Artigo mostra as contribuições transformadoras das artes para estudantes de medicina

Para os autores do texto publicado na “Revista de Medicina”, debater artes durante a graduação pode ser uma forma criativa de desenvolver novas percepções e perspectivas para os futuros médicos

 28/06/2022 - Publicado há 2 meses

Os pesquisadores analisaram os benefícios e o enriquecimento que a arte proporciona aos estudantes de graduação da área, tendo como ponto de partida a criação do Programa Extracurricular de Aperfeiçoamento Global de Estudantes de Medicina (GIPMS) da Universidade de Fortaleza – Foto: Pixabay


Margareth Artur/Portal de Revistas da USP

Medicina e arte são duplas improváveis? Pelo contrário, a multidisciplinaridade é uma característica do mundo moderno aplicada em várias situações, assuntos e contextos. A complexidade humana repousa, justamente, na união de pensamentos, conceitos, teorias e sentimentos diferentes, e, muitas vezes, aparentemente, opostos. Esse é o tema do artigo publicado na Revista de Medicina, cujos autores propõem um olhar inovador para a questão. Para eles, “debater artes durante a graduação pode ser uma forma criativa de desenvolver novas percepções e perspectivas para estudantes de medicina“, mas aliar o conhecimento técnico médico às artes e estimular “atividades físicas em um ambiente lúdico continua sendo um desafio“.

Os autores analisaram os benefícios e o enriquecimento que a arte proporciona aos estudantes de graduação da área, tendo como ponto de partida a criação do Programa Extracurricular de Aperfeiçoamento Global de Estudantes de Medicina (GIPMS) da Universidade de Fortaleza, que incluiu encontros abrangendo diversas inspirações artísticas. Participaram do programa 15 homens e 25 mulheres, durante um ano, resultando em ação inovadora na qual se trabalharam sentimentos, reflexões, conquistas, medos e superação que estimularam mudanças importantes no comportamento do futuro médico, na medida em que se humanizou a relação médico-paciente.

Foram realizados 61 encontros, com duração de duas horas cada, entre 2015 e  2016. As artes escolhidas como estímulos para os alunos foram: cinema, teatro/encenação, pintura, música, fotografia e artes plásticas, sendo apresentadas a cada 45 dias.

O projeto proporcionou aos participantes o desenvolvimento de ideias, sentimentos e lembranças, além da constatação da relevância da “ligação entre as artes e a vida e a produtividade acadêmica”, resultando em ações transformadoras, “proporcionadas pelos estímulos artísticos” aplicados. Artes como o teatro e a fotografia, por exemplo, são instrumentos de reflexão sobre a realidade e as questões humanas, auxiliando no nascimento de uma visão de mundo mais ampla, mais interessante, com mais lazer e menos estresse.

Segundo o artigo Belas artes para estudantes de medicina: motivando debates transformadores, a educação médica não prescinde da capacitação do profissional em escutar, em desenvolver a sensibilidade para discernir o melhor tratamento para a doença, atentando para sua fala, suas expressões, levando em conta suas realidades sociais e econômicas, enfim, enxergando o paciente a partir de seu contexto, “para além de suas condições clínicas, em um modelo de atenção integral centrado na pessoa que adoece“. Para haver uma atenção plena é urgente que a formação dos estudantes de Medicina inclua desafios como introduzir, por exemplo, a arte no cotidiano das salas de aula, já que novas necessidades se apresentam indispensáveis para a formação integral do médico como indivíduo e como agente mantenedor da saúde integral do doente.

A convivência da arte com a ciência, no caso, das artes com a Medicina, concede “qualidades humanísticas em consultas rápidas, superficiais e operacionais“, quando há a empatia entre médico e paciente, situações que se concretizam pela convivência com as “artes, a literatura, a bioética e a espiritualidade“. Finalizando, os autores confirmam a importância do programa em estimular debates sobre temas como saúde mental, emocional e física, que auxiliam, nas palavras dos próprios  alunos, na “inspiração para mudanças de perspectivas e atitudes, além de proporcionarem ganhos na vida acadêmica“. 

Artigo

MESQUITA, D. A. K. de; TEMPSKI, P. Z.; MAIA, F. M.; CUNHA, T. S. L.; PAIVA, L. B.; BAQUIT, M. P.; CORREA, R. V.; GIAXA, R. R. B. Belas artes para estudantes de medicina: motivando debates transformadores. Revista de Medicina, São Paulo, v. 101, n. 2, e-189268, 2022. ISSN: 1679-9836. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v101i2e-189268. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revistadc/article/view/189268. Acesso em: 18 abr. 2022.

 

Daniel Araujo Kramer de Mesquita – Residente de Psiquiatria do Hospital de Saúde Mental Professor Frota Pinto, Fortaleza, CE. E-mail danielkramer@edu.unifor.br

Patricia Zen Tempski – Pediatra e professora da USP. E-mail  patricia.tempski@fm.usp.br

Fernanda Martins Maia – Neurologista, professora da Universidade de Fortaleza e co-orientadora do Programa de Educação Tutorial vinculado ao Ministério da Educação. E-mail  fernandamaia@unifor.br

Thais Saraiva Leão Cunha – Residente de Medicina de Emergência do Instituto Dr. José Frota em Fortaleza, CE. E-mail thaissaraiva@gmail.com

Larissa Barbosa Paiva – Médica pela Universidade de Fortaleza, CE. E-mail lbplari@hotmail.com

Mariana Pontes Baquit –  Médica pela Universidade de Fortaleza, CE. E-mail marianapbaquit@gmail.com

Rafaela Vieira Correa – Professora da Universidade de Fortaleza e tutora do Programa de Educação Tutorial vinculado ao Ministério da Educação. E-mail rafaelavieiracorrea@gmail.com

Renata Rocha Barreto Giaxa – Professora da Universidade de Fortaleza, CE. E-mail renatagiaxa@gmail.com


Revistas da USP
A seção Revistas da USP é uma parceria entre o Jornal da USP e a Agência USP de Gestão da Informação Acadêmica (Águia) que apresenta artigos de autores de diversas instituições publicados nos periódicos do Portal de Revistas USP.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.