Grupo de cientistas monitora covid-19 em tempo real com base na ciência de dados

Domingos Alves comenta que é prematuro afirmar que pico do coronavírus, em São Paulo, será em dez dias e que medidas restritivas ainda são extremamente necessárias

jorusp

Há no Brasil um grupo de cientistas independentes e voluntários (físicos, matemáticos, biólogos e médicos) que busca avaliar a evolução da covid-19 por meio da ciência de dados. A análise é feita através de modelos matemáticos típicos de surtos de epidemia, tais como a modelagem, já usada ao tratar da dengue e da própria Sars (Síndrome Respiratória Aguda Grave). De acordo com o professor Domingos Alves, do Laboratório de Inteligência em Saúde (LIS) da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP, em entrevista ao Jornal da USP no Ar, o objetivo da equipe é traçar o melhor cenário possível de previsão dos casos. O grupo, inclusive, criou um site para acompanhamento do monitoramento dos dados obtidos e de suas análises.

As ferramentas usadas são adaptações de outros instrumentos empregados ao redor do mundo, pois o cenário encontrado em cada país varia e, pensando no Brasil, isso não é diferente. O professor inclusive cita que é necessário trabalhar com focos mais específicos de modelagem, olhando a ação do vírus em localidades mais representativas, principalmente em cidades em que a doença já se alastrou. Dessa forma, será possível monitorar a disseminação da doença em cada município, ajudando na tomada de  decisão pelos gestores locais.

Objetivo da equipe é traçar o melhor cenário possível de previsão dos casos – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

Alves aproveita para alertar o cuidado que a mídia e órgãos informativos devem ter ao divulgar dados sobre a evolução da doença, citando o exemplo de uma matéria que alegava que a cidade de São Paulo havia diminuído a curva da incidência do vírus (entre os dias 23 e 25 de março) devido às medidas de isolamento social. “O que as pessoas estavam vendo era uma flutuação dos dados, e essas flutuações são comuns durante uma epidemia”, explica o professor.

Algumas pessoas comentam que o pico da doença em São Paulo será observado em aproximadamente dez dias, uma afirmação que é, de acordo com o professor Domingos Alves, prematura. Ele comenta que ainda estamos no tempo de ascensão dos casos e que provavelmente não atingiremos o ápice em dez dias. Por isso, é necessário que a população mantenha o isolamento social, e que talvez seja necessário um prazo maior de manutenção dessa medida.

Saiba mais ouvindo a entrevista na íntegra.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.