Brasil tem queda nas exportações de açúcar

Vendas externas de etanol seguiram trajetória de alta.

Entre 2018 e 2019 houve uma queda considerável nas exportações de açúcar, enquanto que as exportações de etanol seguiram trajetória de alta. Para a atual safra, as perspectivas são de bons resultados para as vendas do açúcar brasileiro. Segundo a União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica), na safra 2020/2021, a produção de açúcar deve alcançar os 38 milhões de toneladas, aproximadamente nove milhões de toneladas a mais frente ao registrado na safra anterior.

Entre abril de 2019 e abril de 2020, o país exportou 1,94 bilhões de litros de etanol, alta de 16% em relação ao acumulado nos doze meses anteriores. O crescimento nas exportações do combustível é sustentado pelo diferencial competitivo do etanol.

Os dados são do Boletim Setor Sucroalcooleiro de julho de 2020, dos pesquisadores Francielly Almeida e Marcelo Lourenço Filho, sob coordenação do professor Luciano Nakabashi, da FEA-RP.

Para a atual safra de Açúcar Total Recuperável (ATR, que representa o total de açúcares como sacarose, frutose e glicose contidos na cana-de-açúcar processada), a projeção é de produção total de 87,3 milhões de toneladas, queda de 2,5% em relação à anterior. O atual cenário e fatores exógenos adversos impactaram na produtividade: na média nacional, o ATR caiu de 139,3 kg/ton para 138,4 kg/ton, queda de 0,65%.

Especialistas apontam que o Brasil deverá exportar entre 28 milhões e 30 milhões de toneladas de açúcar nesta safra, o que representa cerca de 50% da importação mundial da commodity.

Além da maior produção, a quebra de safra na Tailândia (segundo maior exportador), a alta demanda da China e o câmbio favorável contribuíram para o desempenho da produção brasileira no mercado externo.

A cotação do açúcar no mercado internacional seguiu trajetória de alta entre o fim de 2019 e início de 2020, chegando a US$16,19/saca em fevereiro. Com a crise global decorrente da pandemia, os preços da commodity caíram, chegando a US$11,18/saca, em abril. No mês de junho, com a retomada parcial das atividades, o preço subiu para US$13,34 mas ainda segue em patamares historicamente baixos. Na comparação com junho de 2019, o preço está 6,5% menor.

Por: Leonardo Rezende

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.