Série Produtor Rural lança três novas edições

Últimas edições abordam Mercado de biscoito, Agroquímicos, e Biorreguladores. Série está disponível na internet

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
Todas as edições da Série Produtor Rural podem ser adquiridas ou baixadas gratuitamente em formato pdf via site da Biblioteca da Esalq – Foto: Gerhard Waller / Esalq

Editada pela Divisão de Biblioteca da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba, a Série Produtor Rural tem três novos títulos: Biorreguladores na agricultura (edição especial), Agroquímicos estimulantes, extratos vegetais e metabólicos microbianos na agricultura (edição n. 63) e Avanços e perspectivas mediante aos atos normativos nacionais e internacionais para o mercado de biscoito (edição n. 64). Todas as edições da Série Produtor Rural podem ser adquiridas ou baixadas gratuitamente em formato pdf via site da Biblioteca da Esalq.

 

Biorreguladores na agricultura

Edição sobre Biorreguladores na agricultura

O biorregulador é um composto orgânico que, aplicado nas plantas em pequenas concentrações, promove, inibe ou modifica processos morfológicos e fisiológicos das plantas. Na edição, é abordada a aplicação desses compostos na fruticultura, olericultura, plantas ornamentais e em cultivos anuais e perenes, com informações sobre 36 culturas agrícolas (abacaxizeiro, bananeira, caquizeiro, citros, macieira, mamoeiro, mangueira, oliveira, pereira, pessegueiro, videira, aipo, alcachofra, alface, batata, berinjela, cebola, cucurbitáceas, morangueiro, pimentão, tomateiro, azaleia, begônia, bico-de-papagaio, calceolaria, crisântemo, algodoeiro, arroz, cafeeiro, cana-de-açúcar, eucalipto, pinus, seringueira, soja, tabaco e trigo).

A autoria é de Paulo Roberto de Camargo e Castro, professor sênior do Departamento de Ciências Biológicas da Esalq, em coautoria com os pós-graduandos Diego Kitahara Araújo, Bruno Geraldi Angelini e Ana Carolina Cabrera Machado Mendes, ambos do Programa de Pós-Graduação em Fisiologia e Bioquímica de Plantas.

 

Agroquímicos estimulantes, extratos vegetais e metabólicos microbianos na agricultura

Edição sobre agroquímicos

Agroquímicos estimulantes diferem dos pesticidas e herbicidas por provocarem baixo impacto e toxidez, mas mostram-se capazes de promover efeitos importantes nas plantas de forma a alterar o desenvolvimento e a produtividade do cultivo. Os principais são os biorreguladores, bioestimulantes e bioativadores, além dos agroquímicos fitotônicos. Esse título caracteriza e exemplifica a ação desses quatro grupos.

Com autoria de Paulo Roberto de Camargo e Castro, professor sênior do Departamento de Ciências Biológicas da Esalq, em coautoria com os pós-graduandos Bruno Geraldi Angelini e Ana Carolina Cabrera Machado Mendes, (ambos do PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas), Maressa Caldeira Morzette (PPG Ciência e Tecnologia de Alimentos) e Leila Priscila Peters (PPG Genética e Melhoramento de Plantas).

 

Avanços e perspectivas mediante aos atos normativos nacionais e internacionais para o mercado de biscoito

Edição sobre o Mercado de biscoito

Por ser considerado um alimento versátil, os biscoitos são produtos que alcançam consumidores de diversas regiões, faixas etárias e classes sociais. Assim, frente a essa representatividade, essa cartilha realiza análise crítica dos atos normativos brasileiros e internacionais vigentes para o mercado de biscoitos, com destaque aos aspectos de identidade e qualidade, restrições e recomendações pertinentes. De modo geral, observou-se que os Órgãos Regulatórios e comissões, como a União Europeia e a Comissão do Codex Alimentarius, apresentaram atos normativos mais generalistas, os quais foram empregados como referências para a elaboração dos atos normativos brasileiros. Entretanto, este fato é importante para padronização da comercialização dos alimentos, evitando-se barreiras técnicas. Tratando-se da legislação brasileira, não se encontrou Padrão de Identidade e Qualidade (PIQ) vigente para biscoitos. Vale ressaltar que a falta deste parâmetro pode comprometer toda a cadeia produtiva, visto que aspectos como qualidade alimentar, conformidades de produção e fiscalização estão envolvidos.

Assinam a publicação Gilma Lucazecchi Sturion, professora do Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição, Nataly Mara Viva de Toledo, Natalia Dalloca Berno, ambas pós-graduandas do PPG Ciência e Tecnologia de Alimentos, e Roberta Doriguello Fonseca, mestranda do Departamento de Melhoramento Genético Animal da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA) da USP, em Pirassununga.

Mais informações: publicacao.esalq@usp.br

Da Assessoria de Imprensa da Esalq

 

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados