Atividade física não é fator protetivo do agravamento da covid-19

Segundo Bruno Gualano, conforme a doença se agrava, a proteção gerada pelos exercícios físicos é reduzida e os fatores de risco se tornam determinantes para a evolução do quadro clínico

 03/02/2021 - Publicado há 8 meses
Por ser a covid-19 uma doença infecciosa, a prática de atividade física não necessariamente é benéfica ou garante o não agravamento do quadro clínico- Foto: Cecília Bastos / USP Imagens

A prática regular de atividade física não é fator determinante para evitar o agravamento da covid-19, informa estudo. Em caso de contaminação, os benefícios adquiridos pelos exercícios físicos diminuem conforme a doença se agrava e os fatores de risco se tornam preponderantes. A pesquisa foi realizada com cerca de 200 pacientes na faixa etária de 55 anos, majoritariamente com comorbidades e diferentes níveis de atividade física, internados no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e no Hospital de Campanha do Ibirapuera.

Em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição, o professor Bruno Gualano, do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da USP e especialista em Fisiologia do Exercício, explica que, conforme a covid-19 se agrava, a proteção do exercício físico é reduzida e os fatores de risco se tornam preponderantes, como a idade avançada e doenças crônicas já associadas aos quadros graves da infecção. “A prática de atividade física confere certo benefício para o paciente leve. No entanto, na medida em que a doença evolui, essa proteção diminui e aumenta a contribuição de outros fatores que já são conhecidos.”

A prática de exercício físico é favorável e colabora para a boa evolução do quadro clínico de diversas doenças e na abreviação do tempo de hospitalização e de internação em Unidade de Terapia Intensiva. Já no caso da covid-19, por ser uma doença infecciosa, o estudo verificou que a prática de atividade física não necessariamente é benéfica ou garante o não agravamento do quadro clínico: “O exercício físico diminui a prevalência das condições crônicas associadas ao agravamento da covid-19, porém, não é um elixir. O exercício físico regular não confere proteção absoluta ao paciente com covid-19, o tal do histórico de atleta não está imune à doença e seus efeitos”, informa o especialista.

Para Gualano, a atividade física é importante para reduzir fatores de risco que não só podem agravar a covid-19, mas também outras doenças. Contudo, é importante não associar a prática com uma suposta imunidade plena à covid-19. Atletas profissionais geralmente são acometidos por quadros leves da infecção, o que está atrelado ao alto nível de atividade física, alimentação regrada e estilo de vida saudável, diferente da população em geral. “Não podemos nos comparar a esses atletas. Não somos atletas profissionais e não podemos tomar como verdadeiro o que acontece com eles. Não existe fator protetivo absoluto contra o agravamento da covid-19. O estilo de vida em si não é um fator de proteção absoluto”, finaliza.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.