Internet muda forma de consumo cultural no País

Apesar da riqueza e pluralidade, internet fragmenta sistema cultural brasileiro, criando nichos de acesso público limitado

 07/07/2021 - Publicado há 2 meses

A pandemia fechou espaços culturais, interrompeu produções artísticas, adiou projetos e ainda tem deixado tristes lacunas no horizonte cultural, com a morte de importantes e produtivos artistas. Mas, é a internet que está fazendo mesmo a diferença no atual cenário, com a “fragmentação do próprio sistema cultural no Brasil”, avalia o professor Marco Antônio de Almeida, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP.

Questionado sobre as perdas de grandes artistas para a covid-19, Almeida lamenta, afirmando que essas mortes abrem grandes lacunas, mas que suas obras ficam como legado para gerações futuras, reconhecidos que são por diversas instituições: imprensa, crítica e gosto popular. O que tende a não ocorrer daqui para a frente com a internet e as mudanças no consumo e circulação de informação cultural.

Segundo o professor, dificilmente teremos nomes reconhecidos por três gerações diferentes de uma mesma família, como acontece com Chico Buarque, Elis Regina e Roberto Carlos. A tendência agora, diz, “é que esses gostos se fragmentem e que as referências sejam mais voltadas para grupos específicos”.

A internet, garante Almeida, vem cumprindo importante papel no surgimento de novas expressões culturais, revitalizando antigas manifestações e formas de cultura. Mas, “por ser muito desigual, muito fragmentada, acaba construindo culturas de nicho, onde poucas pessoas têm acesso porque a informação necessária não chega a todos os espaços”. Para o professor, a tendência será de riqueza e pluralidade cultural, com acesso limitado a todos os públicos.

E a falta de políticas públicas culturais, nota Almeida, pode deixar ainda mais desigual o acesso a essa nova forma de cultura, já que os agentes públicos da área vem “sendo desmantelados nos últimos tempos”.

Por: Rita Stella e Léia Coelho


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.