Doutorando da USP São Carlos vence Prêmio Jovem Químico Cientista

A técnica premiada monitora, em tempo real e por meio de imagens, como as reações químicas ocorrem em superfícies

  • 248
  •  
  •  
  •  
  •  
O pedido de patente da nova técnica está sendo conduzido pela Agência USP de Inovação – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

.
O pesquisador Lucyano Jefferson Alves de Macedo, doutorando no Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da USP e bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), foi o ganhador do Prêmio Jovem Químico Cientista de 2018.

Este é o primeiro ano que a Metrohm Brasil concede o prêmio, com valor de R$ 5 mil. A premiação foi realizada na cerimônia de abertura do 19° Encontro Nacional de Química Analítica, em 16 de setembro, em Caldas Novas (GO).

Lucyano desenvolve desde o mestrado – no qual teve bolsa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) – estudos sob supervisão do professor Frank Nelson Crespilho, coordenador do Grupo de Bioeletroquímica e Interface do IQSC.

Segundo os organizadores do prêmio, o estudo de Lucyano consiste em uma nova técnica que monitora, em tempo real e por meio de imagens, como as reações químicas ocorrem em superfícies.

Lucyano Jefferson Alves de Macedo (à esq.) – Foto: Divulgação

Com a técnica é possível identificar, por exemplo, a transformação de um fármaco dentro de uma célula viva, ver a oxidação de compostos químicos relevantes para a indústria, observar como o DNA, as membranas lipídicas e as proteínas respondem ao ambiente químico, entre outras aplicações.

Empregando um método chamado de análise espectromicroscópica multiplex, o pesquisador desenvolveu um sistema capaz de construir mapas de infravermelho para monitorar um conjunto de reações eletroquímicas induzidas por eletrodos. A técnica foi batizada de EVSM (sigla em inglês para Eletroquímica Acoplada com a Espectromicroscopia de Infravermelho) e o pedido de patente está sendo conduzido pela Agência USP de Inovação.

“Sentimo-nos honrados em apoiar a próxima geração de cientistas. Fomentar o novo, reconhecer o jovem pesquisador, é uma forma de ajudar a comunidade científica”, disse Rogerio Telles, CEO da Metrohm Brasil.

O Prêmio Jovem Químico é aberto a estudantes de graduação, pós-graduação e doutorado que residem e estudam no Brasil e que realizam pesquisas e inovações na área de eletroquímica.

(Texto da Agência Fapesp disponível na íntegra neste link)

  • 248
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados