou seja, em idosos. Foram analisados 143 estudos que relatam resultados relevantes sobre a qualidade dos serviços ligados à doença.

Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

O artigo foi publicado na revista Clinical & Experimental Ophthalmology. Os resultados mostraram que 65% dos 143 estudos foram realizados em países de alta renda e 41% deles têm como temática a eficiência da cirurgia, que atualmente é o único tratamento existente. “O principal achado é que, em linhas gerais, a literatura é muito falha nos aspectos relacionados à qualidade e integração das unidades de atendimento de saúde pública, principalmente em países onde a catarata é a principal causa de cegueira, como o Brasil”, explica.

Furtado explica que a maioria dos trabalhos focam em acuidade visual após a cirurgia, mas a qualidade tem uma dimensão muito maior, como: entender o que o paciente sentiu durante o recrutamento até o pós-operatório, qual foi o nível de ansiedade, o quanto melhorar a visão impactou financeiramente, como reduzir os resíduos gerados para diminuir os impactos no meio ambiente e até se a visão pode ser melhorada por intervenções não-cirúrgicas.

“Tudo isso precisa ser melhor estudado para que a gente consiga avançar na diminuição de cegueira por catarata. Nós temos excelentes serviços e profissionais no Brasil e no mundo, mas nem sempre o tratamento chega na população que precisa”, afirma.

O artigo recomenda que as produções científicas levem em consideração a amplitude do termo qualidade dos serviços de acordo com índices da OMS. “O principal indicador da Organização é a combinação da cobertura do serviço, que significa a porcentagem da população que precisa de tratamento, com o nível de visão que a pessoa possui após a cirurgia. Esse índice é gerado através de estudos populacionais, que não são feitos com frequência e não temos um dado nacional no Brasil.”

Neste sentido, Furtado explica que é necessário investimento para avançar na produção de estudos nos países de baixa e média renda. “É necessário investir em aumento de bolsas de estudo, verbas e condições para que pesquisadores possam se dedicar à ciência. Além disso, lembrar que a maioria das pessoas que precisam de cirurgia de catarata possuem alguma barreira ao acesso a mesma. Se não avançarmos nessas questões, daqui 10 ou 20 anos vamos continuar conversando sobre os mesmos problemas que vemos hoje.”

O que é catarata e como é feito o tratamento

Foto: Dennis Kuhn via Flickr – CC

Muito frequente em pessoas com 65 anos ou mais, a catarata é uma doença ocular e, normalmente, é caracterizada pelo sintoma de visão embaçada. A condição consiste na opacidade do cristalino, que é uma lente natural que permite a entrada de raios de luz para a formação de imagem. Entre os principais efeitos da doença está a dificuldade para ver e a sensação de que há uma névoa impedindo a visão com qualidade.

O tratamento da catarata é a cirurgia com a substituição do cristalino por uma lente artificial. “O procedimento é bastante efetivo, rápido e normalmente feito com anestesia local. É considerada uma das intervenções em saúde com melhor custo-benefício”, finaliza Furtado.

Mais informações: e-mail furtadojm@gmail.com, com João Marcello Furtado

Ouça no player abaixo entrevista do professor João Marcello Furtado ao Jornal da USP no Ar, Edição Regional.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.