Foto: Zauberin via Pixabay / CC0

Maternidade Impedida

Relatos mostram o lado das mães que entregam os filhos em adoção

Juliana Martins conversou com mulheres grávidas abrigadas, juízes, psicólogos e assistentes sociais para compor sua pesquisa, que resultou na publicação de livro

26/07/2019

Reportagem: Fabiana Mariz

Por que, mesmo amando os filhos, algumas mulheres os entregam para a adoção? Essa foi uma das perguntas em que Juliana Martins se debruçou para realizar sua pesquisa de mestrado, feita no Instituto de Psicologia (IP) da USP.

No anos 2000, Juliana trabalhava em uma instituição que abrigava mulheres grávidas em situação de risco e vulnerabilidade social quando conheceu Mayara e Dafne*. As duas procuraram o abrigo depois que foram expulsas de casa.

A pesquisadora retrata como essa instituição, que ela chamou de “Associação 1”, lida com situações como dessas duas mulheres, que se viram obrigadas e entregar seus filhos recém-nascidos para a adoção por outras famílias ou a instituições de abrigo.

Parte 1

Parte 2

Nessa entrevista, Juliana Martins relata mais detalhes sobre a sua pesquisa, que virou o livro Mulheres de Maternidade Impedida (ComArte, 2019). A obra faz parte da Coleção Universidade e Sociedade, que visa à publicação de pesquisas inéditas e voltadas aos problemas sociais brasileiros.

*os nomes foram modificados a pedido das entrevistadas

Mais informações: e-mail julian@usp.br, com Juliana Martins

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.

Arte: Moisés Dorado