Florestan em frente ao Congresso Nacional em 1988, durante a constituinte - Foto: Cia da Memória

A sociologia militante de Florestan Fernandes

Além de grande intelectual, Florestan também foi um importante articulador político engajado em causas sociais

Por: Maria Laura López
Arte: Moisés Dorado

Pensada a partir do conceito de intelectual orgânico, criado pelo filósofo italiano Antonio Gramsci (1891-1937), a trajetória de vida de Florestan Fernandes (1920-1995) também pode ser analisada pela perspectiva de um intelectual que se manteve ligado à sua origem social. Para além de sociólogo e professor, Florestan foi ainda um grande militante, cujas lutas e conquistas são percebidas até hoje. “Ele foi sobretudo um grande acadêmico. O que não quer dizer que ele fosse uma figura avessa às questões sociais e à atuação política”, afirma a professora Maria Arminda do Nascimento Arruda, diretora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP. No próximo dia 22 de julho, completa-se o centenário do nascimento de Florestan – data que o Jornal da USP está celebrando com uma série de reportagens. 

Para a diretora, o diferencial da sociologia de Florestan está na forma como ele trata o processo de modernização no Brasil. “Ele faz uma interpretação da modernização brasileira a partir de um lugar, que era o seu lugar de origem social, que podemos chamar genericamente de camadas populares”, explica ela.

Também segundo Haroldo Sereza, doutor pela FFLCH e autor de Florestan: A Inteligência Militante, o engajamento do sociólogo possui essa base, embora ele tenha tido diversas fases de aproximação e distanciamento da militância. “O próprio Florestan diz que sempre identificou uma relação com os movimentos populares por causa da sua infância na pobreza, embora sua atuação política comece realmente nos anos 1940, quando ele entra na USP”, afirma Sereza.

Maria Arminda - Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

Maria Arminda - Foto: Marcos Santos/USP Imagens

“Ele faz uma interpretação da modernização brasileira a partir de um lugar, que era o seu lugar de origem social, que podemos chamar genericamente de camadas populares”

Foi nessa época, mais especificamente em 1943, que Florestan conheceu Hermínio Sacchetta, diretor de redação da Folha da Manhã e militante do Partido Socialista Revolucionário (PSR). “O PSR, partido para o qual Florestan entra em 1945, era uma racha trotskista do Partido Comunista Brasileiro (PCB). A partir daí, ele tenta equilibrar sua carreira acadêmica e sua atividade partidária”, diz Sereza. No entanto, com o aumento das responsabilidades docentes, a dedicação política do militante foi diminuindo e ele acabou optando pelo trabalho na Universidade. Lá, esse seu lado acabou aparecendo mais em suas pesquisas, como a feita nos anos 1950 sobre a questão racial.

“Esses foram os primeiros momentos de aproximação que Florestan teve com a militância. Outro momento acontece já no início dos anos 1960, que é quando ele se engaja definitivamente em uma campanha popular, a defesa da escola pública”, conta Sereza. Segundo ele, o sociólogo atuou fortemente em defesa de um projeto de reforma educacional que priorizasse a escola pública. “Nesse momento, Florestan se descobre como um intelectual que participa das causas sociais. Então ele chega em 1964 como uma figura pública, em defesa das causas sociais e tendo alguma proximidade com certos partidos de esquerda.”

Assim, no início da ditadura civil-militar o professor já era razoavelmente vigiado, e essa tensão só foi aumentando com o tempo. “Começa uma agitação na Universidade de São Paulo, Florestan vai se posicionar muitas vezes do lado dos alunos e, depois do Ato Institucional n°5, em dezembro de 1968, ele é caçado pela ditadura e aposentado compulsoriamente”, afirma Sereza. A partir daí, o sociólogo perde o vínculo com a Universidade e passa a ter um engajamento quase que exclusivo com os movimentos sociais. “Nesse período ele sai do Brasil, e começa a publicar textos ainda mais marcados pelo marxismo. E é em 1975 que ele publica sua obra mais importante: A Revolução Burguesa no Brasil.”

Haroldo-Sereza

Haroldo Sereza - Foto: Arquivo pessoal

“O próprio Florestan diz que sempre identificou uma relação com os movimentos populares por causa da sua infância na pobreza. Embora sua atuação política comece realmente nos anos 1940, quando ele entra na USP”

Mais envolvido no debate político imediato e com grande reconhecimento devido aos seus trabalhos anteriores, Florestan volta ao Brasil para dar aulas na PUC de São Paulo. Ele publica um livro intitulado O Que é revolução? e passa a ser frequentemente chamado para debater com os movimentos de esquerda. “Por isso, em 1981, ele acompanha de perto a formação do Partido dos Trabalhadores (PT), da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e, pouco depois, do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST)”, diz Sereza. Tais acontecimentos parecem prever a década de 1980 na vida de Florestan, marcada por uma intensa militância em prol dos movimentos sociais.

