Emissões de CO2: aumento de 40% em 200 anos

No Especial “Semana do Meio Ambiente”, o climatologista Tércio Ambrizzi (IAG/USP) comenta a recente saída dos EUA do acordo de Paris e fala sobre as consequências das emissões de CO2 nos sistemas meteorológicos, como a variabilidade climática e o aumento do nível do mar.

 05/06/2017 - Publicado há 4 anos  Atualizado: 18/10/2019 as 11:33
Por

Nos últimos 200 anos, a ação humana sobre o planeta aumentou as emissões de CO2 em 40%, acabando com uma estabilidade mantida por 800 mil anos. O Ciência USP ouviu o climatologista Tércio Ambrizzi, coordenador do Incline – Núcleo de Apoio a Pesquisa em Mudanças Climáticas da USP. Tércio comenta a recente saída dos EUA do acordo de Paris e acredita que, agora, as metas estão muito mais distantes de serem alcançadas.

[embedyt] https://www.youtube.com/watch?v=iudzRKL2qQs[/embedyt]

 

Ciclo Rápido

Baseado em dados paleoclimáticos, Ambrizzi conta que as emissões de CO2 mantinham-se estáveis ao longo de 800 mil anos. Porém, em um curto período de tempo, um aumento sistemático nas emissões elevou não apenas a temperatura, mas aumentou os gases de efeito estufa na atmosfera e disparou outros sistemas meteorológicos. Como exemplos, Ambrizzi menciona a diferença do comportamento de ventos, em determinadas regiões, e a influência no regime de precipitação. “Então, para se adaptar a essas novas temperaturas, o clima e o tempo têm sido muito mais variados”, alerta.

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.