Ancestrais das aves sobreviveram a meteoro que extinguiu dinossauros

Nas florestas reconstruídas as aves ocuparam os galhos das árvores e desenvolveram membros mais curtos

  • 272
  •  
  •  
  •  
  •  

 

Representação artística e hipotética de como teria sido o impacto do asteroide que formou a cratera de Chicxulub, no México – Imagem: Donald E. Davis
– www.jpl.nasa.gov / Domínio público

Há 66 milhões de anos, um meteoro, de aproximadamente dez quilômetros de diâmetro, caiu na região que hoje é conhecida como a costa da Península de Yucatán, no México, e causou grande destruição na Terra, que é vista como uma das principais causas da extinção dos dinossauros.

Pesquisadores britânicos, americanos e suecos descobriram que aves que viviam no solo conseguiram sobreviver e ocuparam as árvores quando as florestas ressurgiram, desenvolvendo membros mais curtos e características para agarrar galhos e ramos.

O professor Max Langer, do Laboratório de Paleontologia do Departamento de Biologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCLRP) da USP, em Ribeirão Preto, comentou a pesquisa.

Ecomorfologia de membros inferiores sugere transições mais demoradas para arborealidade entre aves do cenozóico – Imagem: Daniel Field e colaboradores / revista Current Biology

Ele disse que além dessas, espécies muito recifes e grupos de corais foram extintos na mesma época. 

Ouça, no link acima, a íntegra da entrevista.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 272
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados