Análise de proteína na saliva indica evolução de câncer de boca

Método permite que médicos adequem tratamentos de acordo com individualidade da doença em cada paciente

jorusp

Estudo do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais criou um método para prever evolução do câncer de boca com uso da saliva. O estudo foi feito em parceria com USP, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Instituto do Câncer de São Paulo Octavio Frias de Oliveira (Icesp). Para comentar sobre essa iniciativa e as características do câncer de boca, um dos mais agressivos, o Jornal da USP no Ar contatou Ana Carolina Prado Ribeiro, odontologista do Icesp.

A cada ano, 300 mil pessoas são diagnosticadas com câncer de boca em todo o planeta, e as mortes chegam a 145 mil, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). A doutora explica que, na maioria das vezes, os pacientes são diagnosticados tardiamente, cenário responsável pela diminuição de sobrevida e por tratamentos mais agressivos. A partir do método desenvolvido, foram identificadas proteínas presentes tanto nos tecidos cancerígenos coletados quanto na saliva. Dessa forma, segundo Ana Carolina, é possível oferecer o prognóstico de evolução da doença por meio da amostra de saliva.

Foto: Vanessafrazao via Pixabay – CC

A leitura de proteínas específicas permite facilitar o diagnóstico e formular novos rumos de tratamento para os oncologistas. O estudo possibilita que médicos sejam capazes de analisar individualmente os casos de câncer e oferecer o tratamento mais adequado para cada paciente, afirma a odontologista. O próximo passo do estudo é coletar a lágrima dos pacientes, como um método menos invasivo, e desenvolver um kit com um biossensor, para ser usado no Sistema Único de Saúde (SUS) e dar o resultado do exame de saliva na hora. Mas Ana Carolina ressalta que a ideia é um processo para ser executado a longo prazo.

Como odontologista, ela afirma que esses profissionais são capacitados a identificar sintomas do câncer de boca visualmente. Lesões esbranquiçadas e avermelhadas ou ulceradas são indícios da doença, causada, em cerca de 85% dos casos, por consumo constante de álcool e tabaco, diz especialista. O dentista tem papel fundamental no momento de prognóstico, pois é quem tem o primeiro contato e encaminha o paciente, caso necessário, a um médico especializado.

jorusp

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.