Pesquisa precisa de voluntários recuperados da covid-19 para último grupo de estudos com treino físico associado à altitude

Para participar, os voluntários não podem ter tido forma assintomática ou leve da doença e sim terem se recuperado de sintomas mais intensos em casa ou hospitalizados; precisam ainda estar em boa condição de saúde e há mais de 30 dias sem sintomas

Para a continuidade do estudo Efeito do treinamento de moderada intensidade associado à hipóxia normobárica sobre a função pulmonar, parâmetros hematológicos, imunológicos, autonômicos e relacionados à aptidão física em pessoas convalescentes da covid-19 (AEROBI – COVID), da Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto (EEFERP) da USP, os pesquisadores buscam mais 20 voluntários, que podem se inscrever até 21 de outubro. A avaliação inicial será agendada entre os dias 22 e 26 de outubro, já o início do programa de treinamento físico também será no dia 26 de outubro. 

Para participar, o candidato deve ter sido diagnosticado (com teste diagnóstico positivo) com a covid-19 e ter disponibilidade para se deslocar à USP para realizar o programa de treinamento físico três vezes por semana (segundas, quartas e sextas-feiras), durante oito semanas. Os participantes devem ter entre 30 e 69 anos e ter se recuperado da covid-19 entre julho e outubro de 2020.  

As atividades práticas da pesquisa, que já estão em andamento com cerca de 60 voluntários, começaram na primeira semana de setembro. Os participantes já realizaram as avaliações iniciais e estão participando da intervenção de treinamento físico moderado de bicicleta. Algumas avaliações realizadas antes do início do estudo serão refeitas após oito semanas de treinamento físico, para que seja possível realizar o acompanhamento do estado de saúde dos voluntários, com análises sanguíneas, função pulmonar, capacidade cardiorrespiratória, entre outros aspectos.

Segundo o professor Átila Alexandre Trapé, que coordena o estudo, a associação do treinamento físico à simulação de altitude surgiu a partir do menor número e da redução na gravidade dos casos de covid-19 em cidades mais altas, onde a concentração de oxigênio é menor. “O treinamento físico sozinho já seria uma estratégia importante e efetiva para estes participantes e os pesquisadores acreditam que a exposição à simulação de altitude pode promover efeitos complementares.”

A pesquisa AEROBI-COVID conta com apoio financeiro do USP Vida. O professor Átila Alexandre Trapé conta com a colaboração de seus colegas Marcelo Papoti, também da EEFERP, e Carlos Arterio Sorgi, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP. Integram a equipe de trabalho mais de 20 pesquisadores, incluindo docentes da USP em Ribeirão Preto, UTFPR, UNIFAFIBE e Universidades do Chile e Espanha, além de funcionários da EEFERP, alunos de graduação e pós-graduação da USP. 

Dúvidas e interesse pelo projeto poderão ser encaminhados pelo e-mail aerobi.covid@gmail.com e pelo telefone/whatsapp (16) 98830 5017. 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.