Reumatologia avança do laboratório aos leitos de hospitais

Professora da USP é uma dos 20 pesquisadores a compor Conselho Consultivo Internacional da revista “The Lancet”

jorusp

Reumatologista da Faculdade de Medicina (FM) da USP passa a integrar o Conselho Consultivo Internacional da revista The Lancet Rheumatology. A médica Rosa Maria Rodrigues Pereira, chefe do Departamento de Clínica Médica da FM e a única pesquisadora da América Latina a participar do conselho, desenvolve uma série de estudos que resultaram em mais de 270 artigos publicados e 60 prêmios. As pesquisas incluem osteoporose, vasculites sistêmicas e doenças reumáticas juvenis. 

“Compor esse grupo é muito importante, uma vez que são apenas 20 pesquisadores de todo o mundo, a maior parte deles da Europa ou dos Estados Unidos”, declara a médica ao Jornal da USP no Ar. The Lancet é uma das revistas acadêmicas mais tradicionais de medicina e lançou, neste primeiro semestre de 2019, seu braço de reumatologia, o The Lancet Rheumatology, para a qual colabora Rosa Maria. Mensal, o foco da publicação está nos estudos que avançam a prática clínica e defendem mudanças na política de saúde.

Se a pesquisadora conquistou um lugar dentro desse seleto Conselho Consultivo Internacional, foi por seu mérito acadêmico. Além da já extensa publicação, a professora ainda produz muito. Neste mês de junho, publicou no The Journal of Bone and Mineral Research, outro importante veículo científico, uma pesquisa relacionando as maiores densidades muscular e óssea com a menor mortalidade na população idosa com mais de 65 anos. “Os resultados apontam que a atividade física e a boa alimentação são fundamentais para uma terceira idade saudável e diretamente ligadas à longevidade”, explica.

Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

Rosa Maria conta que, ao longo dos últimos 20 anos, houve um avanço considerável no tratamento de doenças reumatológicas. A reumatologia trata de enfermidades que afetam o aparelho locomotor, normalmente de origem autoimune. “Não havia medicações biológicas. A evolução da pesquisa básica redirecionou a terapêutica desses quadros. O trabalho de bancada, de laboratório, hoje chega ao atendimento na beira do leito”, diz a professora.

“Conseguimos isolar os anticorpos específicos contra a proteína responsável por impedir a osteogênese, a reprodução do tecido ósseo. Isto no caso da osteoporose, que foi um sucesso. O êxito foi repetido com várias outras doenças, como vasculites, artrites reumatoides, condropatias”, esclarece a professora. Além disso, ela lembra do avanço dos diagnósticos por imagem, como a densitometria, que permite a medição da densidade óssea. “Não existia há 30 anos”, comenta.

Dessa maneira, a medicina atual oferece um tratamento personalizado para cada paciente, a depender das peculiaridades de seu quadro. “A reumatologia trabalha com um espectro de doenças muito grande. Existe desde a artrite idiopática juvenil, que pode acometer crianças com dois anos, até inflamações musculares ligadas à terceira idade”, afirma Rosa Maria. Ela argumenta que foi justamente a pesquisa básica, que busca as explicações na origem do conhecimento biológico, que permitiu a identificação e terapêutica dessas diferentes enfermidades.

Fora os tratamentos específicos das doenças reumatológicas, as intervenções médicas buscam controlar a dor e a fadiga crônica. “Além dos avanços funcionais, é fundamental considerar a qualidade de vida e a atividade laboral do paciente”, indica a médica.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •