Vitória de Joe Biden nos EUA pode alterar política ambiental brasileira, diz professor

Pedro Luiz Côrtes comenta discurso de Bolsonaro, acusando ONGs, e o posicionamento do governo frente a possível apoio americano

 02/10/2020 - Publicado há 12 meses

Esta semana, o presidente Jair Bolsonaro disse, em um discurso na Cúpula sobre Biodiversidade da Organização das Nações Unidas (ONU), que algumas ONGs estariam envolvidas em crimes ambientais no Brasil e no exterior, mesmo não apresentando provas. Além disso, Donald Trump e Joe Biden, candidatos à presidência dos Estados Unidos, discutiram o investimento de US$ 20 bilhões ao Brasil para o combate ao desmatamento na Amazônia, ao que Ricardo Salles respondeu que seria uma quantia insuficiente caso fosse distribuída ao longo de dez anos. O professor Pedro Luiz Côrtes, da Escola de Comunicações e Artes (ECA) e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP, repercute esses fatos em entrevista ao Jornal da USP no Ar.

Segundo o especialista, a presença do assunto no debate eleitoral americano indica que a pressão internacional vem crescendo e “caso Joe Biden ganhe as próximas eleições isso vai determinar uma mudança na política externa brasileira e uma revisão das práticas ambientais”. A declaração do ministro do Meio Ambiente também chama atenção, pois o Fundo Amazônia, bloqueado desde o ano passado, representa recursos parados e que poderiam ser investidos, embora não haja nenhuma movimentação do governo a esse respeito. “Se o Ministério não consegue utilizar nem os 100 milhões do Fundo Amazônia, como irá utilizar 2 bilhões por ano ou 20 bilhões de uma única vez? Isso mostra que o discurso não é condizente com a prática”, conta o professor.

Quanto ao discurso de Bolsonaro, que disse que a divulgação de informações falsas sobre a questão ambiental no Brasil é o fator causador de tensões internacionais sobre o tema, Côrtes lembra que a fonte dessas informações é o próprio governo federal pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), cujas metodologias são reconhecidas nacional e internacionalmente. Logo, “fica demonstrado, mais uma vez, como a cúpula governamental tem dificuldade em lidar com esses dados e coloca a culpa nas ONGs, sem apresentar nomes ou provas. Esse é um discurso voltado para o público interno de apoiadores do presidente e que não melhora de maneira alguma nossa imagem no exterior”, explica.

Saiba mais ouvindo a entrevista na íntegra.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.