Faltam recursos e arquitetura adequada em programa de moradia rural

Pesquisadores da USP em São Carlos discutem formação arquitetônica e social de assentamentos no extremo oeste paulista

  • 265
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: José Reynaldo da Fonseca/Wikimedia Commons

.
Uma linha de pesquisa traz estudos sobre programas de habitação sob um viés pouco abordado, analisando a efetividade desses projetos em assentamentos rurais.
 O Grupo de Pesquisa em Habitação e Sustentabilidade (HABIS), vinculado ao Instituto de Arquitetura e Urbanismo (IAU) da USP, em São Carlos, pautou a produção gráfica de mapas e pranchas arquitetônicas de três assentamentos no oeste paulista. Eles concluíram que o programa de habitação rural do governo ainda é deficitário em pontos estratégicos para garantir a cidadania dos moradores: o orçamento liberado é escasso e o projeto arquitetônico das casas deve ser aprofundado. Apesar das falhas, no estudo são apontadas alternativas viáveis para solucionar os problemas apresentados. 

O grupo de pesquisadores baseou sua pesquisa nos assentamentos Dona Carmen, Boa Esperança e Florestan Fernandes. A intenção era avaliar se a cidadania é garantida em territórios contemplados pelo Programa Nacional de Habitação Rural, além das questões arquitetônicas das casas construídas a partir do financiamento adquirido. A partir do estudo, nasceu a pesquisa Produção do PNHR nos assentamentos rurais do estado de SP: inserção territorial e avaliação arquitetônica, construtiva e tecnológica.

+ Mais

Revista “Pós” traz pesquisas nacionais e internacionais em arquitetura e urbanismo

Nova edição da revista “Risco” traz arquitetura, urbanismo e política

Os pesquisadores avaliaram quatro eixos principais. São eles a questão agrária no oeste paulista; infraestrutura, serviços e equipamentos públicos; programa, projetos e produção habitacional – analisando o PNHR. Por fim, a produção da agricultura camponesa.

Rodolfo Sertori, um dos responsáveis pelo estudo, compartilhou suas explicações sobre as falhas que esses programas apresentam.

O PNHR integra o Minha Casa Minha Vida e funciona de forma parecida. As famílias recebem um subsídio para construir ou reformar suas moradias, podendo receber terras desapropriadas ou negociá-las com empréstimos. Os grupos interessados devem ser representados por uma sociedade organizadora sem fins lucrativos.

Os produtores recebem aproximadamente metade do valor oferecido pelo programa na cidade – são, no total, 38.500 reais para o morador da zona rural, contra mais de 72 mil do Minha Casa Minha Vida. Quem tem contato com valores de construção sabe que essa quantia pode ser falha para concluir a obra prevista – e isso está diretamente relacionado aos problemas encontrados pelos pesquisadores. Em especial, se liga ao terceiro eixo do estudo.

A partir desse modelo, eles chegaram ao que consideram dois aspectos de falha no sentido técnico. O valor não é o suficiente para construir uma casa com todos os recursos necessários. A consequência é a eliminação de etapas construtivas importantes, como a construção de varandas ou instalação de ladrilhos nos banheiros, além da utilização de materiais de qualidade inferior.

O grupo também avalia que as plantas das casas não são adaptadas para a zona rural. O PHRN não financia a etapa inicial de projeto e orçamento. Assim, resta aos beneficiários tomar os projetos urbanos para sua própria moradia, sem acompanhamento de um profissional arquiteto.

Questionamentos constantes

Para Sertori, os resultados trazem novos questionamentos. O debate do direito à cidade é mais atual que nunca. Mas nos assentamentos a lógica não é a mesma que em metrópoles como São Paulo, e consequentemente são deslocados desse modelo.

Por isso, o campo recebe uma lógica de serviços públicos similar à da cidade: exemplos práticos envolvem desde a cobrança de energia e água até a separação do território para gerar essas contas. Sua avaliação é de que é preciso estudar o campo e aplicar medidas próprias para esse território.

Ele sugere que se discuta para além do planejamento urbano, substituindo-o pelo planejamento territorial. Esse conceito extrapola a separação entre a cidade e o campo, estudando suas especificidades e unindo a arquitetura ao ambiente rural.

.
Analise tecnológica do assentamento
Florestan Fernandes / HABIS/IAU-USP

[Clique na imagem para ampliar]
.

.
Organograma explica o funcionamento do PNHR / HABIS/IAU-USP
[Clique na imagem para ampliar]
.

.
Mas por que os pesquisadores chegaram a essa conclusão? Ele defende medidas para além das tradicionais infraestruturas fornecidas pelo município.

“Em termos de políticas públicas, a dinâmica de vida e trabalho demonstra que certas infraestruturas são caras e não se resolve pensando na escala do assentamento.” São cerca de milhões de reais investidos para adaptar certos modelos, como a abertura de poços artesianos ou instalação de energia elétrica nos assentamentos.

Ele reforça que isso não é desculpa para a falta de estruturas essenciais, mas um desafio para profissionais pensarem em soluções mais viáveis nos âmbitos sociais, ambientais e econômicos. “Isso nos fornece uma brecha para pensar em novas soluções pensando em escalas menores. Não se deve tratar o assentamento na lógica de um bairro.”

+ Mais

Arquitetura e cidade estão em debate na revista “Pós”

Para o pesquisador, a incorporação de serviços básicos seria mais simples e funcional se aplicada a partir da escala dos próprios lotes que compõem o assentamento. Ele cita certos exemplos que chamam a atenção. Apesar da presença de poços coletivos, várias famílias complementam seu próprio abastecimento de água, tanto para a casa quanto irrigação da produção agrícola. Outras instalam cataventos e placas solares para fornecimento de energia.

“Estamos acostumados a solucionar a demanda por infraestrutura a partir do que já se tem nas áreas urbanas. As áreas rurais vão mostrar que há alternativas.”

A pesquisa será apresentada e discutida no  primeiro Seminário Regional do Habitat Rural: moradia, produção e a questão agrária no oeste paulista. O evento acontecerá nos dias 28 e 29 de março no Auditório Jorge Caron, da USP São Carlos (R. Miguel Petroni, 168-178 – Jardim Bandeirantes, São Carlos – SP). No evento, serão debatidos os resultados.

Mais informações: e-mail r046271@gmail.com, com Rodolfo Sertori

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 265
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados