Como era a primeira flor do planeta?

Bissexual, radialmente simétrica e cheia de tépalas. Assim era a primeira flor do planeta. Um estudo internacional que comparou flores existentes, fósseis e o maior conjunto de dados florais já montados aponta detalhes do que chamaram de flor ancestral.

 09/10/2017 - Publicado há 4 anos  Atualizado: 18/10/2019 as 11:33
Por

O reino das plantas, embora antigo e imenso, ainda não está bem definido. A história evolutiva das plantas continua esfíngica mesmo para questões mais preliminares, como por exemplo sua classificação. Até o século XX, mantinha-se a definição proposta por Aristóteles e Teofrasto, que dividia os organismos vivos em dois grandes grupos: plantas e animais. Mas a partir da segunda metade do século XIX, com o avanço das descobertas científicas, outros níveis hierárquicos foram incorporados e acomodaram melhor as espécies e suas relações ancestrais. Atualmente, as plantas são divididas entre as que têm – ou não – tecidos vasculares por onde circula a água (pteridófitas e briófitas, respectivamente) e as que têm ou não flores (angiospermas e gimnospermas, respectivamente).

A mãe de todas as flores

E foi na ancestralidade que um grupo internacional de botânicos da França, Áustria, EUA e Brasil conseguiu dar luz ao ainda misterioso passado da flor de angiosperma. Os pesquisadores utilizaram sofisticados métodos de análise da estrutura de flores existentes, de alguns fósseis existentes e de probabilidade para analisar o maior conjunto de dados florais já montados. O objetivo era responder à pergunta: como era a mãe de todas as flores? “Conseguimos inferir em 140 milhões de anos atrás. A gente não tem fósseis desse período”, conta Juliana sobre a flor proposta pela pesquisa.
[embedyt] https://www.youtube.com/embed?listType=playlist&list=PLAudUnJeNg4vtmz1ksU4QPk0L0BQhR_Ml&layout=gallery[/embedyt]

Juliana Ottra, botânica da USP e uma das autoras do artigo, conta como era sua estrutura, tamanho e órgãos reprodutores. Na playlist feita pelo Ciência USP, a cientista explica a complexidade das flores e faz paralelos entre plantas terrestres, gimnospermas até as angiospermas. Em um minuto e meio, ela também conta como é a estrutura floral e porque as flores são uma inovação evolutiva.

O artigo “The ancestral flower of angiosperms and its early diversification” foi publicado na revista Nature Communications.

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.