Florestan discursa em reunião dos Partidos dos Trabalhadores - Foto: Paula Simas

“Ele participa de todas as campanhas sociais nesse período, mas como um militante solitário, sem partido. Até que em 1986 o PT convida Florestan a disputar uma vaga para a Assembleia Constituinte”, afirma Sereza. De acordo com ele, toda a agitação feita pelo sociólogo ao longo dos anos 1980 faz com que ele seja um dos deputados mais votados do PT, e um dos mais radicais também. “Em 1960, ele é alguém que acredita nas reformas e na transformação através delas. Mas, como isso é barrado pela ditadura de uma maneira autoritária, a posição dele se radicaliza.”

Florestan atua na Constituinte especialmente nas pautas de educação e direitos humanos. Seu primeiro mandato como deputado é marcado principalmente por esse papel na Constituinte. Reeleito em 1990, ele já chega um pouco doente e com menos votos que na primeira eleição, sua atuação nesse momento é bem mais discreta. “Uma das coisas que ele mantém é a briga por políticas afirmativas, porque isso não ficou bem resolvido na Constituição de 1988 e ele quer retomar em 1993”, diz Sereza. Segundo ele, Florestan fez isso contrariando uma decisão do partido, pois dizia que tinha um dever com o movimento negro.

Nesse sentido, é possível perceber que o engajamento político de Florestan é muito voltado para as questões sociais com que ele já tinha tido contato, principalmente como sociólogo. “Acho que a grande lição de Florestan é a dialética do pesquisador que se engaja contra as injustiças que ele encontra e a favor da transformação social”, afirma Sereza. Assim, a militância aparece como inerente à sociologia, ainda que possa ser praticada de formas diferentes. “Para ele, ela precisa ter algum grau de engajamento e compromisso com a transformação da sociedade.”

O texto acima, “Florestan Militante”, é o terceiro da série de reportagens Florestan 100 Anos, produzida pelo Jornal da USP em comemoração ao centenário de nascimento do sociólogo e professor da USP Florestan Fernandes (1920-1995), a ser completado no dia 22 de julho de 2020.

No dia 10 de julho, sexta-feira, será publicada uma entrevista em vídeo inédita do ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso, ex-aluno de Florestan Fernandes, sobre o sociólogo.

O primeiro texto da série Florestan 100 Anos, “Florestan Professor”, está disponível através deste link.

O segundo texto da série Florestan 100 Anos, “Florestan Sociólogo”, está disponível através deste link.

Especialistas dicutem a obra de Florestan em seminários on-line

O centenário do sociólogo Florestan Fernandes será comemorado com um ciclo de seminários virtuais promovido pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP. Os seminários ocorrerão nos dias 8, 15, 22 e 29 deste mês no canal da FFLCH na plataforma Youtube.

No dia 8, a abertura do evento será às 17 horas, com a participação da diretora da FFLCH, Maria Arminda do Nascimento Arruda, Rafael Valim, da Editora Contracorrente – que neste mês começa a republicar obras de Florestan -, e do jornalista Florestan Fernades Jr., filho do sociólogo. Às 17h30 começará a primeira mesa do ciclo, que terá como tema A sociologia de Florestan Fernandes e contará com a participação dos professores Elide Rugai, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Maria Arminda do Nascimento Arruda, e  Alejandro Blanco, da Universidade Nacional de Quilmes, na Argentina.

No dia 15, às 17h30, a mesa 2 terá como tema Ciência e Política em Florestan Fernandes. Ele será debatido pelos professores Silvio Almeida, da Universidade Presbiteriana Mackenzie, de São Paulo, Lincoln Secco, do Departamento de História da FFLCH, e Eliane Veras, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Já no dia 22 – dia exato do centenário de Florestan -, também às 17h30, um dos principais livros do sociólogo A Revolução Burguesa no Brasil será debatido pelos professores Gabriel Cohn, Brasílio Sallum – ambos do Departamento de Sociologia da FFLCH – e Antonio Brasil, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na mesa 3 do ciclo, que terá como tema A Revolução Burguesa no Brasil, Ontem e Hoje.

A quarta e última mesa do ciclo, no dia 29, às 17h30, abordará Da integração do negro na sociedade de classes à revolução burguesa no Brasil, com a participação dos professores Lilia Schwarcz, do Departamento de Antropologia da FFLCH, Jessé Souza, da Universidade Federal do Grande ABC (UFABC), e Mário Medeiros, da Unicamp.

Ciclo de Seminários Centenário Florestan Fernandes, promovido pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, acontece nos dias 8 (às 17 horas), 15 (às 17h30), 22 (às 17h30) e 29 (às 17h30) de julho, no canal da FFLCH no Youtube.


.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.