“Coronavac é uma das vacinas mais seguras já testadas até hoje”, afirma Esper Kallás

O infectologista explica que o sucesso na vacinação em massa vai depender da quantidade de doses disponíveis no Brasil

 18/01/2021 - Publicado há 1 ano  Atualizado: 26/01/2021 as 10:29
Enfermeira Mônica Calazans recebe a primeira dose da vacina contra o covid-19 – Foto: Govesp

Em um dia histórico, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou por unanimidade o uso emergencial das vacinas Coronavac (desenvolvida no Instituto Butantan) e AstraZeneca (Oxford/Fiocruz).

“Com a aprovação de ontem (17/1), abre-se a possibilidade de os gestores de saúde utilizarem a vacina para vacinar a população e, consequentemente, tentar reduzir o número de casos de covid-19”, comenta Esper Kallás, professor titular do Departamento de Moléstias Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina da USP, coordenador do Centro de Pesquisas Clínicas do Hospital das Clínicas e responsável pelos testes da vacina Coronavac, em entrevista ao Jornal da USP no Ar Primeira Edição. A redução de casos vai ajudar a diminuir a pressão existente no sistema público de saúde, gerando um impacto positivo no enfrentamento da pandemia.

Kallás explica que as reações apresentadas durante o estudo são típicas de qualquer vacina (leve dor no braço, mal-estar no dia seguinte à aplicação) e que não aconteceram eventos adversos graves associados ao uso da Coronavac, o que mostra uma boa tolerância entre os participantes. Essas características garantem a segurança e a eficácia da vacina do Instituto Butantan e o professor afirma que a Coronavac está entre as vacinas mais seguras já testadas por ele e sua equipe.

Vacinação

O plano delineado pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) é iniciar a vacinação com os mais idosos e, a partir disso, regredir até chegar aos mais novos. “A razão disso é porque todos esses grupos são selecionados pelo risco que apresentam de se expor ao vírus, tal como o exemplo dos profissionais de saúde e depois aqueles mais sujeitos a sofrerem com a doença, quer seja por ter uma condição que aumenta o risco disso acontecer, como as pessoas de idade, quer seja porque vivem em locais cujo acesso aos ambientes de saúde é muito limitado”, detalha o professor.

Todo o planejamento em torno dessa aprovação emergencial gira em torno da quantidade de doses a que o Brasil vai ter acesso, o que definirá como essa operação de vacinação em massa vai ocorrer. O Brasil conta com mais de 38 mil pontos de vacinação e é considerado um exemplo a ser seguido nesse quesito. Com o aumento progressivo da produção e a aprovação de outras vacinas, a tendência é de aumento na disponibilidade de doses.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.