Centro de Práticas Esportivas da USP reabre pista de atletismo

A reabertura da pista de atletismo do Centro de Práticas Esportivas da USP aconteceu no dia 8 de junho, com a realização de uma cerimônia de reinauguração e uma competição de corrida.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
Visão áerea da pista durante a reforma …

Bons saltos, arremessos e corridas. Tudo isso poderá ser feito na pista de atletismo e equipamentos do Centro de Práticas Esportivas (Cepe) da USP destinadas à prática destas modalidades, que acabou de ser reformada e reconstruída com recursos oriundos da Lei Federal de Incentivo ao Esporte, captados junto às empresas CCR e Banco Itaú, além de verbas complementares da própria USP.

Esta pista tem como objetivos ser um incentivo à prática de atletismo, sendo mais uma alternativa de atividade física e promoção da saúde na Universidade; e colaborar com o país no contexto da realização de megaeventos esportivos como os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, proporcionando local de treinamento para os atletas nacionais e também um local de aclimatação para os internacionais, com intercâmbio antes, durante e após o evento. E, para isso, o Cepe já está analisando parcerias com Confederações de países como Itália e Suíça.

…e após

A pista tem 400m com seis raias e áreas de saltos e lançamentos construídos em concreto com revestimento em resina de poliuretano como acabamento, com área total de piso sintético de 5.928,06 m2. Piso sintético para atletismo, de alta resistência sem juntas ou emendas, composto de duas camadas. O piso acabado tem espessura de 13 mm, apresentando uma superfície granular de alto relevo. A camada superior é de grânulos vermelhos de borracha EPDM, com diâmetro de 1 a 4 mm, que são ancorados à camada inferior por revestimento de poliuretano bicomponente na cor vermelha, e de alta resistência às intempéries e a raios UV.

Com uma pista com estas características e qualidade, a USP se enquadra nos padrões de qualidade olímpico. No Estado de São Paulo, por exemplo, há poucas com estes padrões. Na Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) da Universidade Estadual Paulista (Unesp), no campus de Presidente Prudente, há uma pista de atletismo com seis raias revestida com piso da Recoma, vestiário, laboratórios e almoxarifado para a guarda de material esportivo, que é utilizada para o desenvolvimento de atividades acadêmicas envolvendo docentes e discentes dos cursos de Educação Física e de Fisioterapia da Unidade, bem como para o desenvolvimento de projetos de extensão universitária voltados à formação de atletas de base. Além disso, há atletas olímpicos e paralímpicos que utilizam a infraestrutura esportiva da pista para treinamento.

Festa

Para comemorar a reforma da pista, foi realizada uma cerimônia no dia 8 de junho, na manhã de um sábado ensolarado, com a presença de funcionários do Cepeusp, dirigentes ligados ao esporte, atletas da USP e olímpicos, como Marilson Gomes dos Santos e Adriana Aparecida da Silva. O diretor do Cepeusp, Carlos Bezerra de Albuquerque, deu as boasvindas e adiantou que a pista receberá nova iluminação, área gramada e cercamento, até meados de 2014. Falou da Lei de Incentivo, e disse esperar que, com esta pista, a comunidade universitária pratique mais esportes, se socialize; que os professores realizem pesquisas; e os atletas de fora também treinem nesta “nova arena de competição e fomento à prática esportiva”, ressaltou.

Dirigentes da USP e de outros órgãos ligados ao esporte, além de atletas olímpicos, prestigiaram a reabertura da pista

Em 21 de outubro de 1972, foi inaugurada a pista original que, agora, com a reforma passará a se chamar Prof. Antônio Boaventura da Silva – o primeiro diretor do Cepeusp, nomeado em 1972, e faleceu em 16 de junho de 2005, aos 90 anos. A sua filha, Lizete Fleury Silva, compareceu à cerimônia para agradecer a homenagem feita ao seu “Boa”, como seu pai era conhecido.

“Espero que esta pista possa trazer mais medalhas e inclusão social”, desejou a secretária estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência e docente da Faculdade de Medicina da USP, Linamara Rizzo Battistella, representando o governador Geraldo Alckmin no evento. Aproveitando a ocasião, a secretária adiantou que o futuro Centro Paralímpico Brasileiro terá ajuda do Cepeusp – que será construído e entregue até o final de 2014 em uma parceria do Governo Federal e o Estadual, com 14 modalidades, incluindo remo e vela. Linamara ressaltou a importância da USP no cenário nacional e também na área esportiva, além de recordar da época que trabalhou na Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) e teve como chefe o professor “Boa”, o qual “tinha amor à profissão”.

Atletas da USP junto com Marilson Gomes dos Santos (o terceiro da esq. p/ dir.) testam a pista

O ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, destacou que os próximos eventos esportivos que serão sediados no Brasil, a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, mostramse como “oportunidades para o país melhorar as suas qualidades e superar suas deficiências”. Porém, segundo Rebelo, o Brasil ainda tem o desafio de incentivar e promover mais o esporte, já que “dois terços dos Estados do país ainda não tem uma pista olímpica como essa da USP, a qual deve servir ao esporte em todas as dimensões: educação, lazer, entretenimento, inclusão social e alto rendimento, servindo de maneira multidisciplinar dentro da Universidade”.

“O esporte é o meio mais efetivo de inclusão que conhecemos no mundo contemporâneo. E, este momento de reabertura desta pista é especial, porque assim como o Cepeusp, esta pista é também uma sala de aula a céu aberto que usei bastante [por ser docente da EEFE]”, afirmou o chefe de gabinete da Reitoria, Alberto Carlos Amadio, representando o reitor João Grandino Rodas na cerimônia.

Amadio aproveitou para falar sobre o Programa “A USP nos Jogos Olímpicos e Jogos Paraolímpicos 2016”, lançado no final de 2010, do qual é o coordenador geral, e que prevê ações para aprimorar o desempenho de atletas olímpicos e paralímpicos e também revelar talentos entre a comunidade acadêmica com recursos próprios da Universidade, pois, “a USP pode revelar seus valores não só na área científica, nas artes, mas também nos esportes”, finalizou.

Cerca de 170 alunos fizeram inscrição para conhecer o espaço e participar de competição na pista

Competição

Após a cerimônia, uma competição de corrida organizada pela Liga Atlética Acadêmica da USP (Laausp), marcou a reabertura da pista. Pelo site da Liga, cerca de 170 alunos fizeram inscrição para conhecer o espaço e participar da disputa denominada Copa USP.

Durante a reforma, os praticantes das modalidades de atletismo do Cepeusp passaram a usar a raia olímpica como alternativa. E, a Laausp resolveu não promover e realizar atividades de atletismo, por causa dos custos de aluguel e de locomoção de uma pista fora do campus da Cidade Universitária. Agora, com a reabertura, a Liga pretende aumentar o número de atletas de atletismo, pois “uma pista com esta infraestrutura estimula os alunos a treinarem e participarem das competições”, afirma a presidente da Laausp e aluna do curso de Relações Públicas, Stela Faustino.

(Fotos: Divulgação e Ernani Coimbra)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados