Indústria 4.0: internet das coisas agiliza exportação nos portos brasileiros

Sistema será apresentado no evento Strategic Workshops, promovido pela Pró-Reitoria de Pesquisa, que contará com a abertura de Marcos Pereira, ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn1Print this pageEmail
Lacre eletrônico com chip do sistema Canal Azul - Foto: Cecília Bastos/Usp Imagens
Chip desenvolvido na Poli foi adotado oficialmente pelo Ministério da Agricultura para o rastreamento de cargas portuárias. Acoplado aos contêineres, transmite informações sem fio a um sistema eletrônico que elimina documentação em papel, reduzindo mão de obra, tempo e custo do processo de exportação – Foto: reprodução/Rede Globo

A burocracia nos portos brasileiros tem sido um entrave às exportações. Um sistema de rastreamento da cadeia logística da carne bovina que agiliza o processo de exportação é uma das tecnologias que serão apresentadas no Strategic Workshops: Iniciativas 4.0 – Aplicações de Internet das Coisas no Agronegócio, Saúde e Indústria. O evento será promovido pela Pró-Reitoria de Pesquisa (PRP) da USP e acontecerá dia 30 de agosto, a partir das 8h30, na Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, na Cidade Universitária, em São Paulo. A abertura será feita pelo ministro Marcos Pereira, da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

A nova tecnologia de rastreamento começou a ser desenvolvida na Escola Politécnica (Poli) da USP em 2008 por uma equipe de pesquisadores coordenada pelo professor Eduardo Dias, do Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas da Poli. O chip ficou em teste por três anos e em 2015 foi lançado pelo Ministério da Agricultura como sistema oficial da instituição, com a perspectiva de ser implantado em todo o território nacional. “A operacionalização do chip em escala comercial passará a ser feita a partir de agora”, afirma Dias.

O Canal Azul (Sistema de Informações Gerenciais do Trânsito Internacional de Produtos e Insumos Agropecuários) foi criado para modernizar o controle das exportações, reduzindo em 72 horas o tempo médio do processo logístico da saída da carne bovina nos portos brasileiros, explica Dias. “Nossa tecnologia reduz o custo Brasil”, se referindo às dificuldades estruturais, burocráticas e econômicas que encarecem o investimento no Brasil.

Chip de rastreamento

O Canal Azul é um processo eletrônico de exportação e importação de mercadorias agropecuárias que elimina documentos em papel e confere agilidade na liberação de cargas. O sistema foi testado em exportações de carnes nos portos de Paranaguá, Itajaí e Santos e reduziu em cerca de 72 horas o tempo médio entre o carregamento dos contêineres na indústria e o embarque nos navios, o que representou corte significativo nos custos de logística de transporte e armazenagem.

Eduardo Mário Dias, professor da Poli Elétrica - Foto: Cecília Bastos/Usp Imagens
Professor Eduardo Dias, coordenador do projeto que desenvolveu o sistema de rastreamento de logística de carne bovina em portos brasileiros – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

Segundo Dias, que será um dos mediadores do Strategic Workshops, a proposta do evento é fazer discussões que explorem as mudanças da sociedade à luz da quarta revolução industrial. Além do software de rastreamento, o evento apresentará também o desdobramento dessa plataforma: o Fronteira Azul- outro projeto da Poli com tecnologia voltada para a desburocratização das negociações da exportação no comércio internacional.

Nossa tecnologia reduz o custo Brasil.

Além do sistema Canal Azul, serão apresentadas outras soluções já aplicadas no Brasil e no exterior pelas empresas dos setores de engenharia de automação e sistemas de informação. São produtos e serviços que auxiliam as companhias a se prepararem para a jornada da quarta revolução industrial, com economia com forte presença das tecnologias digitais.

Strategic Workshops

A série Strategic Workshops foi criada com o objetivo de incentivar a organização da pesquisa na USP em torno de temas estratégicos, fomentando abordagens transdisciplinares e a interação entre pesquisadores de diferentes unidades da USP. A série é feita em parceria com o Instituto de Estudos Avançados (IEA) e conta com o apoio da Academia de Ciências do Estado de São Paulo (Aciesp).

A edição “Sasi 4.0: Aplicação na internet das coisas no agronegócio, saúde e indústria” está sendo organizada em parceria com o Grupo de Automação e Tecnologia de Informação (GAESI), da Poli. A condução dos debates será feita pelos professores Eduardo Dias e Antônio Massola, ambos da Poli.

Nas outras edições do Strategic Workshops foram abordados os seguintes temas: “Nanotecnologia: Cenário Atual, Inovação e Marco Regulatório”; “Governança, Risco e Compliance”; “Agricultura: Desafios e Oportunidades na Revolução Azul Brasileira”; “Bioeconomy”; “Energia, Sensoriamento e Meio Ambiente: a Eletroquímica na USP”, dentre outros.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn1Print this pageEmail

Textos relacionados